Arquivo do mês: fevereiro 2010

Reajuste salarial 2010. É preciso quebrar paradigmas! Parte II

Observei um grande interesse dos leitores sobre esse tema. O debate não fluiu no blog (apesar da quantidade de leitores do post), mas está quente nas comunidades do Orkut e no site dos aprovados.

Sendo assim, resolvi postar a resposta que dei a um leitor que fez um comentário.

Ele me perguntou:

A equiparação com a PCDF é realmente possível?

Quais seriam os meios necessários para tornar essa equiparação uma realidade?

Quais são os procedimentos a serem adotados?

O que falta para que essa equiparação aconteça?

Dei a seguinte resposta, com base em uma simples análise de cenário:

É possível a longo prazo (nos próximos dez anos)…

Primeiro, temos que nos equiparar “culturalmente”, o primeiro passo foi o nível superior. Agora temos que aguardar as consequências dessa mudança.

Segundo, temos que focar na população, tendo o aumento salarial como consequência do trabalho realizado a cada dia, e não como objetivo principal!
O policiamento comunitário seria a estratégia para essa aproximação (por meio da mobilização social) e da conquista da confiança do cidadão.
A população confia na polícia civil, mas não confia na pM, precisamos mudar esse paradigma!
Antes da equiparação externa, temos que pensar em uma “equiparação interna”, diminuindo as diferenças entre o coronel e o soldado. Esse processo foi iniciado nos últimos anos, mas precisa ser aperfeiçoado. Nesse caso poderíamos usar os percentuais de diferenças salariais entre os próprios irmãos da PCDF. Esse é o primeiro passo para uma equiparação.
O segundo seria equiparar oficiais a delegados e praças aos agentes!
Se não arrumarmos nossa casa não teremos condições de “falar da casa dos outros”.
A polícia civil está a mais de quinze anos (nível superior, início da “revolução cultural” na instituição) na nossa frente. Não devemos competir com eles, mas sim aprender com eles.
Essa é minha opinião e minha bandeira!
Esta aberto o debate!

Anúncios

14 Comentários

Arquivado em polícia comunitária, polícia militar, Política, reestruturação das polícias

Reajuste salarial 2010. É preciso quebrar paradigmas!

Gosto dos comentários do Fireman, pois sempre são muito coerentes. Sendo assim, resolvi postar um deles, sobre nossa campanha salarial 2010, e fazer um pequeno comentário sobre o tema.

Gostaria muito de ser otimista quanto ao nosso aumento, mas o cenário não está nos ajudando. A proposta não é a ideal, mas “aparentemente” melhora os salários da base e “amplia” ainda mais os do topo.

Li uma nota do SINPOL falando de nossos problemas internos e concordo em muitos pontos com ela. Primeiro temos que resolvê-los para depois buscar uma equiparação com a Polícia Civil. Diminuindo as diferenças internas nos aproximaremos cada vez mais de nossa irmã civil. É importante entendermos isso!

Para isso certas verdades devem ser ditas várias vezes e aprendidas, criando novos paradigmas. Para criá-los precisamos abrir mão dos velhos. É um nova visão para nossas lutas!

Mas eu te pergunto, caro leitor: Por que uma verdade repetida várias vezes se torna um paradigma?

Um paradigma é um modelo. Um exemplo a ser seguido. Um conceito, ou seja, é um padrão, uma rotina. (abordei essa assunto com dois amigos essa semana)

Nossa vida é um conjunto de paradigmas, mas não devemos confundí-los com verdades absolutas, pois elas geram radicalismos!

Paradigmas podem ser mudados, na verdade devem ser mudados de tempos em tempos, só assim amadurecemos!

Quais são nossos paradigmas institucionais?
Quais precisamos mudar?
Em que área precisamos amadurecer?
Quais são nossos maiores problemas?
Estão ligados a nossas verdades e conceitos?
Precisamos amadurecer!

“Nesses últimos 2 dias vimos o novo governador anunciar reajuste salarial para duas categorias importantes – professores e policiais civis.

Para os primeiros, 10% de reajuste, referente ao cumprimento do plano de carreira.

Para os civis, algo em torno de 29%, dividido até 2012, por conta de uma reestruturação.

E nós?

Vi uma nota da Asof, do dia 26, dizendo que nossa proposta se encontra na secretaria de fazenda, e que somente semana que vem o governador deve nos receber.

Muitas vezes dormimos no ponto. Sempre ficamos para segundo plano. E isso porque temos umas 5.000.000 de associações…Lamentável.

Espero que dessa vez elas realmente corram atrás de nossos interesses. Chega de comer mosca.

(Sem contar que essa proposta atual, onde já temos uma tabela dos reajustes circulando por ai, não é ideal, tendo em vista que aumenta ainda mais a diferenças salarial entre a base e o topo da pirâmide). ”
FiremanDF

13 Comentários

Arquivado em polícia militar, Reflexão

Como estava distribuído nosso efetivo em 2008? Como está hoje?

