Arquivo do mês: junho 2009

Conferência Livre!

No próximo mês estará ocorrendo em Brasília a I Conferência Nacional de Segurança Pública, etapa regional, e para isso algumas estratégias já foram traçadas!

Para minha surpresa na última quinta feira recebi uma ligação de um amigo me convidando para participar de um encontro que ocorreria na antiga Escola Normal de Brasília para discutir alguns temas sobre o evento. Chegando lá, me deparei com uma professora e um jovem de uma entidade de uma cidade de Brasília que havia recebido o mesmo convite. Como chegamos atrasados ficamos com vergonha de entrar. Em pouco tempo saiu um coronel da PM para atender um telefonema e nos questionou sobre o que aguardávamos…

A professora explicou quem era, o jovem também e eu disse que era policial militar de férias que havia recebido um convite. Rapidamente ele nos explicou que aquela reunião era para um público “SELETO”  E NÃO PARA NÓS!

Sem graça saimos e a professora faz o seguinte comentário: COMO ESSA POLÍCIA QUER SE APROXIMAR DA COMUNIDADE  SE ACHANDO UM PÚBLICO “SELETO”?

Em fim, não assistimos a palestra…

Mas hoje tive a felicidade de ser convidado para um evento de um público realmente “seleto” que me recebeu de braços abertos!

Quero agradecer o debate de alto nível promovido pela CONFERÉNCIA LIVRE: SEGURANÇA PÚBLICA CIDADÃ – DIÁLOGoS DE JUVENTUDE!

Tive a oportunidade de viver a polícia comunitária de verdade ao ouvir jovens discutindo a polícia que temos e que queremos

Ouvi de jovens que cumprem medida sócioeducativa que tipo de polícia precisamos e gostei do que ouvi!

Conheci grupos organizados que também querem mudança!

AÇÃO ESPERANÇA

GRUPO CULTURAL AZULIM

SOS CIDADANIA

GRUPO ARTICULAÇÃO

VALOR CULTURAL

GRUPO ATITUDE

AMIGOS DA PAZ

JOVEM DE EXPRESSÃO

CIAP

Esteve presente delegados da polícia civil, federal e outros grupos, menos a polícia militar!

Maiores informações: http://www.rededejuventude.ning.com

1 comentário

Arquivado em polícia comunitária, policiamento inteligente

Operários da violência?

Nunca me vi e nem me senti como um operário da violência, mas ao iniciar meus estudos na área da sociologia comecei a mudar meu conceito.

Alguns livros foram marcantes nesse processo, inicialmente o livro da professora Regina Célia Pedroso, intitulado: Autoritarismo e ideologia policial, e agora outro livro nessa mesma linha das professoras: Martha Huggins, Nika Haritos Fatouros e Philip Zimbardo, intitulado: Operários da violência, vem reforçar ainda mais minhas convicções!

Existe uma necessidade latente de mudança na estrutura policial, mas como disse a um deputado distrital ontem, não sou político, cabe a mim somente propor alternativas ou simplesmente levantar o debate sobre o assunto!

Hoje quero apenas deixar as questões levantadas por esses autores para que possamos refletir sobre nossas práticas diárias.

Em meu livro afirmei que somos reprodutores da violência e alguns não gostaram da afirmação, mas continuo afirmando. E retorno ao debate sobre a violência praticada por nós em todo o país!

Essas perguntas são de fundamental importância para nossa formação policial, mas nem tanto para nossa formação militar!

Em que medida os policiais que praticam violência extrema são essencialmente diferentes dos que não a fazem?

Qual o papel desempenhado nesse tipo de violência (policial) pelos os membros de uma unidade policial que estão menos diretamente envolvidos?

De que modo os supervisores (oficiais e sargentos) imediatos de uma unidade policial contribuem para a violência praticada por ela?

Que papel desempenham membros do governo e funcionários de alto nível da polícia na promoção da violência policial?

Por que homens comuns torturam e assassionam em nome do Estado?

Como os perpetradores da violência (nós) explicam e justificam sua ação?

Qual o resultado de seus atos criminosos – para as vítimas, para eles próprios e para a sociedade?

Que lembranças de suas atrocidades admitem e quais delas se tornam história pública?

Respondendo essas perguntas construiremos um pouco de nossa história e nossa identidade!!

Eis o desáfio!

Deixe um comentário

Arquivado em desmilitarização das polícias, polícia comunitária, polícia militar, policiamento inteligente

VOTO INTELIGENTE!

