Arquivo do mês: janeiro 2018

Comissão estuda liberação de elastômero e granadas de efeito moral para a tropa

Na madruga de ontem (27/01) policiais militares do 15º BPM (Estrutural) foram atacados com pedradas e garrafadas ao tentar encerrar uma festa que incomodava a população da cidade. Três policiais militares ficaram feridos, um deles fraturou a perna, fez cirurgia e passa bem. Os casos de som alto e de enfrentamentos com a polícia são comuns no local.

WhatsApp-Image-2018-01-27-at-08.45.12

Um ponto que chamou a atenção e gerou debates nas redes sociais foi uma das falas da matéria:

“O triste é pegar uma missão sem ter nem mesmo gás na viatura. Munição de borracha e lançador de granada, na PM de São Paulo, são normais nas viaturas. Aqui é proibido. Só os especializados têm e, até chegarem no local, já deu no que deu. Nossas vidas são um lixo nas mãos de algumas pessoas. Infelizmente, a vaidade de alguns fere e pode matar os PMs ‘comuns’“, falou um dos policial que participou da operação.

Em contato com a Comunicação Social da PMDF fomos informados de que existe uma comissão para tratar da liberação de certos equipamentos para algumas unidades operacionais do DF. “A comissão está alisando, juntamente com integrantes do BOPE e BPChoque quais equipamentos poderão ser liberados para as tropas operacionais que atuam diariamente na rua, desde elastômero, granadas de efeito moral e outras não letais.” A ideia é apresentar o estudo para o Comando Geral para avaliação e possível implementação.

download

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Política

O abandono do Parque da Cidade é o maior foco dos problemas

Ontem fui convidado a dar minha opinião, enquanto consultor de segurança, para o Portal Metrópoles, o maior do Distrito Federal, na reportagem: Vídeos revelam sexo explícito à luz do dia no Parque da Cidade. A matéria trata sobre o sexo constante, em especial entre homens, para quem quiser ver, no Parque da Cidade.

Screenshot_20180127-172700

Por incrível que pareça, o que mais me impressionou, não foi os casos de sexo explícito no Parque. Até mesmo porque, nós que trabalhos no local, conhecemos de perto essa triste realidade. O que mais me impressionou foi a resposta do Administrador do Parque, eximindo-se da responsabilidade jogando-a toda para a forças de segurança pública:

Questionado pelo Metrópoles sobre a recorrência da prática sexual nos estacionamentos do Parque da Cidade, o administrador do local, Alexandro Ribeiro, disse que essa é uma questão ligada à segurança pública. Mesmo sabendo que o fenômeno é recorrente, o gestor lavou as mãos e não apresentou nenhum plano para coibir a prática criminosa.

Administrador do segundo maior parque urbano do mundo, Alexandro atribuiu a responsabilidade aos órgãos de segurança. “O Parque, enquanto espaço público, recebe o apoio das forças de segurança para monitorar a área”, disse o gestor.

A segurança pública é um direito e responsabilidade de todos, ainda mais dos gestores públicos. Não podemos esquecer que grande parte da Segurança do Parque da Cidade é de responsabilidade da Vigilância privada, que nestes casos deve chamar a Polícia para que ela atue.

image12

Gostei da matéria e aceitei o convite para dar minha opinião porque sou usuário do Parque. Recentemente levei minha filha no Parque Ana Lídia e no Castelinho e vi o descaso com a Coisa Pública. Grande parte do problema é o abandono do Parque. A sensação de abandono tende a aumentar o abandono.

Screenshot_20180127-172713

É preciso falar em ocupação de espaços públicos visando a redução da criminalidade, assim como foi feito no Setor Comercial. É importante uma gestão compartilhada do Parque. Como seria isso? A população mais próxima e usuários do Parque passam a contribuir na definição das atividades a serem desenvolvidas no local. O Parque é muito grande e é perceptível que as atividades se concentram sempre nos mesmos lugares.  Estamos falando de pertencimento por meio da participação popular. É hora da população de bem ocupar a área, não dando espaço para a bagunça.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Saiu o edital para o concurso de Soldado da PMDF. Vá e vença!

São 500 vagas imediatas para combatente, sendo 450 para homens e 50 para mulheres. Outros 1.350 postos de reserva serão destinados a homens e 150 para mulheres.

 

A remuneração inicial prevista é de R$ 4.119, durante o CFP, somados ao auxílio-alimentação, no valor de R$ 850. Após o curso de formação, o salário sobe para R$ 5.245, acrescido do benefício alimentício.

Para concorrer a uma das oportunidades, o candidato precisa ter nível superior completo e menos de 30 anos de idade. A estimativa da PM é de pelo menos 28 mil inscritos.

Os interessados deverão passar por provas objetiva (conhecimentos gerais e específicos) e subjetiva (redação), além de teste de aptidão física, exames médicos e psicológicos, sindicância de vida pregressa e prática instrumental, no caso das vagas para músico.

Mais importante que o conteúdo do edital é montar uma boa estratégia de estudos. Recentemente passei no CFO (Curso de Formação de Oficiais) e no CHOAEM (Curso de Habilitação de Oficiais Administrativos, Especialistas e Músicos). Sei da dificuldade para passar em concurso.

O Edital ficou parecido com o CFO. Teremos 60 Questões, sendo 30 questões gerais e 30 específicas. Nas gerais, sugiro que foquem suas energias em Português, Legislação Aplicada à PMDF e Matemática, já nas específicas, acredito que é importante focar bastante em direito penal e processual penal militar, direito penal na parte especial, dando ênfase naqueles crimes que mais a polícia militar atua. Saber a diferença entre os ritos processuais do penal militar e do penal é fundamental. Faça bastante exercícios, em especial, as provas recentes da IADES. No mais boa sorte pessoal. Sucesso!

PM esplanada - greve geral

RAFAELA FELICCIANO/METRÓPOLES

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Quantos policiais militares terão condições de se eleger em 2018 no DF?

Frase para o facebook

O texto de ontem: Somente dois candidatos da PMDF tem condições de serem eleitos em 2018 gerou muitos debates nos grupos espalhados nas redes sociais. Muitos candidatos ficaram indignados com minha análise. Alguns foram até grosseiros comigo, mas cada um só pode dar aquilo que têm. Fatos como estes só provam o que sempre digo:

O problema na PMDF não é o excesso de “lideranças” ou de “candidatos”. O problema na PMDF é a falta de lideranças com  credibilidade para representar seus liderados. 

Como o assunto é importante e instigante darei continuidade. Fazendo uma análise mais profunda verifiquei a relação de policiais militares que concorreram na última eleição. Um deles teve até uma boa votação, mas como utilizava o nome de pastor, somente depois verifiquei que tratava-se de um colega policial militar.

Gosto muito de Pareto e de sua Teoria do 80/20. Eu a utilizo para muitas coisas. Percebi que os 14 primeiros colocados, que representam 25,92% do total de candidatos policiais militares, obtiveram 84,01% de todos os votos direcionados aos candidatos policiais militares, ou seja, de um total de 66.987 votos, 56.281 votos foram direcionados para 14 policiais. O restante, 10.706 votos, foram direcionados para 74,07% dos candidatos com menos de mil votos cada.

Grafíco votação PM mais de mil planilha

Para melhor visualização preparei um gráfico que poderá nos dar uma melhor visão da distribuição dos votos:

Grafíco votação PM mais de mil

Entendo que para elegermos um candidato na próxima eleição os eleitores deverão necessariamente canalizar sua votação para no máximo três candidatos da PM, pois 66.987 (considerando que todos os votos foram de PM´s ou familiares) dividido por três daria prontamente para eleger três deputados distritais, com 22.329 mil votos e um deputado federal.

