Arquivo do mês: outubro 2011

Eleição da Cabe – Vitória da democracia!

Para um amante da democracia e alguém que acredita em mudanças significativas na Corporação nos próximos anos, o dia de ontem foi marcante. Uma verdadeira festa democrática onde alguns sentiram-se derrotados e outros vitoriosos. Particularmente acredito que todos sairam vitoriosos.

Nossa essência, ou seja, nosso “adestramento” militar, é para desmobilizar pessoas, nunca para mobilizá-las. Mas aos poucos estamos aprendendo o segredo da mobilização. Ontem, em pleno domingo, depois de um “feriadão”, levarmos aproximadamente quatro mil eleitores (3.761) foi uma grande demonstração de que algo  de bom está acontecendo em nosso meio. Uma eleição presencial superou as prévias (eleição virtual para escolher os possíveis representantes da categoria para as eleições estaduais) onde o policial podia votar de casa, por meio do seu computador. A Assembléia na LBV, com aproximadamente oitocentos policiais também demonstrou que queremos mudanças. A criação de uma “nova” associação, chamada de SindPM pode dar um novo gás as práticas reivindicatórias. Muitas coisas estão acontecendo, muitos conflitos estão surgindo, muitas mudanças poderão ocorrer!

A Chapa vitoriosa chegará para seu mandato legitimada por mais de 30% (trinta por cento) dos votos, mas a oposição ainda tem aproximadamente 70% (setenta por cento) de legitimidade juntas, o que significaria uma grande legitimidade para fiscalizar os atos administrativos dos vitoriosos nos próximos quatro anos, mas que  demonstrou que mais uma vez foram vencidos pela falta de união e cooperação. Em um pleito como esse não poderíamos ter mais do que três chapas concorrendo. Um reflexo claro do macro no micro cosmo da PM. Uma explicação simples do porque não elegemos representantes em outras esferas. Precisamos avançar. Uma solução para amenizar a oposição poderia ser uma divisão proporcional dos cargos, entre vencidos e vencedores, assim como é feito no Sinpro e outros sindicatos.

O dia de ontem demonstrou a força do ex-deputado João de Deus, que hoje controla as principais associações de praças da Corporação. Isso nos faz refletir sobre a grande quantidade de inativos, sargentos e oficiais votantes, o peso do oitavo batalhão em qualquer pleito e a ausência dos policiais mais novos. Receitas antigas para combater velhas práticas que sempre levaram alguns grupos a vitória tornam as “mudanças” impossíveis. A conscientização permanente dos mais novos torna-se cada vez mais necessária para projetos e mudanças a longo prazo! O pão e circo ainda funciona em nossos dias…

No todo a mobilização de ontem foi surpreendente. Demonstrou que o “elefante branco” começa a “pensar”, está despertando. Acredito que muitos de nós começam a sentir-se parte do processo, parte da instituição, encontramo-nos apenas perdidos, ainda sem direção. Talvez falte-nos alguém para nos mostrar um caminho alternativo, falta-nos lideranças consolidadas. Creio que com o tempo nos acostumaremos com a luz. No início incomoda, mas depois é tudo perfeito! Estamos no caminho certo!

Parabéns a comissão eleitoral, pessoas sérias que conduziram o processo. Pessoas super-competentes que já tive a honra de conviver em algum momento de minha vida policial.

Parabéns aos companheiros e amigos da Chapa 04 (Cabe Para Todos) que souberam competir, alcançando um honroso segundo lugar. Parabéns a todas as outras Chapas pelo exemplo de luta, perseverança e democracia!

Obrigado a cada amigo e irmão que depositou um voto de confiança em nós! Não colocarei nomes para não cometer injustiças, mas obrigado a cada um que esteve lá, atendendo ao chamado postado aqui no blog e as mensagens que mandei em seus celulares, e confidenciou que só foi por acreditar nesse projeto chamado: Policiamento Inteligente!

8 Comentários

Arquivado em desmilitarização das polícias, polícia militar, Reflexão, Tira dúvidas

DOMINGO, dia 30 de outubro – Cabe para todos – chapa 04

Próximo domingo, dia 30 de outubro, na escola de formação de praças, antigo 1º BPM, conto com os amigos e irmãos. Vamos escolher os nossos representantes para CABE. As propostas são muito parecidas, detalhes farão a diferença. Vejam bem que são as pessoas de cada chapa e façam a melhor escolha. A participação de cada um é de fundamental importância.

Ocorreram várias denúncias ao longo dessa campanha. Vamos ficar atentos aqueles que iremos escolher para administrar nosso dinheiro  nos próximos quatro anos. Nossa principal proposta é alteração do Estatuto para que nós, praças, também possamos exercer o potencial administrativo por inteiro. A cidadania plena começa aqui! Uma CABE de IGUAIS comandada por IGUAIS!