O ano eleitoral está chegando e vários candidatos começam a surgir em defesa da PMDF. Alguns são históricos (Patrício, Normando, Luciano Gonzaga, Aires Costa e vários outros). Existem os persistentes (Charles Magalhães, Guarda Jânio, Cirlândio…). Agora também temos a revelação do ano (Lima Filho)!

Sempre ouvi falar que não conseguimos eleger deputados porque temos muitos candidatos e várias associações, mas creio que nunca elegemos por falta de estratégia e inteligência!

O problema não é o excesso de candidatos, até porque, no nosso sistema eleitoral o voto conta mais pra coligação do que pro candidato! Sendo assim, devemos ter a maior quantidade de candidatos possível, mas no MESMO PARTIDO!

SEMPRE OUVI DIZER: “O MEU PARTIDO É A POLÍCIA MILITAR!” É HORA DE DESCOBRIRMOS SE ISSO É UMA VERDADE OU UMA FALÁCIA!

2 Comentários

Arquivado em Aderivaldo

O valor de um amigo!

Estou há algum tempo sem escrever pois estive ocupado com alguns projetos voltados para o policiamento inteligente no Riaho Fundo.

Os livros comprados na Argentina, referentes à polícia, em breve serão comentados!

Tenho que escrever sobre a experiência de São José dos Campos e as bases policiais. Lá estão em outra fase: as “bases móveis”…

Mas hoje quero agradecer aos amigos que sempre estão ao meu lado e me dão força a cada dia. Recebi esse texto de uma amiga, que tive o prazer de conhecer por intermédio do blog e que passou a fazer parte integrante de minha vida, e resolvi compartilhar com os leitores!

Segunda-Feira, 22 de junho 2009
O verdadeiro amigo nos corrige

A Palavra de Deus é exuberante quando nos fala da amizade:

“Um amigo fiel é uma poderosa proteção: quem o achou descobriu um tesouro. Nada é comparável a um amigo fiel; o ouro e a prata não merecem ser postos em paralelo com a sinceridade da sua fé. Um amigo fiel é um remédio de vida e imortalidade; quem teme ao Senhor achará esse amigo. Quem teme ao Senhor terá uma excelente amizade, pois seu amigo lhe será semelhante” (Eclesiástico 6, 14-17).

Amigo não é apenas um conhecido, um colega, um companheiro… Não. Amigo é amigo. Se eu quisesse definir amizade teria de encontrar as palavras certas e o conceito exato, porque amigo não é uma coisa qualquer. É por isso que a Palavra de Deus nos diz que quem encontrou um amigo encontrou um tesouro.

Um amigo pode nos transformar. E por que nos transforma? Porque antes de tudo o amigo nos ama como somos. O amigo consegue nos corrigir e, muitas vezes, só ele é capaz de alcançar esse feito. O que o pai e a mãe, muitas vezes, não conseguem, um amigo pode conseguir. Ele atinge o coração. Ele e, muitas vezes, só ele tem linha direta com o nosso coração. Ele chega lá, naquele lugar aonde ninguém consegue chegar. E por que ele consegue chegar lá? Repito: porque o amigo nos ama do jeito que somos. É por isso que ele consegue nos transformar.

O amigo é capaz de dizer as coisas como elas são, ele consegue nos dizer as verdades que não quereríamos ouvir, mas como o amigo é amigo, acabamos ouvindo. Muitas vezes nós nos chateamos com ele por essa razão, nos afastamos dele e ficamos sem nos comunicar com ele… Mas passam as horas, os dias e a gente volta atrás e entende, acolhe, se dobra… e tudo muda.

Às vezes a gente briga, se revolta… mas porque amigo é amigo, a gente não consegue ficar longe. A amizade é mais forte que a briga e a revolta. E que bom que é assim! Muitas vezes só a amizade é capaz de nos dobrar. Por isso, ter amigos é essencial.

Ser amigo é o segredo da vida e da vitória. E por que tudo isso? Porque na amizade há amor. Amor puro. Amor desinteressado. Por isso “quem o achou descobriu um tesouro”.

Seu irmão,

Monsenhor Jonas Abib

 se transforma naquilo que ele contempla”

1 comentário

Arquivado em Aderivaldo

Diferença cultural!!

Sempre gostei de analisar a diferença cultural existente no Brasil, mas agora me encantei com a diferença existente na América! Fico imaginando o Thiago (Ten. Gomes Nascimento) que é um verdadeiro estudioso nessa área passeando pelas ruas de Buenos Aires e vendo a diferença entre nossa distribuição de efetivo e a deles…

Tenho visto a polícia da capital, menos despreparada que as outras das províncias, assim como no Brasil, mas hoje vi algo na TV que me chamou a atenção e me fez querer compartilhar com os leitores do Blog…

Esta madrugada em Mar Del Plata ocorreu um incidente entre policiais e um taxista que fez a população se revoltar e quebrar tudo…

Quando digo quebrar tudo é TUDO MESMO… Viaturas e policiais!

Vi uma tropa de choque despreparada, QUE RECUA e uma população liberando toda raiva que sente da polícia…

Para a população a polícia aqui trabalha para os dois lados (a polícia e os bandidos) e a maior corrupção ocorre no transito…

Alguma semelhança com o Brasil é mera coincidência…

Ah estava me esquecendo… O maior ídolo deles atualmente é o Capitão Nascimento do Tropa de Elite…

Por que será?

Percebo que o problema não é exclusividade do Brasil, a diferença entre ambos, é que a Argentina deu o primeiro passo para mudar. Hoje ainda não está bom, mas melhorou muito segundo a população. Não se muda uma cultura de um dia para o outro, mas muda-se uma estrutura.

Cada dia que penso em mudança lembro-me do projeto policial do futuro. Percebo que estamos no caminho certo, como concluí ao fazer uma monografia no passado, intitulada: Desmilitarização das polícias: Uma mudança cultural ou uma questão de sobrevivência?

Em Brasília primeiro estamos mudando a cultura e ela se encarregará do resto!! Como disse o Thiago no comentário sobre o texto que escrevi anteriormente, é necessário reestruturarmos nossa polícia, só precisamos descobrir como!

Acredito que seja necessário urgentemente debatermos o tema e criarmos um modelo de polícia BRASILEIRO. Talvez nós blogueiros possamos dar o primeiro passo! Estou cansado do modelo ultrapassado que temos! É preciso mudar, para isso, é necessário criar um método! É hora de pensarmos polícia, respirarmos polícia e vivermos polícia, até encontrarmos esse modelo…

Esse se tornou meu desafio! Chega de falácia, palavras vazias, políticos que não conhecem a segurança pública, mas definem nossos destinos!

É chegada a hora de nos unirmos (policiais, sociólogos, advogados, toda a sociedade) para discutirmos o destino que queremos para a nossa polícia daqui a dez anos!

O primeiro passo é definirmos onde estamos e onde queremos chegar, que modelo temos e que modelo queremos!

Desafio cada blogueiro a fazer discípulos nesse sentido (discutir polícia, respirar polícia, viver polícia…)!

Se não dermos o primeiro passo alguém dará e mudará nosso destino… pensem nisso!

Obs: O teclado está configurado para o espanhol por isso os erros, assim que retornar vou arrumar!

Deixe um comentário

Arquivado em Aderivaldo, desmilitarização das polícias, polícia comunitária, polícia militar

Morte de colega desvendada!

Lembro-me que achamos muito estranho esse homicídio do colega… Agora chegou o resultado!

O perigo mora ao lado, digo: DORME!!

PM é encontrado morto com um tiro na cabeça em Ceilândia

Publicação: 03/06/2009 19:39 Atualização: 03/06/2009 22:31

O policial militar Marcelo Campos de Araújo, 36, foi encontrado morto em casa, com um tiro na cabeça, por volta das 16h desta quarta-feira (3/6). De acordo com a esposa do PM, quando ela deixou a casa, uma hora antes, o marido estava dormindo no quarto, e quando voltou, estava no sofá da sala, morto.

Segundo o delegado plantonista da 23ª Delegacia de Polícia do P Sul, João Maciel, o suicídio já foi descartado pelo local que a bala
atingiu a cabeça, na parte superior. “Estamos trabalhando com a idéia de latrocinio ou homicídio, mas no último caso ainda não temos informações de pessoas que queriam executá-lo”, afirmou.

O delegado explicou que inicialmente vão procurar seguir a linha do latrocinio, principalmente principalmente porque a esposa do PM contou que ele sempre andava armado. O delegado acredita que alguém pode ter visto a arma, entrado para roubá-la e matado Marcelo.

Familiares e vizinhos prestam depoimento, mas nenhum barulho foi ouvido nas mediações da casa do PM, na QNN 22, conjunto O. O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) após a perícia.

Mulher de PM confessa assassinato do marido

Publicação: 17/06/2009 15:02 Atualização: 17/06/2009 15:02

A mulher do policial militar Marcelo Campos de Araújo, 36 anos, confessou na noite de terça-feira (17/6) que matou o marido com um tiro na cabeça. O PM foi assassinado dentro de casa, na QNN 22, em Ceilândia no dia 3 de junho. Depois que a polícia encontrou a arma do crime na segunda-feira em uma estrada de terra próxima a Samambaia Renna Karusy Ramalho Sampaio de Araújo, 30 anos, foi a delegacia e na presença de três advogados confessou que usou a arma do marido, que era guardada dentro de um armário, para matá-lo. Os dois eram casados há 11 anos e tinham dois filhos pequenos.

Segundo o delegado-chefe da 23ª DP (P Sul), Marcelo de Paula, Renna disse que matou o marido porque ele era possessivo e ciumento e já havia ameaçado ela de morte caso soubesse que ela o traia. Como a mulher mantinha uma relação extraconjugal há cerca de dois anos ela temia que o marido cumprisse a promessa de matá-la caso descobrisse. No dia do crime, depois de atirar na cabeça do marido a mulher saiu de casa para se desfazer da pistola .40 usada no assassinato.

No dia do crime a mulher do policial disse à polícia que saiu de casa uma hora antes do crime, deixando o marido dormindo no quarto, e quando voltou ele estava no sofá da sala, morto. Depois que a polícia encontrou a arma, Renna ainda manteve a versão até ser informada que a polícia trabalhava com a suspeita de ela ter participado do crime, depois da informação a acusada voltou à delegacia e confessou o crime.

Policial Militar executado pela esposa traidora
Autor: Irene Oliveira
Mulher confessou ter assassinado o marido e que tem amante há dois anos
A dona de casa Renna Karusy Ramalho Sampaio de Araújo, de 30 anos, confessou à polícia que matou o marido, o policial militar Marcelo Campos de Araújo, 36 anos, com um tiro na cabeça, pelas costas, enquanto ele dormia. Renna esteve casada com a vítima, com quem tem dois filhos pequenos, por 11 anos.
Ela se relaciona com outro homem há 2 anos. A motivação do crime, segundo Renna, seria medo de que o marido descobrisse a relação extraconjugal e a assassinasse. Ela afirmou que se sentia ameaçada pelo marido que, segundo ela, costumava dizer frases como “você é só minha”, “se pegar você com outro te mato”. O casal tinha se mudado para esta casa há três meses. Conhecidos do casal disseram em depoimento que Marcelo  estava incomodado com fofocas e burburinhos da vizinhança sobre uma possível traição da mulher, por isso teria mudado de casa.
A mulher foi indiciada por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e sem dar chance de defesa à vítima. Se condenada, pode pegar de 12 a 30 anos de prisão. O policial, que trabalhava na 11ª CPMind no Cruzeiro, foi executado dentro de casa, na QNN 22 Conjunto O, em Ceilândia, no dia 3 de junho.
Segundo o delegado-chefe da 23ª Delegacia de Polícia, Marcelo de Paula Araújo, ele não representou pela prisão preventiva da mulher, por enquanto, em função da colaboração que a acusada está prestando à polícia. O delegado destacou que, no primeiro momento, o caso foi tratado como suicídio ou latrocínio. “À medida que nós fomos descartando o suicídio (pela trajetória do projétil, de cima para baixo e por trás) e o latrocínio, a Renna  passou a ser a principal suspeita”, explicou.
O delegado ainda destacou que a mulher mentiu desde o primeiro depoimento. “Ela descreveu o casamento como feliz e harmonioso, o que foi sendo desmentido ao longo das investigações”, disse.

O PM foi morto enquanto dormia

Renna disse que, na noite anterior ao crime, seu marido teria forçado uma relação sexual com ela. No começo da tarde, disse que estava na sala com Marcelo deitados, ele teria dito que iria descansar para em seguida estudar. A mulher teria esperado o marido adormecer para matá-lo.
“Ela confessou ter buscado a arma (uma pistola ponto .40 da PMDF) em cima do guarda roupa, e ter se posicionado atrás dele. Ela disse ter sentido cheiro de fumaça, se dirigido para a cozinha da casa e envolvido a arma em sacos plásticos e em seguida saído de carro”, detalhou o delegado Araújo.
A escolha em atingir o marido pelas costas teria sido justificada por Renna. “Não fui pela frente porque ele poderia acordar”, disse a mulher.
De acordo com a polícia, Renna saiu de carro e foi para o Centro de Taguatinga onde teria encontrado sua mãe com quem conversou, mas não tocou no assunto do crime. Em seguida pegou a pista rumo à zona da Boca da Mata, um matagal entre Samambaia e Taguatinga onde dispensou a arma do crime. Depois a mulher retornou à sua casa. “Ela disse ter estacionado o carro em frente à sua residência, mas sequer entrou, para não ver o corpo, já teria começado a gritar e fazer alarme, foi quando vizinhos teriam encontrado o corpo de Marcelo e acionado a polícia”, explicou Araújo.
Amigos de infância do policial expressaram indignação com o fato. “Ele era um cara prestativo, excelente profissional, bom pai, gostava de ajudar as pessoas”, lamentou Gleison. “Pegaram ele dormindo, espero justiça,” disse.
Outros que não se identificaram também se mostraram abalados com o crime, eles falavam sobre o sofrimento e desespero da mãe do policial.

Fonte : Tribuna do Brasil
Data : 18 de junho de 2009

8 Comentários

Arquivado em Aderivaldo

Polícia Argentina!

Deixei de escrever no Blog por um tempo porque estou fora do país e tenho dificuldade de acesso a intenet, mas vou aproveitar para fazer alguns comentários sobre a polícia argentina que considero importantes…

Como o teclado aqui é configurado somente para o espanhol irei corrigir os erros no Brasil…

A Argentina tem um grande influencia inglesa e francesa e sua polícia passou por uma reestrucao profunda que provocou algumas mudancas consideráveis!

Vou colocar em tópicos para depois abordá-los um a um, tendo como base a cidade de Buenos Aires, capital argentina:

1) Aqui se tem uma excelente sensacao de seguranca;

2) Uma excelente distribuicao do efetivo;

3) Existe um modelo que daria muito certo no Plano Piloto, aqui sempre trabalha um policial fardado e um a paisana (muito interessante), escreverei mais especificamente sobre esse tema;

4) Aqui existe um hibrido da escola francesa e da inglesa quanto ao policiamento, prevalecendo o modelo ingles;

5) Os policiais estao sempre conversando com alguém, quando chega alguém da comunidade o policial à paisana se afasta;

6) A polícia nao é militarizada;

7) Existem tres tipos de polícia – Federal, municipal e de fronteira – todas usam uniforme;

8) Todos os policiais estao equipados com colete refletivo, rádio, pistola…;

9) A polícia chegou a ser chamada de maldita, antes da reestruturacao e a corrupcao é o problema mais grave dentro do sistema, nao sao violentos, mas muito corruptos, segundo a própria populacao!

Levando-se em consideracao a especificidade de cada local e a modalidade a ser aplicada, creio que esse modelo seria ideal para Brasília (Plano Piloto, Lago Sul e Lago Norte)!

Existe policiamento comunitário aqui e os policiais sao bem atentos, em menos de dez minutos fui abordado….rss

16 Comentários

Arquivado em Aderivaldo, desmilitarização das polícias, polícia comunitária

Honestidade é tudo, parabéns!

A falta de tempo e acesso a internet está me atrapalhando dar continuidade ao Blog, mas em breve esse fato será resolvido…

Mesmo diante das dificuldades não poderia deixar de comentar esse fato que ocorreu em Brasília. Se não fosse a triste realidade de nosso país isso seria um fato rotineiro, mas em decorrência de alguns “desvios” de conduta em nosso meio é bom parabenizarmos os policiais que atuaram nessa ocorrência!

A única observação é quanto a fala do policial. Devemos prestar atenção as nossas declarações. A fala dá a entender que houve um “FLAGRANTE PREPARADO”… (Devemos evitar frases do gênero: “O que a senhora me sugere?” e afirmações do tipo: “Então decidimos armar o flagrante!”…)

Isso não tira o brilho da ocorrência é apenas para aprendermos com nossos erros. Quanto menos falarmos nessa situação melhor!

Funcionária do Senado presa em flagrante é liberada
No domingo, dia 7, ela tentou subornar policiais durante uma blitz. Hoje, a Justiça permitiu que ela fique em liberdade até a conclusão do inquérito.
 

Foram menos de 12 horas na carceragem da delegacia. O flagrante de tentativa de suborno foi na tarde de ontem, dia 7, durante uma blitz no Lago Norte. O carro em que estavam Ana Maria de Almeida fontes e a amiga Shirley de Oliveira foi parado na barreira. Tinha mais de R$ 6 mil em dívidas com o Detran. Foi aí que Ana Maria chamou o soldado Cleiton pra conversar.

“Quando ela teve certeza que o carro ia ser guinchado para o depósito do Detran, perguntou como eu poderia fazer para aliviar a questão, para que eu que eu pudesse Iiberar. Eu perguntei o que ela sugeria, ela falou que me dava uma quantia em dinheiro. Eu perguntei quanto. Ela respondeu ‘Por R$ 200 você me libera?”. Pedi para ela esperar, chamei o cabo Antônio José e nós decidimos armar para pegar a quantia em espécie e autuá-la por corrupção ativa”, detalhou Cleiton Oliveira.

As duas amigas e os policias foram sacar o dinheiro, mas o caixa eletrônico estava fora do ar. Shirley então teria buscado R$ 200 em casa. Elas foram presas na hora da entrega do dinheiro. “Elas não têm noção do agravante que é a tentativa de corrupção. É uma prática que a gente quase não tem na capital, tendo em vista conduta dos PMs e dos outros policiais também. Acho que ela não tem ciência do que será a vida dela daqui pra frente”, afirmou o cabo da PM Antônio José.

Ana Maria de Almeida Fontes e Shirley de Oliveira passaram a noite na 9ª Delegacia de Polícia, no Lago Norte, mas a prisão durou pouco. Na manhã desta segunda-feira, dia 8, por voltas das 6h, as duas foram liberadas mediante um alvará de soltura expedido pela Justiça. A fiança não foi cobrada. Elas vão aguardar pela conclusão do inquérito em liberdade.

As duas vão ser indiciadas por corrupção ativa. A pena é de dois a 12 anos de cadeia.

Fonte: http://dftv.globo.com/Jornalismo/DFTV/0,,MUL1186988-10039,00-FUNCIONARIA+DO+SENADO+PRESA+EM+FLAGRANTE+E+LIBERADA.html

4 Comentários

Arquivado em Aderivaldo, polícia comunitária

Concurso para soldado PMDF: Locais de prova!

 EDITAL Nº 33, DE 03 DE JUNHO DE 2009.
CONCURSO PÚBLICO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO DE
SOLDADO (CFSDPM) DO QUADRO DE PRAÇAS POLICIAIS MILITARES
COMBATENTES DA POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL (QPPMC)
O COMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL, no
uso de suas atribuições legais, torna públicos o horário e os locais de realização das
provas objetivas e da prova discursiva do concurso público para admissão ao Curso de
Formação Policial com a graduação de Soldado Policial Militar da Polícia Militar do
Distrito Federal (CFSDPM).
As provas objetivas e a prova discursiva terão a duração total de 4 horas e 30 minutos e serão
aplicadas no dia 13 de junho de 2009, às 14 horas (horário oficial de Brasília/DF).
1 Localidade de realização das provas: DISTRITO FEDERAL
1.1. Locais de realização das provas: os candidatos deverão, obrigatoriamente, acessar o endereço
eletrônico http://www.cespe.unb.br/concursos/pmdfcfsd2009 para verificar o seu local de provas,
entre os listados abaixo, por meio de busca individual, devendo, para tanto, informar os
dados solicitados. O candidato somente poderá realizar as provas no local designado na consulta
individual disponível no endereço eletrônico citado acima.
LOCALIDADE / ENDEREÇO
ASA NORTE
– Centro Educacional Sigma – Unidade Norte – SGAN 910, Módulo E – Asa Norte, Brasília/DF
ASA NORTE
– Colégio Santa Dorotéia – SGAN 911, conjunto B – Asa Norte, Brasília/DF
ASA NORTE
– Colégio JK – Asa Norte – Prédio Principal – SGAN 913, conjunto A – Avenida W5 – Asa Norte,
Brasília/DF
ASA NORTE
– Centro Educacional Leonardo da Vinci – Asa Norte – Blocos 2 e 3 – SGAN 914, conjunto I – Asa
Norte, Brasília/DF
ASA NORTE
– INEI – