Arquivo do mês: abril 2010

Necessidade de amadurecimento político!

Em 2007, ao realizar um trabalho acadêmico, no primeiro semestre do curso de direito, na Universidade Católica de Brasília, depararei-me com a bibliografia do ex-secretário de segurança pública do DF, coronel Brochado, cujo título era: Socorro, Polícia – Reflexões sobre segurança pública.

Naquele momento ao ler alguns trechos desse livro fiquei indignado com algumas afirmações de um coronel do Exército no que tange a segurança pública no país. Em um dos trechos ele fala da “luta de classes” que ocorre dentro das polícias e o porque de alimentarem isso em tempos de eleição. Outro fato, são os temas discutidos com mais intensidade somente quando se aproxima o pleito eleitoral, dentre eles a desmilitarização e a unificação das polícias. Interessante frisar que ele escreveu tudo isso no início dos anos noventa, logo após a Constituição de 1988, e pouca coisa mudou.

Ao ler os textos nas comunidades de policiais militares do DF no orkut começo a perceber grupos que alimentam esse mesmo discurso de outrora, fazendo com que a polícia fique estagnada, presa a um discurso de separativismo, alimentando o famoso bordão: “DIVIDIR PARA CONQUISTAR!”

Falta-nos união, mas ela não sai do discurso;
Falta-nos uma associação única, mas defendem apenas uma associação única de praças; Isso é união?
Falta-nos qualificação profissional, mas somente falamos em salários;
Falta-nos amadurecimento político, mas não o buscamos!

Realmente em alguns pontos a polícia está mudando, mas em muitos ela precisa mudar…
Que possamos refletir e aprender com os nossos irmãos policiais civis, eles tem muito a nos ensinar. Os bombeiros também!! Falta-nos HUMILDADE PARA APRENDER!

“O homem que não esteja disposto a morrer por alguma coisa não está apto para viver.” (Martin Luther King)

“A medida definitiva do homem não é onde ele se coloca em momentos de conforto e conveniência, mas onde se posta em ocasiões de desafio e controvérsia. O verdadeiro semelhante arriscará sua posição, seu pretígio e até mesmo sua vida pelo bem-estar dos outros. Em vales perigosos e trilhas arriscadas, ele elevará um IRMÃO machucado e exausto a uma vida superior e mais nobre.” (Martin Luther King)

“Quando homens maus conspiram, HOMENS BONS DEVEM PLANEJAR. Quando homens maus incendeiam e bombardeiam, HOMENS BONS DEVEM CONSTRUIR E UNIR. Quando homens maus gritam feias palavras de ódio, HOMENS BONS DEVEM SE DEDICAR ÀS GLORIAS DO AMOR. Onde homens maus procurariam perpetuar status quo injusto, HOMENS BONS DEVEM PROCURAR GERAR UMA ORDEM REAL DE JUSTIÇA.” (Martin Luther King)

5 Comentários

Arquivado em desmilitarização das polícias, polícia militar, Política, reestruturação das polícias, Reflexão

A polícia de Mato Grosso!

Primeiro gostaria de pedir desculpas pela ausência no blog. Atualmente estou em uma missão em Cuiabá, juntamente com o Inspetor-Geral da Força Nacional, Major Pontes, o que dificulta o acesso à internet. Tenho aprendido muito nessa viagem. A nova experiência tem ajudado a compreender melhor o sistema de segurança pública nos estados.

A impressão que tenho é totalmente diferente de nossa realidade. O estado conta com um efetivo de aproximadamente 7.500 homens, apesar de sua extensão. Sendo assim, o grupamento aéreo torna-se essencial. A cidade de Várzea Grande possui uma Guarda Municipal que utiliza boas viaturas e um bom efetivo, mas mesmo assim não visualizei sua atuação.