Saiba mais:

http://cabeparatodos.com.br//

5 Comentários

Arquivado em Aderivaldo

Os militares e a polícia (Artigo)

COBERTURA ESPECIALEspecial MOUTSegurança

09 de Outubro, 2011 – 11:30 ( Brasília )

Os militares e a polícia

Polícia é polícia. Soldado é soldado. No discernir entre um e outro está o equilíbrio para garantir paz e liberdade democrática.
Mac Margolis
CORRESPONDENTE DA NEWSWEEK NO BRASIL

Polícia é polícia. Soldado é soldado. No discernir entre um e outro está o equilíbrio para garantir paz e liberdade democrática. Assim reza a cartilha do nosso tempo. Pena que o mundo conspira contra.

A violência na América Latina não é surpresa. Um estudo da ONU mostra a folha corrida da região. Para cada 100 mil cidadãos, a Venezuela amarga 49 assassinatos, a Colômbia tem 33 e o Brasil, 22. Na média latino-americana, são 16 homicídios por 100 mil habitantes, mais do que o dobro da mundial (6,9 por 100 mil). Isso sem nenhuma guerra convencional. Em apenas dois países, Honduras e Guatemala, matou-se mais no ano passado do que em todos os 27 países da União Europeia.

Agora, vem a guerra dos criminologistas. De um lado, os “minimalistas”, que querem manter uma muralha entre Forças Armadas e polícia. Romper essa barreira, advertem, é um atalho para o inferno jurídico e o caos social, mazelas que a América Latina conhece bem.

Do outro lado ficam os que veem o perigo da desordem e a necessidade de tomar uma atitude antes que seja tarde. Segundo eles, quando o crime vira emergência, não há escolha: a sociedade precisa reagir com todo o arsenal que tem.

O debate se intensificou no ano passado com a invasão das favelas do Complexo do Alemão, um esforço conjunto da polícia com as Forças Armadas. O Alemão estava na fila da pacificação no Rio, um projeto a ser executado somente quando houvesse policiais treinados para uma ocupação pacífica.

A intervenção, aplaudida pela população, foi questionada por especialistas. Seria um novo pacto pela segurança ou o início do fim da ordem democrática? A resposta não é tão nítida. Ninguém quer trocar Cosme e Damião pelo Urutu. Soldados não são treinados para ser guardas. Mas o que fazer quando a polícia não dá conta?

A escalada do crime, o envolvimento de organizações transnacionais e o uso de tecnologias de ponta forçam a mão do Estado, que precisa responder antes que o caos se instale.

A fronteira entre crime comum e ameaças à estabilidade nacional está cada vez mais tênue. Embates convencionais são raros. Em seu lugar, crescem os conflitos internos, a insurgência e os combatentes sem pátria misturando-se com civis, muitas vezes com a conivência de autoridades constituídas.

A guerra do futuro envolve esses freelancers. Esses criminosos não precisam derrubar o poder constituído, apenas solapá-lo para garantir sua autoridade. A polícia, sozinha, dificilmente dá conta.

Militarizar o combate ao crime é arriscado. No México, o presidente Felipe Calderón enviou as Forças Armadas para combater o tráfico. Resultado: 40mil assassinatos desde 2006. Havia escolha? Talvez não, pois as instituições mexicanas estão ocas.

Agora, Honduras, com o pior surto de violência da região, estuda uma solução à mexicana. Se é o começo do fim da ordem democrática ou o início do ressurgimento dela é uma questão em aberto.

Fonte: http://www.defesanet.com.br/mout/noticia/3081/Os-militares-e-a-policia 

Retirado do blog: http://missaodepaz.wordpress.com/2011/10/11/os-militares-e-a-policia/

6 Comentários

Arquivado em Diversa, Reflexão

Ministério Público investiga denúncias sobre compra irregualar de apartamentos pela CABE!

 19/10/2011 08h15 – Atualizado em 19/10/2011 09h39

Caixa Beneficente da PM pagou R$ 6,5 milhões por 40 imóveis em Caldas Novas. Depois de 9 meses, terreno onde os prédios seriam construídos está vazio.