Nas próximas eleições a capacidade máxima de votação e “canalização” de votos em federal é de somente um candidato. Vindo mais de um candidatos poderá naufragar os dois.

Grafíco votação PM menos de mil

O grande ponto que precisa ser observados é a grande quantidade de policiais militares com votação abaixo de mil votos. Praticamente 80% estão nesta condição.

Particularmente, eu divido em dois grupos: Aqueles acima de 100 votos e aqueles abaixo de 100 votos. Esses dois grupos totalizam 10.706 votos, quantitativo suficiente para eleger um distrital, diluídos em pequenas porções.

Grafíco votação PM mais de 100 planilha

Outro ponto importante é a quantidade de Policiais Militares Femininas candidatas. Muitos partidos necessitam completar as nominatas por questões legais e acabam convencendo as policiais militares, que só podem filiar no período das convenções, a lançar candidatura. A única vantagem para elas é o “período de folga”, para a maioria, ou alguma promessa de cargos no futuro.

Grafíco votação PM menos de 100 planilha

Para elegermos pelo menos um deputado distrital precisamos nos organizar urgente. Focar nossas energias em no máximo três candidatos, procurar as melhores coligações, aquelas que realmente tenham condições de eleger alguém, e, não desperdiçar os votos naqueles que declaradamente desejam “apenas” a folga. Muitos não levam a sério a política, mas é ela que define nossas vidas. Infelizmente, quem não gosta da política é governado por aqueles que gostam. É possível mudar esse quadro. Contem comigo no que for preciso.Vamos avante!

Aderivaldo Cardoso

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Somente dois candidatos da PMDF tem condições de serem eleitos em 2018

Em Abril de 2018 o Blog Policiamento Inteligente completará 10 (dez) anos. Aqui fiz várias reflexões neste período. Chorei, sorri, me arrependi, fui punido, transferido, silenciado em alguns momentos, mas continuo aqui firme e forte. A coerência tem sido minha maior busca. Quantas reflexões? Quantos debates? Quanta evolução? Quantos ficaram pelo caminho? Quantos continuam na busca pelo aprimoramento?

Ultimamente tenho procurado rever meus escritos e repensado vários deles. Na última semana tenho conversado muito sobre política com alguns amigos. Avaliando cenários e produzido prognósticos. Reli o Balanço que fiz das eleições na PMDF em 2014 e farei algumas considerações.

Na questão política evoluímos muito pouco nos últimos anos. Ontem, ao pensar sobre lideranças na PMDF, vi na prática algo que venho afirmando há anos:

O problema na PMDF não é o excesso de “lideranças” ou de “candidatos”. O problema na PMDF é a falta de lideranças com  credibilidade para representar seus liderados. 

Ao analisar a votação dos candidatos Policiais Militares  a vaga de Deputado Distrital verifiquei algo interessante. Existe um “vácuo” de cinco mil votos entre o primeiro colocado dos policiais militares candidatos (Guarda Jânio) na eleição passada e o segundo colocado (Hermeto), posteriormente verificamos um “vácuo” de quatro mil votos entre o segundo  (Hermeto) e o terceiro colocado (Poliglota).

Na política existem três barreiras durante uma eleição, que definem os três grupos de lideranças, ou seja, aqueles que estão entre os 20% dos votados e a massa entre os 80%: A primeira barreira a ser ultrapassada para ficar entre os 20% mais influentes é passar dos mil votos, depois dos cinco mil e posteriormente atingir o “pelotão de elite” composto por aqueles que ultrapassam os dez mil votos. A maioria esmagadora fica abaixo dos mil votos (80%).

O primeiro colocado dos candidatos da PMDF foi o Sargento Jânio, conhecido na cidade como Guarda Jânio, com 14.939 votos. Ele veio candidato pelo PRTB. Em 2010 ele obteve 13.735 e veio candidato pelo PSB. Em 2006 foi candidato pelo PTB/PHS e obteve 6.441 votos. Dobrou a votação de uma eleição para outra e manteve a média na última eleição.