Percebi que muitos policiais utilizam o brevê do curso de polícia comunitária, achei isso ótimo. Tive a oportunidade de conversar com uma policial do Proerd, o que me acrescentou muito nessa área. O fato mais importante que achei foi a “integração” entre as polícias. Nessa cidade existe uma excelente relação entre policiais civis e militares. Cheguei a ouvir de uma delegada uma frase que me chamou a atenção, pois o fato ocorreu em um curso militar: “Nós policiais do Mato Grosso nos sentimos envergonhados pelo que ocorreu e pedimos desculpas…”. Isso diz muita coisa!

Aqui também existe um grupo tático que se chama: FORÇA ESTADUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA, mas que voltará a se chamar ROTAM, assim como no DF. A experiência no Centro Integrado de Operações Aéreas, também foi excelente, o primeiro vôo de helicóptero não será esquecido, conhecer o Centro de Treinamento do 13º Batalhão de Infantaria, também não.

A história dessa polícia também me chamou a atenção. Conheci a expressão “homens do mato”, nome da 1ª Companhia que deu origem a Polícia Militar do Mato Grosso em 1835. Vi os quadros “históricos” no Comando Geral dessa Corporação e me apaixonei por sua história.

Hoje o texto é somente mais um daqueles onde utilizo esse espaço como um pequeno diário, em breve voltarei a falar coisas mais importantes.

6 Comentários

Arquivado em Aderivaldo, polícia militar, Reflexão

O maior centro de capacitação policial da América Latina!

Ao ouvir as frases abaixo começo a sonhar…

“Para dar a sua cara à gestão, a reforma administrativa vai começar pela assessoria mais próxima. As mudanças vão longe e devem envolver todo o secretariado. Com uma ampla casa no Lago Sul, Rosso não deverá se mudar para a residência oficial de Águas Claras. Usará a estrutura para reuniões e vai montar o gabinete no anexo do Palácio do Buriti. O centro administrativo de Taguatinga (Buritinga), um dos símbolos da passagem de José Roberto Arruda pelo GDF, será desativado, segundo Rosso revelou ao Correio.” (Fonte: Correio Braziliense)

A Vice-Governadora ressaltou o carinho particular que tem pela corporação e anunciou aos militares a devolução do antigo CFAP, hoje Centro Administrativo do GDF localizado em Taguatinga.” (Fonte: Site PMDF)

Ao vislumbrar a devolução do antigo CFAP começo a visualizar o que poderia ser o maior e mais ousado projeto dentro de uma Polícia Militar…

Ontem ao conversar com um policial do estado do Acre ouvi dele algo que está em nossa cara, mas queremos negar. As instalações de nossas unidades são horríveis. Ele fez referência às instalações do BOPE, pois passou um mês nessa unidade. Lembrei-me de outras e tive que concordar…

Ao imaginar um quartel no valor de 2 milhões de reais não podemos pensar pequeno. Comecei a sonhar com o MAIOR CENTRO DE CAPACITAÇÃO POLICIAL DA AMERICA LATINA. Um grande CENTRO de FORMAÇÃO, onde praças e oficiais possam ser formados em um mesmo ambiente. Um espaço para discussão acadêmica dos problemas que envolvem a segurança pública de nosso país. Sei que é possível, basta querer!

Começo a ver não mais uma ACADEMIA DE POLÍCIA MILITAR, mas sim um COLÉGIO E FACULDADE TIRADENTES! Já temos autorização para algo semelhante, basta querer!

Tais atitudes seriam o início da transformação da polícia, pois ela precisa mudar!

Outra questão importante é que com essa atitude os aprovados no CFSd 2009 voltam a ter esperança de ingressar em um possível curso esse ano, uma importante mudança de cenário…

11 Comentários

Arquivado em polícia militar, policiamento inteligente, reestruturação das polícias

Policiais de Planaltina fazem a diferença!

Mais uma vez apresento aos leitores uma bela reportagem da minha amiga Irene Oliveira. Dessa vez uma felicidade dupla, pois a reportagem é da Irene e os protagonistas são policiais do 14º BPM (Planaltina), cujo comandante é o amigo blogueiro CORONEL SANT’ANNA. Parabéns a todos os policiais do serviço de inteligência pelo levantamento das informações necessárias para o desenrolar da ocorrência. Parabéns a todos os policiais de Planaltina pelo empenho em cada missão e pela disposição em servir a essa comunidade!

22/04/2010
Ex-foragido e acusado de homicídios é preso
Divulgacao PMDF
Irene Oliveira

Foragido da Justiça, Juarez Luis Lourenço, 26 anos, foi preso ontem à tarde, por volta de 14h por policiais do Serviço de Inteligência do 14ª Companhia de Polícia Militar Independente (CPMind) de Planaltina. Eles acompanhavam os passos do acusado após receberem denúncia anônima de que ele circulava na região. Lourenço, embora tivesse três mandados de prisão expedidos pela Justiça em aberto, caminhava tranquilamente pelas ruas da cidade de Planaltina. O acusado foi abordado pela equipe de policiais na DF 128, próximo à entrada de uma chácara. Ao confirmarem que se tratava de um foragido, o homem foi preso e encaminhado à 31ª Delegacia de Polícia.

Desde dezembro de 2009, Lourenço é procurado pela Justiça. Os policiais que participaram da ação disseram que ele é um famoso traficante na área e dono de uma extensa ficha criminal.
O delegado de plantão da 31ª DP, Tharmes Chiodarelli, explica que Lourenço já havia sido condenado e cumpria pena. Contudo, foi beneficiado pelo indulto de Natal no final do ano passado e não voltou mais ao presídio. “Os benefícios da lei têm o objetivo de permitir que o preso vá se ressocializando. Mas em casos contumazes, onde o preso faz do crime um meio de vida, não há retorno após o benefício”, afirma.

Risco à sociedade
De acordo com a polícia, Lourenço representa um risco à sociedade. O homem tem mais de 15 passagens pela polícia por crimes diversos como roubo, tráfico de drogas, porte de armas e crimes contra a vida. “Ele responde por quatro tentativas de homicídios qualificados, tem um grau de periculosidade razoável. Agora vamos comunicar ao juiz o cumprimento do mandado de prisão, que foi expedido no último oito de janeiro. Com isso, ele volta a cumprir a pena e, possivelmente, sem benefícios – o que vai depender do entendimento do juiz”, explica Chiodarelli.

Uma das tentativas de homicídio, segundo policiais do Serviço de Inteligência da PM, aconteceu em março deste ano, quando Lourenço já estava foragido. “Depois que foi solto no ‘saidão’ de Natal ele cometeu diversos delitos e atentou contra uma vida. Não deveria estar solto”, avalia um dos policiais.
Lourenço foi encaminhado ao cárcere do Departamento de Polícia Especializada (DPE), onde ficará à disposição da Justiça.

Benefícios dados a presos são questionados

Depois que o pedreiro Ademar de Jesus Silva, 40 anos, conhecido como “maníaco de Luziânia”, assassino confesso de seis jovens que estavam desaparecidos na cidade, foi beneficiado com a progressão de pena, os benefícios para presos vêm sendo discutidos. Ademar deixou o presídio da Papuda em 23 de dezembro e, sete dias depois, iniciou a série de assassinatos em Luziânia. Após a confissão, Ademar foi preso em 10 de abril. Contudo, ele foi encontrado morto oito dias depois da confissão (último dia 18). De acordo com a polícia, ele teria se suicidado na cela onde estava preso na delegacia de Goiânia.

Ademar de Jesus foi condenado, em 2005, a 10 anos e 10 meses de prisão por abusar sexualmente de dois meninos, um de 11 e outro de 13 anos, em Águas Claras. Em dezembro do ano passado, Ademar foi beneficiado com a progressão de pena para o regime aberto e voltou a cometer os crimes sexuais, além de matar as vítimas.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, comentou o caso do benefício recebido por Ademar. Mendes afirmou que a Justiça Criminal no país é desestruturada e precisa passar por uma profunda reforma administrativa para evitar casos como o do ex-presidiário Ademar de Jesus. Mendes ainda defendeu o monitoramento eletrônico de presos condenados por crimes sexuais, mas descartou o fim da progressão do regime. Ele lembrou que, mesmo o exame criminológico não sendo mais obrigatório, ainda cabe ao juiz determiná-lo, em caso de necessidade.

O promotor de Justiça e doutor em direito penal pela Universidade Católica Portuguesa, Diaulas Ribeiro, destaca que o Estado brasileiro abriu mão de controlar a vida dos criminosos após cumprirem penas. A Reforma Penal de 1984 acabou com o sistema cumulativo de penas e medidas de segurança para criminosos perigosos e temerários. “Isso quer dizer que, perigoso ou não, ao fim da pena cumprida, o condenado sairá da prisão sem controle, sem remédio e sem exame criminológico, queiram ou não queiram os promotores de Justiça e a opinião pública”, afirma. Ele atribui ao Congresso Nacional a responsabilidade de promover mudanças.

Casos de reincidentes no mundo do crime são comuns, embora assustem a opinião pública. Na avaliação do delegado Tharmes Chiodarelli a legislação brasileira é falha. “Por falta de alternativas, os juízes concedem os benefícios que são previstos em lei. É justamente o cumprimento da lei, que está em questão. É necessário um endurecimento da legislação, reavaliando os benefícios que, por vezes, são excessivos”, observa.

O comandante do 14º Batalhão de Polícia Militar de Planaltina, tenente coronel Leonardo Sant’Anna, diz que é primordial a modernização do pensamento das instituições que compõem a segurança pública para, então, promover benefícios aos presos. O que seria, segundo ele, um benefício monitorado. “A desburocratização dos processos relativos à segurança é essencial para que haja uma convergência entre sistema prisional, a correta prática da segurança, ordem pública e o sistema judicial brasileiro”, avalia. Segundo ele, para que a população tenha a sensação completa de segurança com eficácia e, consequente justiça social, é necessário algo mais. “Exemplos simples seriam as tornozeleiras eletrônicas (aparelho localizador colocado no tornozelo de presos que são autorizados a sair temporariamente das cadeias como uma maneira de vigiá-los) para criminosos violentos e um banco de dados único. O uso desses mecanismos mostraria rapidamente sua eficácia quanto à prática de novos crimes e, certamente, a comunidade se sentiria mais segura com medidas dessa natureza”, garante Sant’Anna. “É triste verificar que medidas mais efetivas do Estado são colocadas em prática somente quando vidas são perdidas ou algo grave acontece com a população. Todos estão aguardando ansiosamente que essa postura seja mudada”, finaliza.

Fonte:

9 Comentários

Arquivado em polícia militar, policiamento comunitário, policiamento inteligente

Promovidos ontem!

Aprendi em minha vida a me alegrar com os que se alegram e a chorar com os que choram. Ontem foi um dia de alegria para muitos. O realinhamento (plano de carreira) nos deu perspectiva dentro da Corporação. Fiquei feliz ao ver alguns nomes na relação de promovidos, pois são pessoas queridas, que aprendi a respeitar ao longo dos meus dez anos de Corporação. A primeira turma da academia chega completa a Tenente coronel, a segunda começa a ser promovida nesse sentido e os vinte três mil começam a chegar a sargento. Muita coisa mudará em um cenário próximo.

Parabéns a todos os companheiros que passaram para uma nova fase de RESPONSABILIDADES em suas vidas, em especial aos amigos:

Coronel Reinaldo, Coronel Viegas, TC Sant’anna, TC Márcio,TC Luciano,TC Seabra, Major Karla, Major Gilmar, CAP Maximiliano, CAP Kotama, 1º SGT AUGUSTO ALVES, 2º SGT HENRIQUE CÂNDIDO, 2º SGT PAULO LEITE, SGT JOSENILTON (Teatro Rodovia), SGT ADRIANO (ROSA), SGT DUARTE (6º BPM), SGT DE ARAÚJO (DP) e todos aqueles que já não esperavam mais essa benção. Que nosso grande MESTRE possa dar-lhes a sabedoria necessária para nos conduzir, enquanto instituição.

Promoção de oficiais

Promoção de praças

7 Comentários

Arquivado em polícia militar

“As tempestades mudas”

Sempre afirmei nesse blog que para tocar a alma das pessoas é necessário tocar o coração. Acredito nisso, Aquele que toca o coração é capaz de fazer coisas impossíveis de se imaginar.

Hoje não quero falar de segurança pública, mas quero falar de seus agentes, suas dores, suas paixões. Somos humanos, não imortais. Sentimos dor, sonhamos, amamos, sofremos…

Tive a oportunidade de ler um livro de um leitor do blog e capitão da polícia militar do DF. Uma pessoa simples, que toca o coração das pessoas com seu trabalho intitulado: AS TEMPESTADES MUDAS, JEAN ARAÚJO, EDITORA THESAURUS, 2007. São poemas inspiradores, apaixonantes, revigorantes…

Um texto pode expressar muita coisa sobre um ser humano.

Gostaria de fazer das palavras dele as minhas, quando nos agradecimentos ele diz:

“Feitas as devidas considerações, agradeço, não só a todas as pessoas que me despertaram os mais diversos tipos de amor que se pode vivenciar, mas também a todas aquelas, que mesmo inconscientemente, despertaram-me sentimentos de amargura, desilusão, desesperança, tristeza…A dor nos evolui, torna-nos mais serenos e conscientes de nossa fragilidade, obriga-nos a mergulhar no que há de mais abissal em nosso espírito, a descortinar alegrias implícitas que por si sós jamais seriam reveladas.”

1 comentário

Arquivado em Reflexão

Concurso CFSd 2009 – Palavras do Comandante!

Palavras do comandante-geral sobre o concurso para ingresso no CFSd, atualmente suspenso por “determinação” sugestão do TCDF.

Concurso CFSD/2009
Prezadas e prezados,

O Comando da Corporação é conhecedor dos transtornos que tem causado a demora para a inclusão dos aprovados no último concurso para soldado da PMDF, sabe da expectativa que se criou em cada candidato, que antes de alcançar a aprovação no certame dedicou várias horas de estudo, muitas vezes abdicando do convívio social e familiar para a consecução desse objetivo.

A Polícia Militar do Distrito Federal é a principal interessada no desembaraço das questões que envolvem o concurso, pois tem a necessidade de recompor seu efetivo, visto que está defasado em virtude de vários anos sem a admissão de policiais militares para o Quadro de Praças Policiais Militares Combatentes, o que hoje causa prejuízos e futuramente pode comprometer a prestação dos serviços de segurança pública no Distrito Federal.

O Comando não está inerte ao problema, muito pelo contrário, tem feito o possível dentro da esfera de suas atribuições para a resolução da celeuma, no entanto, dentro do Estado Democrático de Direito temos regras e procedimentos adequados para tratarmos cada caso, o que está acontecendo com o devido respeito às instituições envolvidas.

Foi realizada consulta ao Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (CESPE/UNB) acerca das denúncias, que são anônimas, sendo afirmado em documento por esse órgão que a etapa ocorreu dentro do previsto e que não há qualquer indício de irregularidade que possa comprometer a lisura do concurso.

Ademais, foi interposto recurso de pedido de reexame da decisão do TCDF, que determina a Corporação para que se abstenha de dar continuidade ao concurso, solicitando a conseqüente extinção do processo pertinente.

Fraternal abraço!

CEL Martins

Comandante Geral

Fonte:

14 Comentários

Arquivado em Concurso

Nós policiais, somos éticos em nossas ações diárias?

Sou daqueles que acredita que nem tudo que é legal é moral. Acredito na legalidade, mas priorizo a moralidade e a ética. Nós policiais somos éticos? Cumprimos nosso dever dentro dos princípios que norteam nossa moral e nossa ética? Quantos conhecem esses princípios? Quantos já leram nosso código de ética? Os últimos confrontos entre polícia e comunidade são legais? São éticos e morais?

Leia nosso código de conduta ética e descubra, responda você mesmo!

Código de conduta ética do policial militar

De maneira simples e resumida, saiba mais sobre a moral e a ética:

Moral deriva do latim mores, que significa “relativo aos costumes”. Seria importante referir, ainda, quanto à etimologia da palavra “moral”, que esta se originou a partir do intento dos romanos traduzirem a palavra grega êthica.

“Moral” não traduz, no entanto, por completo, a palavra grega originária. É que êthica possuía, para o gregos, dois sentidos complementares: o primeiro derivava de êthos e significava, numa palavra, a interioridade do ato humano, ou seja, aquilo que gera uma ação genuinamente humana e que brota a partir de dentro do sujeito moral, ou seja, êthos remete-nos para o âmago do agir, para a intenção. Por outro lado, êthica significava também éthos, remetendo-nos para a questão dos hábitos, costumes, usos e regras, o que se materializa na assimilação social dos valores.

A tradução latina do termo êthica para mores “esqueceu” o sentido de êthos (a dimensão pessoal do acto humano), privilegiando o sentido comunitário da atitude valorativa. Dessa tradução incompleta resulta a confusão que muitos, hoje, fazem entre os termos ética e moral.

A ética pode encontrar-se com a moral pois a suporta, na medida em que não existem costumes ou hábitos sociais completamente separados de uma ética individual (a sociedade é um produto de individualidades). Da ética individual se passa a um valor social, e deste, quando devidamente enraizado numa sociedade, se passa à lei. Assim, pode-se afirmar, seguindo este raciocínio, que não existe lei sem uma ética que lhe sirva de alicerce.

Alguns dicionários definem moral como “conjunto de regras de conduta consideradas como válidas, éticas, quer de modo absoluto para qualquer tempo ou lugar, quer para grupos ou pessoa determinada” (Aurélio Buarque de Hollanda), ou seja, regras estabelecidas e aceitas pelas comunidades humanas durante determinados períodos de tempo.

A MORAL E O DIREITO

Moral é um conjunto de regras no convívio. O seu campo de aplicação é maior do que o campo do Direito. Nem todas as regras Morais são regras jurídicas. O campo da moral é mais amplo. A semelhança que o Direito tem com a Moral é que ambas são formas de controle social.

Existem algumas teorias que podem explicar melhor o campo de aplicação entre o Direito e Moral, quais sejam:

Teoria dos círculos secantes de Claude du Pasquier, segundo a qual Direito e Moral coexistem, não se separam, pois há um campo de competência comum onde há regras com qualidade jurídica e que têm caráter moral. Toda norma júridica tem conteúdo moral, mas nem todo conteúdo moral tem conteúdo jurídico;

Teoria dos círculos concêntricos (Jeremy Bentham), segundo a qual a ordem jurídica estaria incluída totalmente no campo da Moral. Os dois círculos (Moral e Direito) seriam concêntricos, com o maior pertencendo à Moral. Assim, o campo moral é mais amplo do que o do Direito e este se subordina à Moral.

Teoria do mínimo ético, desenvolvida por Georg Jellinek, segundo a qual o Direito representa apenas o mínimo de Moral obrigatório para que a sociedade possa sobreviver.

Moral significa, portanto, valor relativo ou absoluto da conduta humana dentro de um espaço de tempo. Também pode ser considerado como tudo aquilo que promove o homem de uma forma integral e integrada. Integral significa a plena realização do homem, e integrada, o condicionamento a idêntico interesse do próximo. Dentro desta concepção constitui-se como um bem o que não comprometa o desenvolvimento integral do homem e nem afete igual interesse dos membros da sociedade.

