Arquivo da categoria: Aderivaldo

Opiniões pessoais e artigos acadêmicos visando a multiplicação de conhecimento na área de segurança pública.

O soldado que perfurou o coração de Cristo 

Como soldado fico tentando me colocar no lugar do Centuriao  Romano que perfurou o coração de Cristo. Já cumpri ordens, e por causa de minha profissão, já fiz coisas que não gostaria de fazer. 

Vejo muitas pregações sobre os ladrões que estavam ao lado de Cristo. Gostaria de ver uma pregação que pudesse explanar sobre que tipo de sentimentos poderiam estar envolvidos  na mente daquele soldado. Que missão difícil, mas importante, foi dada aquele homem.

 Em meus 18 anos de militar sempre ouvi uma frase que me incomodou: que nosso soldo é amaldiçoado por termos matado Cristo na Cruz. Não creio nisso. Mas sempre que ouço isso, fico lembrando daquele soldado. Feliz Páscoa e que Deus, nosso Senhor, possa abencoa-los. Que Deus abençoe cada soldado neste dia.

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão

Os fracassos são minhas vitórias. Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu.

Boa noite queridos leitores e leitoras,

Depois de muito tempo retorno a este local. Quantas coisas passaram desde o início há quase uma década atrás? Discutimos tantos sonhos, tivemos tantas derrotas, foram tantas as perseguições, as desilusões, algumas vitórias, mas com certeza muitas perdas, algumas irreparáveis. Foram anos de acompanhamento psicológico, muitas visitas a advogados e a hospitais. Impressiona como uma instituição tão pequena pode ter a capacidade de matar sonhos e de destruir a saúde das pessoas.

Aqui escrevi o texto mais difícil de minha vida (quando meu filho Gabriel Brilhante nos deixou), respondi várias perguntas, construí várias teses, arrumei muitos amigos  e amigas, alguns guardo até hoje, mas também fiz muitos inimigos. Aqui viajei o mundo, ajudei estudiosos, jornalistas, estudantes e curiosos que aqui vieram pedir ajuda.

Nos últimos anos passei o conteúdo do Blog para uma empresa, que detém a marca e direitos autoriais (AD Agência de notícias – Aderivaldo23.com), e também de minha produção intelectual, assim como artistas faziam em tempos de ditadura, virei jornalista, militante, candidato político do partido humanista da solidariedade, até o que sou hoje, desiludido político.  Respondi inquéritos e sindicâncias por falar o que penso sobre segurança pública, em especial a PM, e ainda vive o peso de estar em um conselho de disciplina por criticar a “Ditadura do PT no Distrito Federal”, isso mesmo! Por criticar o partido corrupto que foi expurgado do poder.

Por que estou falando tudo isso? Porque senti necessidade de dar uma satisfação aos leitores. Pretendo usar este esaspaço para falar da vida vez ou outra.  Voltar a fazer minhas catarse, que um dia já chegou a ser coletiva.

Fracassei em tudo o que tentei na vida.
Tentei alfabetizar as crianças brasileiras, não consegui.
Tentei salvar os índios, não consegui.
Tentei fazer uma universidade séria e fracassei.
Tentei fazer o Brasil desenvolver-se autonomamente e fracassei.
Mas os fracassos são minhas vitórias.
Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu.

Abraços e até breve.

Att,

Aderivaldo Cardoso

Deixe um comentário

Arquivado em Aderivaldo, Política

Diário Oficial do DF agora só em versão digital

Uma mudança que passou despercebida, mas que fazemos questão de divulgar foi o fato do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) ter deixado de circular na versão impressa desde ontem, terça-feira (13/12). A informação é da Casa Civil. O corte representará uma economia ao GDF de R$ 240 mil por ano, apenas referente à produção do jornal. No documento, são publicados, diariamente, todos os atos públicos do governo.

Segundo a assessoria de comunicação da Casa Civil, dois  pontos devem ser levados em consideração: a modernização do DODF e a sustentabilidade, pois além de economizar com a produção do jornal, aproximadamente 3 mil toneladas de papel impresso deixarão de ser produzidos. Outro fato importante é que a versão digital passará a ser um documento certificado, ou seja, ele agora passa a ter um valor probatório.

Uma das grandes utilidades do Diário impresso era para os servidores nomeados em determinadas funções comprovarem sua situação junto a um banco, por exemplo, ou um servidor que aposentaria para comprovar sua situação. Nestes casos, os servidores precisavam deslocar-se ao Palácio do Buriti para adquirir o Jornal Impresso. O custo do DODF era de R$ 3,oo. Agora basta entrar na página do DODF ou de alguma Secretária do Governo e imprimir o documento. Uma desburocratização que trará bons resultados para todos.

Foto: Dênio Simões

Foto: Dênio Simões

Por: Aderivaldo Cardoso

Deixe um comentário

Arquivado em Diversa

Há cinco anos cinco o ceu ganhava uma estrela brilhante

Eu sempre digo que sentimos saudade quando a distância que nos separa é maior do que o amor que sentimos. Desde ontem a saudade e o aperto em meu peito aumentou. Em meu trabalho no dia de ontem uma lágrima escorreu ao perceber que era dia 4 de dezembro. Naquele horário me lembrei que faziam cinco anos que havia falado com Gabriel pela última vez. Hoje as cinco da manhã acordei incomodado lembrando de todos os fatos daquela segunda feira fatídica de cinco anos atrás. Como esquecer alguém que tanto amei? Impossível. Como não sentir dor neste dia? impossível! Como fingir que é um dia como outro qualquer? impossível! Como superar essa dor? Impossível! Como não falar sobre o que estou sentindo neste momento? Impossível.

Gabriel carinhoso
Gabriel, o tempo passou, a saudade aumentou, mas meu amor por ti continua enorme. Sinto falta de você me chamando de pai (ah não paaai), das nossas conversas, do seu abraço, do seu sorriso Alegre, sinto muita falta mesmo. Acredito que um dia nos encontraremos. Agradeço a honra de poder tê-lo chamado de filho e de ter sido chamado de pai por ti, um grande presente Deus.

gabriel feliz
Amanhã você faria 20 anos, tinha todo um futuro pela frente, as vezes, em minha ignorância e pequenez, pergunto a Deus por que os bons morrem cedo. Ele em silêncio apenas me observa e nada me diz…
Graças a Deus pude te dizer várias vezes que eu te amo. Mas continuarei dizendo: te amo cara, sinto muito a sua falta. Estarás sempre comigo, onde eu estiver. Sempre me lembrei de suas palavras e de sua história de vida: um garoto amoroso e exemplar.

aderivaldo e gabriel

1 comentário

Arquivado em Aderivaldo

O dia em que policiais e bombeiros pararam Brasília por um minuto!

Ontem foi um dia marcante no Distrito Federal. Policiais e Bombeiros em todo o DF pararam por um minuto suas atividades para prestar honras (homenagem) aos Policiais Militares mortos no Rio de Janeiro após uma queda de um helicóptero da polícia. Em várias unidades e até mesmo no meio da rua, em frente a monumentos da cidade, as 16h tudo parou ouviu-se os “choros” das sirenes ligadas, viu-se a “última continência” aos heróis anônimos que deixaram seus familiares e amigos inesperadamente.  Na cidade Estrutural, 15º BPM, uma das mais perigosas do DF tivemos a homenagem abaixo.

Ainda em 2012 publiquei aqui no blog a necessidade de um movimento nacional em defesa da família policial. Um grito de chega de mortes de policiais e de bandidos impunes. Projetos avançaram. Tivemos os crimes contra policiais sendo considerados hediondos, mas muito pouco diante do que precisamos.  Abaixo, apresentamos a homenagem dos policiais do 17º BPM:

A ROTAM fez a homenagem em frente a Torre de TV no Centro da Cidade:

O Batalhão de Trânsito fez a homenagem em frente ao Congresso Nacional:

Em Samambaia a demostração de união foi enorme, pois Bombeiros e Policiais Militares prestaram juntos a homenagem:

Foram Centenas de demonstrações de respeito aos irmãos que tombaram em combate. Gostaria de colocar aqui cada homenagem. Peço desculpas por não ter conseguido baixar vídeos dos colegas da Polícia Civil que prestaram várias homenagens no DF. Aos colegas do GTOP também peço desculpas. Tentei representar o máximo de nossa corporação. Encerro com o vídeo do CHOQUE e com uma frase que expressa o mais genuíno dos meus pensamentos.

Quando tomba um irmão de farda, todos morremos um pouco. Quando sangra um irmão em combate, também sangramos juntos. Força aos irmãos do Rio de Janeiro! (SGT PMDF Aderivaldo)

policiais-mortos

Que nosso protesto silencioso possa mostrar o tamanho de nossa união e de nossa força. Precisamos falar em reforma policial no Brasil. Do jeito que está não dá mais! Chega!

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão

O que é ser pai nestes dias tão difíceis?

Tenho alguns modelos que sigo em minha vida. Com certeza meu pai é o primeiro deles. Ontem ele fez 70 anos e muitas foram as emoções neste dia tão especial. Ano passado, meu outro modelo, o senador Reguffe me deu 10 conselhos que tenho seguido à risca. Um deles foi que a política não termina amanhã, que não tenho que me desesperar, o outro que eu deveria focar em minha família, pois a família é a base de tudo.

minha-familia

No dia de ontem tive a oportunidade de dizer em vida ao meu pai, o que muitos só lembram de falar após a morte de seus entes queridos. Neste blog, várias vezes já falei que meu pai é meu herói, meu amigo, meu conselheiro e meu pastor. Ouça e reflita sobre o que penso sobre o que é ser pai nestes dias tão difíceis. Para quem achar os vídeos longos, eu digo que é pouco tempo para expressar quem é meu pai.

Vejam também a homenagem que meu primo Ramon fez a ele:

Lá em casa encerramos as comemorações orando. Meu irmão, assim como meu pai, é o sacerdote da casa. Eu respeito a autoridade espiritual deles:

Agora é hora de apagar as velinhas. Vejam o que cantamos neste momento: “é crente, é crente, que ora, que ora e faz jejum”.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão

Redução da produtividade policial no ano em 5,4% seria resultado da greve da polícia civil?

pcdfA reflexão de hoje é inspirada em um dos “eixos indicadores” do Pacto Pela Vida no DF: 4. Produtividade Policial. É um daqueles textos chatos e “teóricos” que só merecem ser lidos por quem entende ou simplesmente por quem gosta de compreender o tema segurança pública e os problemas que envolvem a polícia no Brasil e no mundo. Se você é um prático, que acha que entende tudo de polícia e que “policiólogos” e “teóricos” são uns “merdas”, este texto não merece ser lido por você. Este texto é seletivo, é somente para quem realmente gosta de ler, pois ele é grande e tem um tempo estimado de leitura de 6 (seis) minutos.

BITTNER (2003) ao escrever sobre os Aspectos do trabalho policial, em especial as funções da polícia na sociedade moderna, nos afirma que:

“O abandono, na definição do papel da polícia na sociedade moderna, da abordagem derivada  das normas, imediatamente chama a atenção para um nível da realidade social que não está relacionada a formulação de ideias. Embora (em termos destas formulações) a atividade policial derive seu significado dos objetivos de cumprimento da lei, achamos que, na realidade, há certas características significativas associadas ao trabalho policial que são bastante independentes dos objetivos. Isto é, o trabalho policial geralmente é visto como tendo traços de caráter que são dados como certos, e que, em ambos os lados controlam interações entre policiais e cidadãos.”

Para ele, algumas características da polícia, observadas mundialmente, constitui um “limite realista do que se espera da polícia e de como os policiais de fato se comportam”. Ao discorrer sobre as concepções populares sobre o caráter do trabalho policial um ponto chama-nos a atenção entre “os traços de caráter comumente percebidos como associados ao trabalho policial – e que, desse modo, constituem em parte a realidade social na qual o trabalho tem que ser realizado” – são de importância primordial os três a seguir: o trabalho policial é uma ocupação corrompida, o trabalho policial não é apenas uma ocupação corrupta e a distribuição ecológica do trabalho policial, concentrada no nível de emprego determinado pelos departamentos e nos termos das orientações dos policiais individuais, reflete toda uma gama de preconceitos públicos. Isto é, a polícia é mais fácil de ser encontrada em lugares onde se encontram ou vivem certas pessoas do que em outras partes da cidade, por isso nosso interesse no Eixo 4 – Produtividade policial, do Pacto Pela Vida.

1 – O trabalho policial é uma ocupação corrompida – As origens do estigma foram criadas no passado distante, e embora muito tenha sido dito e feito para apagá-lo, tais esforços têm sido notavelmente mal sucedidos.

“O vigia medieval, recrutado entre as camadas dos destituídos e sujeito a descrições satíricas, era considerado pertencentes ao mundo das sombras, que se supunha que eles controlavam. Durante o período da monarquia absoluta a polícia passou a representar os aspectos subterrâneos da tirania e da repressão, e os policiais eram desprezados e temidos mesmo por aqueles que ostensivamente se beneficiavam de seus serviços. […]. Outras razões levam em conta principalmente as circunstância de que o trabalho policial é uma ocupação com baixa remuneração, cujas exigências podem ser cumpridas por homens que receberam pouca instrução formal. E alguns, finalmente, a partir de abusos dos relatos sobre abusos policiais, generalizam tais abusos para a ocupação como um todo.” (BITTNER, 2003)

Poucas coisas mudaram de lá para cá nestes aspectos. Ao ver os dados da Secretaria de Segurança Pública no DF é perceptível que a polícia, tanto civil, quanto militar, trabalham muito. Mas trabalhar muito não significa ser “eficiente”, “eficaz” e “efetiva”. Os números também demostram isso. Trabalhadores braçais, ganham pouco e trabalham muito, se sobrecarregam às vezes excessivamente, por não terem as ferramentas necessárias para executarem um bom trabalho ou simplesmente por não saber operar as “ferramentas” que estão disponíveis para eles. A falta de efetividade nas ações potencializam a visão generalista que a população tem da polícia.

Os Eixos Indicadores do Pacto Pela Vida no DF, me recuso chamar tal programa de “Viva Brasília”, se referem aos crimes prioritários para serem reduzidos, e que não estão conseguindo reduzir, diga-se de passagem,  são quatro:

  1. C.V.L. I – Crimes Violentos Letais Intencionais, que abarca o homicídio, o latrocínio e a lesão corporal seguida de morte;
  2. C.C.P – Crimes contra o Patrimônio, que abarca o roubo a transeunte, roubo de veículo, roubo em transporte coletivo, roubo em comércio, roubo em residência e furto em veículo.
  3. OUTROS CRIMES – Onde focam em três, basicamente: tentativa de homicídio (que ao meu ver deveria constar no rol do C.V.L.I), tentativa de latrocínio (que também ao meu ver deveria constar no rol do C.V.L.I) e Estupro.
  4. PRODUTIVIDADE POLICIAL – que abarca o Tráfico de Drogas, o Uso e Porte de Drogas, Posse/Porte de Arma de Fogo e Localização de Veículo furtado ou roubado.

É fato na literatura mundial que o trabalho policial é “imensurável”, em especial, quantificar o quanto o policial “preveniu” de crimes. Quantos crimes evitou durante um patrulhamento? Por isso, os gestores focam tanto em “quantidade de abordagens”, muitas vezes “ilegais”, pois fogem da discricionariedade do agente e deixam a desejar quanto a “fundada suspeita”, mas isso pode ser assunto para outro texto. Focam também na “quantidade de armas” e “drogas apreendidas”, “veículos recuperados” e muitas vezes em “flagrantes” e “prisões realizadas”, verifiquem que coloquei “prisões realizadas” fora da caixinha “flagrantes” justamente para mostrar que a lei prevê que “ninguém será preso senão em flagrante delito ou por decisão judicial”, mas que existem outros tipos de “prisões” em nosso meio.

O item “Produtividade Policial” no Balanço apresentado pela Secretaria de Segurança Pública e da Paz Social chama a atenção para alguns pontos. A polícia “desacelerou” no último ano, principalmente no último mês e os números referentes ao aumento de crimes torna isso perceptível. As prisões por tráfico de drogas caíram no ano 15,6%, já no mês de setembro caiu 24,4%, as prisões por uso e porte de drogas  caíram 14, 2% e no mês de setembro caiu 28,1% e as prisões de posse/porte de arma de fogo caíram 11,2% no ano e 18,9% no mês de setembro comparados com o ano anterior.

O que isso pode significar? Podemos analisar que os percentuais que estão caindo são apenas referentes ao trabalho da Polícia Civil, já que o combate ao tráfico de drogas é de sua competência,  e a corporação está em greve há algum tempo,  ou que existe também um movimento velado (tartaruga) na PMDF que tem desacelerado o serviço. Este fato só poderá ser confirmado nos próximos três meses, pelo menos. Foi assim das outras vezes. (grifo dado)

Um ponto que pode corroborar com a hipótese levantada acima, que tais percentuais referem-se ao trabalho não executado pela polícia civil, é o fato da localização de veículos furtado ou roubado, trabalho tipicamente da PM, ter aumentado no ano de 2016 em 9,5%  e no mês de setembro do mesmo ano 54,5%. O que pode significar que as operações da PMDF estão surtindo efeito e também que a PMDF está trabalhando bem mais do que trabalhou o ano passado.

Outro ponto que pode ser levado em consideração é que o aumento no percentual de localização de veículos, furtados ou roubados, pode estar diretamente ligado aos 47,7% de aumento no percentual de roubo de veículos, no mesmo período, aliado a um possível aumento no percentual de veículos furtados, que não aparece, mas que deveria aparecer no demonstrativo, pois os dados ficam incompletos para uma análise. Os furtos de veículos são fundamentais para termos uma melhor noção, pelo menos mais próxima da realidade da tal “produtividade policial”.

O bom de trabalhar com números é que eles nos levam para vários caminhos, mas em um ponto os números não metem. Para BITTNER (2003) a atividade policial é muito mais direcionada a quem a pessoa é do que ao que ela faz. O trabalho policial está direcionado pelas próprias forças policiais somente para a apreensão de drogas e armas, além da localização de veículos (grifo dado). O foco policial é o drogado e o traficante que eventualmente rouba ou furta veículos, focam na pessoa e não no que ela faz. Eis a dificuldade em ver além disso! Os policiais são treinados e direcionados, por meio de “políticas públicas” institucionais a perpetuar tais ações.

Por isso, fica difícil reduzir qualquer outro tipo de crime que não esteja voltado para o “aumento da produtividade”. Se um “drogado” eventualmente roubar um transeunte, roubar um veículo, roubar um coletivo, roubar um comércio, furtar uma residência ou cometer um homicídio com certeza ele será localizado, se ele estiver fora destas “características” possivelmente a polícia terá maior dificuldade em identificar o modus operandi do “novo” criminoso (grifo dado. Não é atoa que em entrevistas o discurso da autoridade é sempre voltado para legitimar seu próprio discurso e fortalecer a ligação do crime ao “tráfico” ou ao “uso de drogas”.

Desta forma, o circulo vicioso da segurança pública vai se consolidando. Para BITTNER (2003) os alvos preferidos da preocupação policial são as minorias étnicas e raciais, os pobres que vivem nas favelas urbanas e os jovens em geral (grifo dado). Muitos dos policiais que atuam hoje nas corporações do país são oriundos destas minorias, vieram de camadas pobres da sociedade, muitos moraram ou até moram em favelas atualmente, mas alguns passaram de “oprimidos” a “opressores”.

Para fechar, concluímos nossa reflexão mostrando que a “produtividade policial” diminuiu este ano, mas principalmente este mês e teve reflexo em todos os outros crimes que não estão ligados diretamente a “produtividade policial”. No mês de setembro houve um aumento de 22,7% no número de homicídios no DF, os Crimes Violentos Letais e Intencionais aumentaram 21,3%, o Roubo a Transeunte aumentou 138,8%, o Roubo a veículo aumentou 47,7%, o Roubo a coletivos aumentou 58,9%, os Roubos a comércio aumentaram 54,7%, os Roubos a Residência aumentaram 106,1% e os furtos em veículo aumentaram 272%, totalizando um aumento do número de crimes contra o patrimônio de 129,7%.  E não se pode falar em falência ou fracasso do Pacto pela Vida no DF?

É importante ressaltar, que os números podem ser ainda piores em consequência da subnotificação de ocorrências, tendo em vista a greve da polícia civil que fechou delegacias em horários importantes de ocorrência de crimes (pela manhã e após as 19h, por exemplo). Na cidade Estrutural o posto policial da PCDF foi fechado. A única opção para a população é se deslocar a 8ª DP no SIA, no período da tarde, ou a Central de Flagrantes na 1ª DP, que fica no Plano Piloto. Em uma comunidade carente como a Cidade Estrutural, com sérias dificuldades de transporte público, é pouco provável que as pessoas desloquem-se para fazer tais registros. Talvez seja uma boa forma de se “reduzir” os índices criminais na cidade.

Aderivaldo Cardoso – Especialista em Segurança Pública e Cidadania, pós graduado pelo Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília, autor do livro Policiamento Inteligente: Uma análise dos postos comunitários de segurança pública no DF (2011) e ex-assessor especial de gabinete/comunicação da Secretaria de Segurança Pública e da Paz Social (2015/2016).

cropped-banner-completo3.png

Referências Bibliográficas:

BITTNER, Egon – Aspectos do Trabalho Policial/Egon Bittner; tradução Ana Luísa Amêndola Pinheiro. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003. – (Série Polícia e Sociedade, n.8/Organização: Nancy Cardia).

Balanço Criminal do Viva Brasília – Nosso Pacto Pela Vida – Comparativo do Período acumulado de Janeiro a Setembro e o Mês de setembro de 2015/2016. Acessado em 12/10/2016 às 08:05 – http://www.ssp.df.gov.br/images/PASTANOVA/ApresentacoesDeColetivas/balanco.criminal_setembro.2015.2016.pdf

Deixe um comentário

Arquivado em Aderivaldo, reestruturação das polícias, Religião, segurança pública

Problemas oriundos da profissão policial militar

13872800_1280182635325077_3324575481786436043_n

Quando postei a foto acima, há algum tempo no meu facebook, me surpreendeu alguns contatos de amigos. Tenho tido problemas de roncos. Esses roncos já estão atrapalhando minha vida pessoal. O sedentarismo contribuiu muito para o agravamento do quadro, aliado a uma vida agitada e desregrada. Minha surpresa foi perceber a quantidade de colegas que sofrem do mesmo problema.

Não é somente o ronco, muitos policiais sofrem de ansiedade, insônia, refluxo, gastrite e dos problemas decorrentes de tudo isso. As pessoas não acreditam no quão estressante é nossa profissão. Além disso, ainda são comuns os problemas de hérnia de disco, lesões “femuracetabulares”, dores nas articulações, dentre várias outras que exigem fisioterapia e outros tratamentos qualificados.

Trabalho em uma escala 12X36, ou seja, dia sim, dia não, em uma das cidades mais perigosas e agitadas do DF, a cidade Estrutural. Após o trabalho não tenho mais condição de ficar acordado depois das 20h. Levanto as cinco da manhã, ao final das 12h estou morto de cansaço. Hoje consigo entender o estresse dos colegas que trabalham na rua.

A corporação poderia ter um trabalho voltado para isso. É complicado esse tipo de problema. Se olharmos o “custo” diário de policiais baixados com restrição médica e avaliássemos tudo isso como uma “empresa privada” talvez tivéssemos uma melhor noção do problema. Muitos colegas, mesmo sem condições de trabalho, é o meu caso, permanecem nas escalas e tiram voluntário para complementar a renda, reduzindo assim sua vida “útil” para o trabalho no futuro.

Visando minimizar os problemas tenho buscado mudar de hábitos: tenho feito atividades físicas e mudado os hábitos alimentares. Não é fácil, mas tenho tentado e convido você também meu amigo leitor a mudar de vida, independentemente do apoio da instituição.

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão

A esquerda esgotou-se em si mesma

As eleições municipais de ontem deram um recado nas urnas. O encolhimento do PT em 59,4% nos municípios mostra que a “esquerda” e o Partido dos Trabalhadores esgotou-se em si mesma. Os escândalos de corrupção foram cruciais neste processo.

O interessante é que mesmo tendo caminhado com o PT nos últimos anos, o PMDB, continua hegemônico nos municípios. o Crescimento de 1,2% demonstra que a crise e os escândalos de corrupção não influenciaram no desempenho do partido.

Mas sem dúvidas, o grande vitorioso é o PSDB com o aumento de 15,3% na quantidade de prefeituras, nem entraremos no mérito, quantidade de vereadores eleitos nas principais cidades. São Paulo, foi o grande exemplo com a vitória do candidato do PSDB no primeiro turno contra o candidato do PT.

O PSD também cresce 8,5%, o PP cresceu 4,2%, o PSB diminuiu 5,1%, o PDT cresceu 9,9%, o PR cresceu 7,3%, o DEM segue o caminho de alguns anos, pois reduziu 4,0%, o PTB diminuiu 12,4%, o PPS também diminuiu 3,3%, enquanto o PRB cresceu 31,6%, demonstrando a força da igreja universal, o PV cresceu 1%, o PTC cresceu 78,4% e o PHS cresceu 64,5%. PTN, PHS e PRB são os partidos com o maior aumento em relação às últimas eleições

No entorno praticamente todos os partidos que elegeram prefeitos estão em uma tendência de Centro Direita, incluindo um candidato do PSB, em Padre Bernardo, que esteve mais próximo do PSDB do que dos partidos de esquerda e outro candidato eleito pelo PPS em Alexânia.

Esta análise é importante para as projeções para as candidaturas em 2018 no DF. Temos uma forte tendência de migração de um discurso de centro esquerda para um discurso mais centro direita. As cláusulas de barreira também influenciarão bastante nas configurações partidárias.

vote

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão

Parabéns aos 23/24 mil, turma 1999/2000- Soldado dos Anjos

Hoje minha turma completa 17 anos de PMDF. Agradeço a Deus, meu Criador e Mestre Supremo, pela oportunidade que ele me deu. Quando entrei na PM ganhava R$ 280,00 em um posto de gasolina e pagava R$ 200,00 de aluguel, com dois filhos pequenos para criar. Uma época difícil, mas onde fui forjado para vencer e para suportar os baques da vida.

Nestes 17 anos de polícia muita coisa mudou em minha vida. O jovem tornou-se homem, o perdedor tornou-se um vencedor (aprendeu a vencer as dores da vida), o pobre garoto da periferia ganhou uma identidade, com ela poder, autoridade e legitimidade para atuar. Chegar até aqui não foi fácil. Muitas perdas, mas também muitas vitórias. Entrei para ser soldado e Deus tem me dado a graça (um favor não merecido) de ser Sargento de polícia.

Sou grato a Deus pelos amigos que fiz, em especial no meu pelotão, como diz o mestre LIMA: “o primeiro será sempre o primeiro” e “os últimos serão sempre os últimos”. Ao mestre “Sargento LIMA” meu muito obrigado por todos os ensinamentos, aos Comandantes da época representados pelo meu primeiro comandante geral coronel Antonio Ribeiro, minha gratidão, pelas vitórias, conquistas e ensinamentos ministrados que trago para a vida, agradeço ao Grande Criador do Universo pelas promoções recebidas até aqui, pela maturidade e pelo caminho trilhado até aqui.

Parabéns aos 23/24 mil, turma 1999/2000- Soldado dos Anjos

624

Deixe um comentário

Arquivado em Aderivaldo