Janio

O segundo colocado dos candidatos da PMDF foi o Subtenente Hermeto, ex-administrador da Candangolândia por diversas gestões, com 9.664 votos. Ele veio candidato pelo PMDB. Em 2010 obteve 5.876 e veio candidato pelo PMDB. Praticamente dobrou sua votação de uma eleição para outra. 

Hermeto

Já o terceiro colocado foi o Tenente Jorge Martins, conhecido nas redes sociais como “Poliglota”, com 5.600 votos, mas observem que ele aparece como “não eleito”,  enquanto os outros aparecem como “suplentes”, pois seu partido não atingiu o coeficiente eleitoral, ou seja, é como se tivesse sido “eliminado” da eleição por não ter “atingido a nota mínima”, semelhante a “nota de corte” de um concurso. Ele veio candidato pelo DEM e foi sua primeira eleição.

Poliglota

O quarto colocado foi o Major Cruz, conhecido por sua luta pela melhoria da saúde na PMDF. Ele obteve 4.914 votos e veio candidato pelo PPL. Em 2010 obteve 4.377 e veio candidato pelo PSB, já em 2006 obteve 2.678 votos e veio candidato pelo PL. Dobrou os votos da  primeira eleição para a segunda, mas manteve  praticamente a mesma votação na última.

Major Cruz

O quinto colocado foi o Subtenente Ricardo Pato. Presidente e fundador da Armilc. Ele obteve 3.697 votos e veio candidato pelo PR. Em 2010 ele obteve 1.038, veio candidato pelo PRP. Triplicou os votos de uma eleição para outra. 

Pato

O Sexto colocado foi o Sargento Ailton Miranda. Ele obteve 3.101 votos e veio candidato pelo PPL. Em 2010 obteve 2.206 votos e veio candidato pelo PTB, já em 2006 obteve 1.516 votos e veio candidato pelo PSL. 

Ailton Miranda

O Sétimo colocado foi o Coronel Jooziel, ex-comandante geral da PMDF. Ele obteve 2.758 votos e veio candidato pelo PEN. Foi sua primeira eleição.

Jooziel

O sétimo colocado foi o Sargento Clayton do NCP, grupo criado por policiais mais novos à época para lançar um candidato que os representasse. Ele obteve 2.036 votos e veio pelo PSD, mas observem que ele também aparece como “não eleito”,  enquanto os outros aparecem como “suplentes”, pois seu partido não atingiu o coeficiente eleitoral, ou seja, é como se tivesse sido “eliminado” da eleição por não ter “atingido a nota mínima”, semelhante a “nota de corte” de um concurso. Foi sua primeira eleição.

Cleyton

O nono colocado da PMDF foi o Coronel Giuliano, que obteve 1986 votos e veio candidato pelo PR. 

Cel Giuliano

O Décimo colocado foi o Sargento Aderivaldo Cardoso. Editor do Blog Policiamento Inteligente.  Tem uma visão mais técnica e menos política da PM. Ele obteve 1.813 votos e veio candidato pelo PHS. Foi sua primeira eleição. 

Aderivaldo Cardoso

Os dez primeiros colocados da PMDF na eleição de 2014 obtiveram juntos 50.778 (Cinquenta mil setecentos e setenta e oito mil) votos. Outro ponto interessante é que eles estiveram entre os 170 candidatos mais votados do DF, o que indica que todos ficaram entre os 20% mais votados da cidade. É Interessante observar que apenas quatro dos candidatos mais votados estão na ativa atualmente e que todos os candidatos acima de três mil votos, com exceção do Poliglota, estão no mínimo em sua segunda eleição.

Dentre aqueles que obtiveram mais de mil votos tivemos mais dois policiais militares. O Sargento Lusimar Arruda, conhecido como Jabá, foi o décimo primeiro colocado da PMDF, obteve 1.114 votos e veio candidato pelo PRTB, em 2010 ele obteve 713 votos e veio pelo PMN, e a Sargento Denizia, que obteve 1.031 votos e veio candidata pelo PT.  O sargento Eliomar Rodrigues, obteve 598 votos e veio candidato pelo PRTB.

 

Como o assunto é importante e instigante darei continuidade, o texto ficará longo, mas julgo importante. Fazendo uma análise mais profunda verifiquei a relação de policiais militares que concorreram na última eleição. Um deles teve até uma boa votação, mas como utilizava o nome de pastor, somente depois verifiquei que tratava-se de um colega policial militar.

Gosto muito de Pareto e de sua Teoria do 80/20. Eu a utilizo para muitas coisas. Percebi que os 14 primeiros colocados, que representam 25,92% do total de candidatos policiais militares, obtiveram 84,01% de todos os votos direcionados aos candidatos policiais militares, ou seja, de um total de 66.987 votos, 56.281 votos foram direcionados para 14 policiais. O restante, 10.706 votos, foram direcionados para 74,07% dos candidatos com menos de mil votos cada.

Grafíco votação PM mais de mil planilha

Para melhor visualização preparei um gráfico que poderá nos dar uma melhor visão da distribuição dos votos:

Grafíco votação PM mais de mil

Entendo que para elegermos um candidato na próxima eleição os eleitores deverão necessariamente canalizar sua votação para no máximo três candidatos da PM, pois 66.987 (considerando que todos os votos foram de PM´s ou familiares) dividido por três daria prontamente para eleger três deputados distritais, com 22.329 mil votos e um deputado federal.

Nas próximas eleições a capacidade máxima de votação e “canalização” de votos em federal é de somente um candidato. Vindo mais de um candidatos poderá naufragar os dois.

Grafíco votação PM menos de mil

O grande ponto que precisa ser observados é a grande quantidade de policiais militares com votação abaixo de mil votos. Praticamente 80% estão nesta condição.

Particularmente, eu divido em dois grupos: Aqueles acima de 100 votos e aqueles abaixo de 100 votos. Esses dois grupos totalizam 10.706 votos, quantitativo suficiente para eleger um distrital, diluídos em pequenas porções.

Grafíco votação PM mais de 100 planilha

Outro ponto importante é a quantidade de Policiais Militares Femininas candidatas. Muitos partidos necessitam completar as nominatas por questões legais e acabam convencendo as policiais militares, que só podem filiar no período das convenções, a lançar candidatura. A única vantagem para elas é o “período de folga”, para a maioria, ou alguma promessa de cargos no futuro.

Grafíco votação PM menos de 100 planilha

Analisando os números acima os dois únicos candidatos com chances reais de eleição em 2018 são o Guarda Jânio e o Subtenente Hermeto, ainda mais com a cláusula de barreira que exige para eleição o mínimo de 10% do coeficiente eleitoral, o que daria aproximadamente 6.500 votos.  Precisamos ficar atentos. Dois pontos serão importantes na próxima eleição: o partido/coligação e a união de todos em prol da eleição de um parlamentar policial militar. A maior “prévia” que tivemos foi o resultado das últimas eleições.

Para elegermos pelo menos um deputado distrital precisamos nos organizar urgente. Focar nossas energias em no máximo três candidatos, procurar as melhores coligações, aquelas que realmente tenham condições de eleger alguém, e, não desperdiçar os votos naqueles que declaradamente desejam “apenas” a folga. Muitos não levam a sério a política, mas é ela que define nossas vidas. Infelizmente, quem não gosta da política é governado por aqueles que gostam. É possível mudar esse quadro. Contem comigo no que for preciso.Vamos avante!

Aderivaldo Cardoso

16 Comentários

Arquivado em Política