Em 2008 postei aqui no Blog sobre a dificuldade em se obter informações sobre a distribuição do efetivo na PMDF. Como Arquivista não consigo vislumbrar um controle tão exagerado em cima de informações que deveriam ser de domínio público. Falta um conhecimento sobre como fazer uma boa gestão da informação em nossas polícias, o que é justificável em nosso país, pois nunca olhamos para a informação como algo estratégico.

Pesquisei sobre o assunto e fiz um relatório sobre a distribuição do efetivo da nossa polícia.

Aproveito e disponibilizo também o “rascunho” desse trabalho, pois perdi o original, conforme prometido no post sobre meus trabalhos acadêmicos!

Relatório sobre o efetivo da PMDFatualizado

21 Comentários

Arquivado em polícia militar, reestruturação das polícias, Reflexão, Tira dúvidas

O livro de ouro da liderança!

Hoje passeando pela internet tive a oportunidade de encontrar um link que disponibiliza o livro de ouro da liderança. Sempre faço algumas citações do autor aqui no blog, pois esse livro acrescentou e acrescenta muita a minha.

Como gosto de compartilhar tudo com os leitores, principalmente o que me ajudou e me ajuda no crescimento pessoal diário, deixo a dica para os senhores…

Vale a pena sua leitura, principalmente dos capítulos 2,15,22, 23 e 24.

Mesmo que não tenha interesse em sua leitura, passe os olhos pelos capítulos e leia alguns trechos, com certeza acrescentará algo para sua vida profissional e pessoal. Experiência própria!

Creio que cada um de nós é um líder, mas se você não consegue se ver nessa posição, veja-se pelo menos como líder de si mesmo!

Deixe um comentário

Arquivado em Aderivaldo, Religião

A política suja no Distrito Federal!

Para quem acompanha meus comentários na seção política do blog, talvez não seja nenhuma surpresa alguns acontecimentos. Muita coisa ainda virá. Março, possívelmente, será o mês em que todos os “corruptos” serão arrastados para o mesmo buraco. O objetivo é nivelar por baixo. Isso ficou claro, após algumas declarações de políticos influentes em nossa cidade.

Deixo para nossa reflexão o texto retirado do blog da Samanta:

“Quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010
E OS DISTRITAIS CONTINUAM TRAMANDO …

O jogo nos bastidores da Câmara Legislativa ontem foi duro. Os distritais definiram dois placares para o relatório do corregedor Raimundo Ribeiro. Ou três deputados renunciam ou nove vão para a degola. Incluindo o recém-empossado presidente da Câmara Legislativa, Cabo Patrício (PT).

Em princípio, o relatório a ser apresentado pelo corregedor Raimundo Ribeiro (PSDB) seria pela abertura de processo de quebra de decoro parlamentar contra os oito deputados distritais envolvidos nas denúncias da Caixa de Pandora. E apontando culpabilidade de três: Eurídes Brito (PMDB), Leonardo Prudente e Júnior Brunelli (PSC).

Os três se rebelaram. Prudente, que anda desaparecido, esteve na Câmara ontem só visto a portas fechadas. Eurídes Brito chegou a chorar durante a reunião com os deputados distritais em que se discutia o futuro deles. Foi pressionada como os outros dois a renunciar. Bateu pé. Os três conseguiram reverter o cenário e convencer os demais de que não vão para a forca sozinhos. Entre os argumentos, a lembrança de que 19 deputados distritais aprovaram o PDOT e que, segundo depoimento de Durval Barbosa, cada um teria recebido R$ 420 mil de emissários de Arruda.

Enfim, a maioria dos deputados da antiga base aliada de Arruda “sugeriu” então a Raimundo Ribeiro que colocasse não somente os oito deputados no relatório, mas também Cabo Patrício (PT) no corredor da cassação. Patrício não está nas denúncias da Caixa de Pandora, mas é acusado de “carteirada” e de ter beneficiado na aprovação de projeto de lei interesses de empresas da família de Prudente.

No final das contas, a trama é pela salvação completa ou pelo suicidio coletivo. Para o PT seria desconfortável a situação de ter um nome no relatório. Tudo para Raimundo Ribeiro receber outro tipo de pressão, a do alívia geral.

Foi nesse clima que a Câmara adentrou a noite de ontem. Resta saber como a novela se desdobrará hoje. Raimundo Ribeiro se viu em meio ao tiroteio entre a pressão dos colegas para a renúncia de Eurides, Prudente e Brunelli, depois da base para incluir um petista no relatório e, por fim, dos petistas para retirar Cabo Patrício da confusão.

A solução seria um parecer apenas relatando os fatos sem juízo de culpabilidade algum. Wilson Lima, o governador agora em exercício, participou das conversas.”

Fonte:

11 Comentários

Arquivado em Política, Reflexão