“Os egípcios, os babilônios, os chineses e os próprios gregos não distinguem o direito da moral e da religião. Para eles o direito confunde-se com os costumes sociais. Moral, religião e direito são confundidos. Nos códigos antigos, encontramos não só preceitos jurídicos, como, também, prescrições morais e religiosas. O direito nesse tempo ainda não havia adquirido autonomia, talvez porque, como nota Roubier, ‘nas sociedades antigas, a severidade dos costumes e a coação religiosa permitiram obter espontaneamente o que o direito só conseguiu mais tarde’, com muita coerção.”[carece de fontes?]

Conclui-se que a moral vem antes do Direito, ou da ciência do Direito.

“Os romanos, organizadores do direito, definindo-o sob a influência da filosofia grega, consideraram-no como ars boni et aequi. (arte do bom e equitativo). O grande jurisconsulto Paulo, talvez compreendendo a particularidade do direito, sustentou que non omne quod licet honestum est.[1] Nem tudo que é lícito é honesto. Nem tudo que é legal é moral. O permitido pelo direito nem sempre está de acordo com a moral.”

“A moral tem por objeto o comportamento humano regido por regras e valores morais, que se encontram gravados em nossas consciências, e em nenhum código, comportamento resultante de decisão da vontade que torna o homem, por ser livre, responsável por sua culpa quando agir contra as regras morais.”

“O direito é:

heterônomo: por ser imposto ou garantido pela autoridade competente, mesmo contra a vontade de seus destinatários
bilateral: em virtude de se operar entre indivíduos (partes) que se colocam como sujeitos, um de direitos e outro de obrigações.
coercível: porque o dever jurídico deve ser cumprido sob pena de sofrer o devedor os efeitos da sanção organizada, aplicável pelos órgãos especializados da sociedade.
A moral é:

autônoma pois é imposta pela consciência ao homem.
unilateral: por dizer respeito apenas ao indivíduo.
incoercível: o dever moral não é exigível por ninguém, reduzindo-se a dever de consciência.”

Fonte: Wikipédia

2 Comentários

Arquivado em polícia militar

PM reprime protesto a golpes de cassetete! Até quando?

Brasília é uma cidade diferente. Os protestos estão presentes em nosso cotidiano, mas ainda não aprendemos a trabalhar em meio as massas. É estranho ver os mesmos erros da polícia. Primeiro tivemos um grande incidente com os estudantes, depois com os professores da UNB e agora com os manifestantes em frente a Câmara Legislativa. Será que são todos BADERNEIROS? Não entrarei nesse mérito!

Ao abrir o Jonal de Brasília de hoje, a matéria de capa, me chamou a atenção: PM REPRIME PROTESTO A GOLPES DE CASSETETE – O conflito ocorreu quando houve a tentativa de invasão da Câmara. Manifestantes e PM´s acusam-se pelas agressões. Política, página 27.

Uma foto ilustrando a cena mostrava manifestantes ao chão, protegidos por seus ESCUDOS e PM´s dando “tonfadas”…

Ao ler a página 27, mais supresas. Duas fotos chamam a atenção. Em uma delas mais policiais com “tonfas” nas mãos, alguns sem capacete, nenhum com ESCUDO, “agridem” manifestantes que se defendem com seus “ESCUDOS IMPROVISADOS”. Na segunda, um tenente com a farda “manchada de sague”. De quem? Sangue de inocentes ou culpados?

No meio da leitura uma afirmação chama a atenção: O COMANDANTE DA OPERAÇÃO “JUSTIFICOU O USO DA FORÇA COMO SIMPLES CUMPRIMENTO DO DEVER DE POLÍCIA.” Qual o nosso dever dentro da sociedade? Qual é o papel da polícia? Quais os fundamentos do uso do monopólio da força? Foi um ato legítimo? O DISCURSO DA AUTORIDADE AFIRMA QUE: “A AÇÃO FOI UMA RESPOSTA A UM GRUPO DE BADERNEIROS QUE TENTOU INVADIR A CÂMARA LEGISLATIVA.”