Do G1 DF, com informações Bom Dia DF

O Ministério Público do Distrito Federal investiga suspeitas de irregularidades na compra de apartamentos pela associação da Polícia Militar do Distrito Federal. Em janeiro, a Caixa Beneficente da PM (Cabe), que representa a corporação, assinou um contrato e pagou R$ 6,5 milhões à TRV Construções e Incorporações Ltda. Em troca, 40 apartamentos, de 1 e 2 quartos, em um resort em Caldas Novas, cidade goiana a 291 quilômetros de Brasília. O empreendimento seria exclusivo para policiais militares do DF. Mas nove meses depois o terreno onde os prédios seriam construídos continua vazio. A transação está sendo investigada pelo MPDF, não apenas porque a obra ainda não saiu do papel, mas também porque o valor cobrado pelos apartamentos estaria muito acima do preço de mercado. Além disso, há detalhes do contrato e questões ligadas à construtora considerados suspeitos. Um documento da Junta Comercial de Goiás mostra que a construtora TRV foi criada quatro meses antes do negócio. No contrato, a construtora garante que é legítima proprietária da área destinada à construção do empreendimento. Mas uma certidão do cartório de Caldas Novas prova que depois da assinatura do contrato, o imóvel tinha outros donos. Um dos sócios da TRV Construções, Avaci Tavares Gonçalves, confirma ter comprado o terreno depois, apesar do nome dele aparecer no contrato assinado em janeiro. A TRV tem outros três sócios. Entre eles, Vanessa Abreu Batista Pereira, esposa de um oficial que, segundo Avaci Tavares, teria intermediado a negociação entre a Caixa Beneficente e a construtora. O que ele considera um procedimento normal. Vanessa Batista Pereira disse que não existe nenhuma relação suspeita na transação e que o marido nunca fez parte da direção ou de qualquer cargo na Caixa Beneficente da PM. Em nota, a Caixa Beneficente da PM, informou que a construtora TRV é uma sociedade que foi criada exclusivamente para a construção do resort. Segundo a associação, esse tipo de empresa é uma garantia de que o empreendimento não será afetado por qualquer problema. A Caixa Beneficente da PM diz ainda desconhecer qualquer ação do Ministério Público e que toda a negociação do empreendimento foi feita dentro da lei e de maneira transparente. Quanto ao atraso nas obras, a TRV Construções e Incorporações informou que houve um atraso na emissão da licença ambiental. Sobre o preço dos apartamentos, a empresa garantiu que o valor cobrado é compatível com a estrutura que será oferecida.

 “Nota de esclarecimento da Caixa Beneficente: Em relação às informações que vêm sendo disseminadas sobre atitudes da atual gestão da Caixa Beneficente da PMDF (Cabe), especificamente no que tange à aquisição de empreendimento em Caldas Novas, cabe ao Conselho Deliberativo e à Diretoria Executiva da Entidade os seguintes esclarecimentos: A Caixa Beneficente da PMDF, Associação de natureza PRIVADA, a título de explanação inicial, insta relatar que o empreendimento firmado em parceria com o Grupo Privé, denominado Mirante da Serra Thermas Resort, na cidade de Caldas Novas – GO foi uma decisão adotada pelo Conselho Deliberativo após várias tratativas que perduraram por mais de 06 (seis) meses (desde junho de 2010), por entender ser a oportunidade de fornecer a todos os contribuintes um benefício diferenciado e inovador denominado CABETUR e, mesmo assim, somente depois de considerar vários aspectos, os quais citamos abaixo. A. O potencial turístico da Cidade de Caldas Novas, por meio de relatório circunstanciado; B. Estudo de viabilidade econômico-financeira e o risco do investimento, através de consultoria especializada; C. A credibilidade do parceiro incorporador quanto à idoneidade e expertise no ramo desse tipo de empreendimento, por meio de pesquisas judiciais e no mercado imobiliário; D. Análise da forma de incorporação por meio de SPE, no sentido de conferir segurança e, minimizar os riscos do empreendimento; E. Visitas, in locu, do terreno e de vários empreendimentos realizados pela parceira; F. Reuniões, com apresentações a esse Conselho Fiscal e Diretoria Executiva, por convite ao Diretor e quem ele indicasse; e G. Pesquisa do mercado imobiliário na cidade de Caldas Novas – GO. Respostas aos questionamentos: 1- O contrato entre a CABE e a TRV não foi assinado pelo presidente do Conselho Deliberativo – Coronel Gilberto Alves de Carvalho. O Diretor-Executivo da CABE de acordo com o Estatuto Social é o responsável legal para assinar contratos em nome da entidade. A assinatura pelo presidente do Conselho Deliberativo ou, na ausência deste, por um de seus membros é aposta para demonstrar que o Conselho aprovou o contrato. Ou seja, não há qualquer irregularidade no negócio. 2- Aquisição do terreno em Caldas Novas A CABE não adquiriu simplesmente um terreno em Caldas Novas, tornou-se parceira de um empreendimento turístico associada a um dos maiores grupos de turismo e hotelaria do Brasil, o grupo Privé. O montante pago é referente à aquisição de 40 dos 456 apartamentos do empreendimento. Além disso, a CABE detem o direito vitalício de administrar o empreendimento hoteleiro e receberá toda a área comercial do complexo de aproximadamente 1.000 m² (restaurantes, lanchonetes e centro de convenções). 3- A criação recente da empresa TRV A empresa TRV é uma Sociedade de Propósito Específico (SPE) que foi criada exclusivamente para a incorporação da construção do Resort. Uma SPE é uma sociedade empresária cuja atividade é bastante restrita, podendo em alguns casos ter prazo de existência determinado, normalmente utilizada para isolar o risco financeiro da atividade desenvolvida. Ou seja é uma garantia de que o empreendimento não será afetado por qualquer problema relacionado às empresas ou entidades que lhe deram origem. A Sociedade de Propósito Específico – SPE corresponde a uma sociedade com as mesmas características do consórcio, porém com personalidade jurídica, que é formada para a execução de determinado empreendimento previamente identificado e em prazo limitado. Geralmente a SPE, também denominada por consórcio societário, é exigida pelo Poder Público em licitações e concessões, por facilitar a fiscalização e a relação contratual entre este e aquela, e permitir maior garantia aos credores. 4- Processo no Ministério Público A Caixa Beneficente desconhece qualquer ação do Ministério Público contra a entidade, até porque, cabe ao Ministério Público a fiscalização das Fundações e não das Associações. Por fim, a Caixa Beneficente da PMDF afirma que realizou a negociação deste empreendimento desde a sua criação, de maneira clara e transparente, utilizando os meios totalmente legais e a divulgação pelos meios de comunicação próprios da entidade tais como o web-site, sua revista periódica que é distribuída em todos as organizações policiais militares do DF e em várias reuniões institucionais. Além disso, sempre deixa à disposição de seus Associados os documentos relativos à este Projeto. Acredita que está de pleno acordo com a sua missão corporativa, que foram respeitados todos os princípios legais e tais denúncias, infundadas, visam apenas macular a imagem dos atuais conselheiros, conturbando o processo eleitoral, plenamente democrático, em andamento. Brasília, 18 de outubro de 2011 Assessoria de Imprensa – CABE PMDF”

Fonte: http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2011/10/mp-investiga-denuncia-sobre-compra-irregular-de-apartamentos-pela-pmdf.html

1 comentário

Arquivado em polícia militar, Reflexão

Campeão, vencedor, essa Fé, que te faz imbatível, te mostra o seu valor!

“Sucesso é acordar de manhã

…Não importa quem seja

…Onde você esteja

…se é velho ou se é jovem 

É sair da cama porque existem coisas importantes que você adora fazer, nas quais você acredita, e em que é bom.

Algo que é maior que você, que você quase não aguenta esperar para fazer hoje.” (Whitt Hobbe)

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão

Violência simbólica contra um soldado de polícia!

Para os leitores do Blog Policiamento Inteligente, o termo “violência simbólica” já é conhecido, mas para outros que estão visitando esporadicamente irei esclarecer algumas dúvidas antes de discorrer sobre o tema de hoje. Um dos conceitos mais comentados e menos conhecidos na obra de Pierre Bourdieu é o de violência simbólica.

Criado com o objetivo de elucidar as relações de dominação que não pressupõe a coerção física ocorridas entre as pessoas e entre os grupos presentes no mundo social, o eminente sociólogo francês cunha esta noção, a qual corresponde a um tipo de violência que é exercida em parte com o consentimento de quem a sofre.Uma Instituição como a Polícia Militar há algum tempo abandonou a violência física contra “os” Praças, mas passou a utilizar a violência simbólica de maneira mais ostensiva. A raiz da violência simbólica estaria deste modo presente nos símbolos e signos culturais, especialmente no reconhecimento tácito da autoridade exercida por certas pessoas e grupos de pessoas. Deste modo, a violência simbólica nem é percebida como violência, mas sim como uma espécie de interdição desenvolvida com base em um respeito que “naturalmente” se exerce de um para outro.

Em alguns casos, pressupõe o uso legitimado de estratégias punitivas em relação ao outro, um bom exemplo é a relação aluno/professor, que se utiliza  de reprovações e castigos para aqueles que não se enquadram nos moldes sociais da instituição escolar. No que tange à concordância entre o dominado e o dominador, este aspecto da argumentação de Bourdieu é muito pouco entendido, pois algumas pessoas entendem como se houvesse um acordo formalmente estabelecido no qual a dominação é reconhecida como legítima, quando na verdade esta se dá pela ação das forças sociais e pela estrutura das normas internas do campo do mundo social em que os indivíduos se inserem, e que de certa maneira se incorporam (até mesmo corporalmente) em seus habitus. Acredito que a ausência de conflito gera a dominação, já o conflito gera mudanças significativas.

Mas por que abordar o tema violência simbólica nesse espaço?

Na verdade, preciso dar uma satisfação aos leitores do Blog. Tenho encontrado vários companheiros que me perguntam onde estou trabalhando. Ao responder que estou no CTEsp alguns ficam na dúvida: Ué, você não está na Câmara Legislativa? Vi seu nome no diário oficial desde agosto!

Afirmo aos amigos que não estou lá (Câmara Legislativa) e possivelmente não irei. Por quê? A resposta está lá em cima: Violência Simbólica! Esse tipo de tratamento gera muitos transtornos e constrangimentos, além é claro, de desmoralizar nossa instituição! Particularmente, já sou eu quem não quer mais passar por isso! É muito desgaste para tão pouco…dinheiro nenhum no mundo paga esse tipo de humilhação…

Como já escrevi vários textos sobre o tema, hoje encerro o tema apresentando cópia dos questionamentos feitos a administração, que até hoje não foram respondidos, sobre o motivo pelo qual o Comandante-Geral deu um parecer positivo em um processo, o Chefe da Casa Militar o assina em ato publicado em diário oficial e mesmo assim existem “ORDENS EXPRESSAS PARA NÃO LIBERÁ-LO”. O que gerou transtornos e constrangimentos a minha pessoa.

Até o momento da parte e do requerimento eu questionava a legalidade e impessoalidade do fato, mas agora sabendo que é pessoal e que é uma decisão de comando rendo-me ao sistema, aceitando minha posição de soldado de polícia, ou seja, a de um escravo subjugado.

Obrigado aqueles que se empenharam em ajudar esse pobre blogueiro, soldado de polícia!

Publicação em diário oficial da autorização para ocupar a função de segurança parlamentar – CL 07

Utilizei todos os meios legais dentro da Corporação, mas recebi como resposta o “silêncio”. Somente agora uma Comandante, coronel justa e honesta me recebeu e me ouviu…

Outro tipo de violência simbólica é ouvir superiores hierárquicos e pares utilizando piadas para diminuir minha pessoa. Piadas do tipo: “Vamos ver se você tem bala na agulha novinho!” – “Pressiona a autoridade, caso contrário você não irá!” – “Você não era forte? Enfraqueceu rápido!”

Seria mais justo não criar expectativas, ou seja, indeferir o pedido (processo)!

Fonte: http://pt.shvoong.com/social-sciences/1721852-pierre-bourdieu-conceito-viol%C3%AAncia-simb%C3%B3lica/#ixzz1asxgtmth

Saiba mais sobre minha “saga” dentro da Corporação:

https://aderivaldo23.wordpress.com/2011/09/27/dois-pesos-duas-medidas/

https://aderivaldo23.wordpress.com/2011/10/05/as-tres-fases-na-vida-de-um-lider/#comment-7216

23 Comentários

Arquivado em Aderivaldo, polícia militar

O segredo de semear…Blog do Comandante-Geral

Hoje irei semear algo que retirei do Blog do Comandante-Geral…

Parafrasearei um pensador que diz: “O importante não é a posição, mas sim a influência!” – Que nosso Comandante continue a semear “influências positivas” com mais frequência em seu blog! Ele está demonstrando um bom trâmite entre as “autoridades políticas” e as várias “camadas” da sociedade!  Um comandante forte torna uma Instituição FORTE!

Bom Feriado a todos!

UMA PARÁBOLA PARA REFLEXÃO

11 de outubro de 2011

Certo agricultor recebeu a visita de uma repórter que na sua pesquisa queria saber a mágica daquele agricultor nas suas boas colheitas por anos seguidos, e por ele também ser referenciado em relação à qualidade de suas sementes.

O agricultor respondeu que não havia mágica nenhuma. Simplesmente todo o ano, ao colher o milho, ele escolhia as melhores sementes e distribuía para todos os seus vizinhos, que também faziam boas colheitas com milho de qualidade. E assim eram as plantações daquela região.

A repórter mais intrigada ainda perguntou o porquê daquela atitude se com isto o agricultor teria mais concorrentes e venderia o seu milho a preço mais baixo, diminuindo o lucro.

O agricultor respondeu que distribuindo as melhores sementes com os seus vizinhos, todos na região teriam colheitas boas e viveriam satisfeitos e também venderiam o milho tal qual ele e desta maneira não correriam risco de que, com o vento e através dos pássaros, sementes ruins fossem transportadas de uma lavoura para a outra prejudicando as plantações. Quanto ao lucro, este não era o objetivo principal, mas sim que todos vivessem bem e em harmonia.

Em nosso ambiente de trabalho necessitamos distribuir as sementes boas para todos os companheiros, para que cada vez mais a PMDF seja forte e unida. (Grifo dado)

DIA DOS INATIVOS

No dia 27 de setembro de 2011 a PMDF comemorou O DIA DO INATIVO, com uma belíssima solenidade realizada na Academia de Polícia Militar onde aqueles que compareceram, ao final da solenidade desfilaram à frente da tropa formada, relembrando os velhos tempos. O efetivo “das antigas” foi comandado pelo Cel Tedeschi.

Após a solenidade, todos participaram de um coquetel nas dependências do museu da Academia de Policia Militar, onde as experiências vividas foram relembradas e idéias de outras atividades e envolvimentos foram construídos para que o pessoal da RESERVA ALTIVA participe mais seguidamente do dia a dia da Instituição.

Neste espaço gostaríamos de agradecer profundamente o empenho, dedicação e profissionalismo do efetivo da Diretoria de Inativos e Pensionistas, que de forma brilhante desenvolveu as atividades em comemoração ao DIA DA RESERVA ALTIVA. A todos os integrantes da nossa RESERVA ALTIVA os nossos parabéns.

CHOAEM

Foi assinado o decreto do CHOAEM que prevê o ingresso por antiguidade. Este foi um objetivo construído a várias mãos, em que os entendimentos começaram ainda no primeiro semestre do corrente ano, onde o tema foi tratado de forma aberta com as comissões, tanto dos subtenentes quanto dos outros seguimentos que pleiteavam a opção do sistema antigo.

As comissões tiveram acesso ao diálogo, debate e defesa das idéias tanto com o Comando Geral da Corporação, assim como com o Presidente da Câmara Distrital, Deputado Patrício, e também com o Chefe da Casa Militar, para fins de que os procedimentos sejam construídos dentro do ordenamento jurídico legal.

No seio da corporação fica, nesta seara, o reconhecimento do Comando Geral à equipe do Departamento de Gestão de Pessoal, que fez todo o esforço para que os trâmites processuais fossem elaborados e enviados à Casa Militar, para fins de aprovação.

Também o reconhecimento às comissões que, de forma madura, souberam construir as idéias dentro do conhecimento, da legalidade e do profissionalismo. Mesmo que em alguns momentos os cenários fossem de não alcance do objetivo.

E com certeza este Decreto não seria editado se não tivesse o Governador Agnelo Queiroz acolhido esta demanda e atendido a construção das idéias, culminando com a assinatura feita na solenidade realizada no salão nobre do Palácio do Buriti, no dia 05 de outubro de 2011, demonstrando a preocupação e o apoio à nossa Instituição.

VIATURAS NOVAS

Estamos esperando somente finalizar a colocação dos rádios para fazer a entrega das viaturas novas e redistribuir viaturas antigas.

CFP I

Novos Policiais Militares formados na última turma estão em estágios nas unidades do CPRM, onde estão aprimorando os conhecimentos e realizando o serviço de policiamento de presença a pé.

CFP II

Com previsão de formatura para novembro, já estão realizando estágios com policiamento presencial a pé nos comércios, de forma supervisionada nos finais de semana, nas Unidades do CPRO, CPRL e CPRS

OCORRÊNCIAS

Nestes últimos dias foram das mais variadas naturezas, em que as mais diversas guarnições, assim como o policiamento a pé e velado, obtiveram sucesso e êxito prendendo os bandidos e trazendo a tranquilidade e sensação de segurança à comunidade. Chama a atenção da sociedade a pronta resposta dada pelos integrantes da Corporação onde, mesmo que algum fato negativo se realize, em questão de minutos os bandidos são presos e, quando não, logo após, nas horas seguintes, mesmo em outros turnos de serviço aparece o resultado do trabalho. Nesta seara o trabalho em equipe com os irmãos da Polícia Civil tem sido importantíssimo no sucesso da prisão dos bandidos.

A sociedade vê e percebe este esforço e nela deve estar o nosso foco, e não em seguimentos que não reconhecem este trabalho de empenho, de esforço e dedicação profissional. (Grifo dado)

A todos os integrantes da corporação o nosso orgulho e os nossos parabéns.

Cel Rosback

Comandante Geral.

Fonte: http://www.pmdf.df.gov.br/blogdocomandante/

5 Comentários

Arquivado em polícia militar

Violência familiar envolvendo policiais! O que fazer? Precisamos ficar atentos!

Nossa Corporação é carente de um Código de Conduta, isso é fato, mas atualmente essa lacuna está sendo preenchida passo a passo por meio das Instruções Normativas. Precisamos conhecê-las.

A violência está presente em vários momentos de nossa vida profissional. É inerente ao nosso trabalho, mas existe um tipo de violência que pode surgir de repente e acabar com a nossa carreira. Precisamos aprender com os erros de alguns companheiros que pagaram um alto preço por seus atos. A violência a qual me refiro é a violência doméstica e familiar.