Não darei tais respostas, pois cabe a cada um analisá-las…

O ponto que quero chegar é que não existe uma atuação em meio a “distúrbio civil” sem os equipamentos necessários. Para mim, o principal é o escudo, tanto para proteção do policial, quanto para segurança dos manifestantes. Enquanto esse equipamento não for utilizado nesse tipo de manifestação o resultado será o mesmo. Os Romanos sabiam muito bem de sua importância, os manifestantes também, pois improvisaram escudos para conter as “agressões”.

Atualmente o PARÁ é o estado mais “evoluído” nesse tipo de serviço, mas para isso tiveram que aprender a duras penas. El Dourado dos Carajás foi um marco na polícia desse estado. Teremos que ter um acontecimento como o ocorrido em “El Dourado” para aprendermos? Não está muito longe de ocorrer…Quem não aprende pelo amor, aprende pela dor!

33 Comentários

Arquivado em polícia militar

Surpresa no DF. Novo governador é eleito!

O DF vive algo atípico no Brasil. Em um ano teremos 04 (quatro) governadores (Arruda, Paulo Octávio, Wilson Lima e agora Rogério Rosso).

Agora devemos esperar para ver o novo cenário que surge a nossa frente. A política em nossa cidade precisa passar uma renovação o mais rápido possível. Renovação da ética, da competência e do caráter!

Nossa cidade merece respeito. Boa sorte ao novo Governador!

Rogério Rosso é o novo governador do Distrito Federal
Com 13 votos, Rogério Rosso (PMDB) foi eleito o novo governador do Distrito Federal pelos deputados distritais na eleição indireta. A posse está prevista para segunda-feira, dia 19, às 10h, na CLDF.
Todos os 24 deputados distritais copareceram e participaram da eleição indireta. O placar foi de 13 votos para Rogério Rosso (PMDB). Antônio Ibañez, do PT, teve seis votos. Já Wilson Lima, do PR, que é até esse domingo o governador interino do DF, teve quatro votos. Houve apenas uma abstenção.

Foi um placar surpreendente, já que durante todo esse sábado falava-se que essa eleição iria para segundo turno. Inclusive os nomes dos favoritos oscilavam e os votos dos candidatos também eram incertos. Foi muita negociação nos bastidores

Na hora marcada, plenário vazio. Os deputados chegaram atrasados. A manhã deste sábado, dia 17, foi de intensa negociação fora da Câmara Legislativa. “O dia inteiro está ocorrendo reuniões, estamos sentando e conversando para ver se existe uma forma de que a coisa caminhe todo mundo unido”, afirmou o deputado distrital Raad Massouh (DEM).

As costuras políticas continuaram até o último minuto, nas conversar reservadas, ao pé do ouvido. Inclusive entre adversários. Valia até pedir com bastante jeitinho. E fazer e refazer as contas de possíveis votos, mas com mistério.

“Eu não sou matemático, não tenho esse exercício de futurologia matemática. Então, não posso fazer”, disse o candidato Rogério Rosso.

Com tanta articulação, o governador interino, Wilson Lima, foi o último candidato a chegar à CLDF, cercado de seguranças. A sessão começou com uma hora de atraso. Mesmo assim, deputados e candidatos saíam e entravam a todo o momento no plenário. De última hora, duas candidaturas foram retiradas: a de Messias de Souza, do PCdoB; e a de Aguinaldo de Jesus, do PRB.

Apenas quatro, das dez chapas inscritas inicialmente, continuaram na disputa. Os candidatos a governador e a vice falaram, da tribuna, sobre as propostas para a cidade.

Rogério Rosso ganhou a eleição em primeiro turno, inclusive com 13 votos. Esse era o número mínimo para que um dos candidatos conseguisse vencer em primeiro turno. Rogério Rosso é advogado e já foi empresário. Atuou como secretário de Desenvolvimento Econômico e administrador de Ceilândia no último governo de Joaquim Roriz. Ele presidiu a Codeplan na gestão Arruda. A sua vice é a ex-administradora de Brasília, Ivelise Longhi.

Rita Yoshimine / Hélio Marinho / Rafael Sobrinho

Fonte:

4 Comentários

Arquivado em Política