Considerando o elevado número de policiais militares que se envolvem em atos de violência doméstica ou familiar na qualidade de autor, o artigo 226 da Constituição Federal, que estabelece que a família é a base da sociedade e tem especial proteção do Estado, que os conflitos familiares podem redundar em mortes ou lesões corporais aos envolvidos, fora a própria desagregação familiar e a necesssidade de estabelecer e uniformizar procedimentos administrativos a serem adotados pelos respectivos Comandantes, Chefes e Diretores quando da prática de atos de violência no seio familiar, além da urgência que as medidas requerem, foi editada e publicada a Instrução Normativa nº 003/2011, que: Estabelece e uniformiza procedimentos a serem adotados pelos Comandantes, Chefes e Diretores por ocasião do envolvimento de policiais militares a eles subordinados que se envolvam em atos de violência doméstica e familiar.

Alguns pontos importantes a serem observados:

1) Ao tomar conhecimento do envolvimento de policial militar em ato de violência doméstica e/ou familiar deverá imediatamente determinar a instauração de sindicância, devendo afastar o policial de toda e qualquer escala de serviço operacional até o encerramento do procedimento administrativo.

2) Deverá ser adotada as medidas necessárias para a suspensão preventiva do porte de arma do policial envolvido no caso de violência doméstica e familiar, recolhendo a arma da corporação que por ventura estiver acautelada em nome dele.

3) Se a situação exigir poderá ser orientado ao policial para que ele recolha sua arma particular à reserva de armamento da unidade até um momento mais adequado, evitando, com isso, que algum caso mais grave ocorra no âmbito familiar com a utilização da arma.

4) O policial envolvido em ato de violência doméstica e familiar deverá ser apresentado, incontinenti, ao Centro de Assistência Social (CASo), para que seja feita avaliação e acompanhamento de sua situação.

5) Todo oficial-de-serviço às respectivas unidades, além de participar o fato a seu comandante, deverá informar ao Departamento de Controle e Correição, assim que tomar conhecimento, todo fato que envolva violência doméstica e familiar e que tenha como envolvido um policial militar.

Deixe um comentário

Arquivado em Tira dúvidas

A polícia, a crucificação e a ressurreição!

A polícia como uma Instituição “política” é altamente interessante. As formas de representação de poder também. A cúpula de nossa Corporação passa por um grande conflito. As brigas entre os grupos existentes já são perceptíveis e “nós” ficamos no meio do fogo cruzado. A falta de lideranças “desatreladas” dos cargos nos enfraquece perante as “autoridades políticas”. Falta pulso firme na tomada de algumas decisões internas. O abuso de poder ainda é presente em nosso meio. Seria uma boa hora para a atuação dos “grupos ligados aos direitos humanos em nosso meio” e em algumas áreas quem sabe até mesmo uma atuação do MP. Afinal, os direitos humanos deveriam ser o “fiel da balança” no Estado Democrático de Direito, ao atuar em situações em que o Estado ou seus agentes abusam do poder a eles confiado, não somente nos casos de violência fisíca. A violência simbólica muitas vezes é pior que a violência física… Fica a dica para o MP e para os grupos em defesa dos direitos dos humanos…

Ao falar de política isso me faz lembrar de uma história antiga:

Há mais de dois mil anos viveu em nosso meio um Mestre. Ele tinha uma voz suave e atraia multidões. Trouxe alívio para muitos, curou muita gente, lutou contra os escribas e fariseus, questionou o sistema da época, provocou grandes mudança no mudo. Havia sempre ao seu lado 12 (doze) discípulos, dentre eles um traidor. Entre os 12 (doze) haviam 03 (três) que faziam parte de seu círculo íntimo. Um dia, quando ele mais precisou, enquanto era perseguido e orava, no “Monte das Oliveiras”, os três dormiam tranquilamente. Ele foi preso e condenado a morte. Em sua crucificação no monte “Gólgota (caveira)” dos doze discípulos restou apenas um. No pé da Cruz haviam três pessoas próximas a Ele: Sua mãe, sua amiga e o discípulo que mais o amava. Ressucitou ao terceiro dia. 

Esse Mestre foi o maior líder que já existiu em nosso meio. Ele nos ensina que em nosso meio sempre haverão traidores e pessoas que nos abandonam, mas também nos ensinou que somente existiu a ressurreição, pois houve a crucificação. A perseguição e o abandono fazem parte do processo de crescimento do homem, principalmente o Cristão. Precisamos aprender tais lições!

2 Comentários

Arquivado em Reflexão

As três fases na vida de um líder!

O Blog Policiamento Inteligente foi criado por uma necessidade de um palco. Um espaço para produzir “mudanças positivas” na Corporação. Durante aproximadamente três anos tenho sido “proselitista”, como um pregador em uma igreja. Prego a necessidade de uma “mudança cultural” em nosso meio, ou seja, uma “desmilitarização cultural”. O objetivo aqui é formar lideranças policiais.

No último domingo, em minha igreja, ouvi algo que me abriu os olhos. Foi sobre as estações de fé em nossa vida. Descobri que “as estações mudam quando descobrimos novas verdades em nossas vidas.” As estações em minha vida estão mudando, espero que mude também em sua vida, caro leitor. 

 Tudo que necessitamos já está nas mãos de alguém. Precisamos ser competentes ao ponto de sabermos o que desejamos, aonde está aquilo que desejamos e o mais importante: Como conquistar aquilo que desejamos. Tal conquista é por meio da “Lei da Transferência”, existente em nossos relacionamentos. Por isso, precisamos valorizar nossos relacionamentos, não criticando aqueles a nossa volta.

 Aprendi cedo a nunca ser rebelde. Devemos nos posicionar sem precisar desmerecer o outro, o “ataque” pode ser as idéias divergentes, nunca as pessoas. O poder já existe, ele somente pode ser transferido, ou seja, legitimado. Muitas vezes o que precisamos está perto de nós, e é por meio da “Lei da compensação” agindo em nossas vidas que receberemos tudo aquilo que nos falta. O tempo será o fator primordial no final, pois ele traz consigo a “Lei do reconhecimento.”

É muito “filosófico”, mas isso pode ajudar aqueles que buscam o conhecimento e o aprimoramento em suas vidas. Mesmo sendo um “estafeta”, ou seja, um garoto de recados dentro da Corporação atualmente, posso ver o valor dessas leis em minha vida. Não importa o que você faz, mas sim o que realmente sabe que é.

A riqueza de um homem (micro) ou de uma instituição (macro) é medida pelos homens poderosos a sua volta. É isso que define o grau de poder de influência de um homem ou instituição. Precisamos aprender isso. Não nos esquecendo que “aqueles que incomodam são isolados na política.”  Por isso, a importância de sermos sábios em nossa atuação. Devemos nos posicionar, persistir em busca de nossos objetivos, sem sermos rebeldes ao ponto de não sermos respeitados. Ao aprendermos tais lições poderemos nos fortalecer enquanto indivíduos e enquanto instituição.

A última lição aqueles que desejam ingressar na arte de liderar é que existem três fases na vida de um líder:

1) Na primeira fase ele é subestimado. Essa é a fase onde ele mais cresce e se desenvolve!

2) Na segunda fase ele é ignorado. Essa é a fase onde ele aprende sobre a solidão do comando!

3) Na terceira fase ele é superestimado. Essa fase é a mais difícil, mas ele já aprendeu a absorver os golpes da vida. Nessa fase as pessoas já estão vendo o que ele pode tornar-se e começam a tentar impedí-lo. Não olham para ele vendo o que ele é, mais sim, o que ele será. É a fase onde os inimigos são revelados. Novamente tentam isolá-lo, mas assim como surgem os inimigos, também se revelam os verdadeiros amigos. Surgem três grupos nessa fase: Os que o amam, os que o odeiam e os indiferentes. Nessa fase ele se consolida.

Para concluir minha fala de hoje, gostaria de agradecer aos amigos do PDT e do PSB, em especial seu presidente e o SGT XAVIER, atual Ouvidor da Ceasa, membro da Chapa CABE PARA TODOS, pela força dada para resolver alguns “conflitos internos”, envolvendo minha pessoa. Agradeço também o Chefe da Casa Militar e o Comandante-Geral pelo empenho. A polícia mudará quando nós mudarmos! As “forças ocultas” continuam agindo, tentando impedir que eu atinja meu objetivo, mas acredito que “tudo coopera para o bem daqueles que amam ao Criador” e que “Tudo posso Naquele que me fortalece.”

Em resumo: “Um homem que se dobra diante de Deus não se dobra diante de outros homens”. Entrei para ser soldado, o que vier é lucro. Sou feliz fazendo o que faço, isso é o que importa.

“Sucesso é acordar de manhã

…Não importa quem seja

…Onde você esteja

…se é velho ou se é jovem 

É sair da cama porque existem coisas importantes que você adora fazer, nas quais você acredita, e em que é bom.

Algo que é maior que você, que você quase não aguenta esperar para fazer hoje.” (Whitt Hobbe)

Saiba mais sobre o assunto:

https://aderivaldo23.wordpress.com/2011/07/31/teoria-da-conspiracao-ou-erro-da-burocracia-omissao-ou-perseguicao-um-escravo-em-busca-da-carta-de-alforria/

https://aderivaldo23.wordpress.com/2011/09/27/dois-pesos-duas-medidas/

11 Comentários

Arquivado em Reflexão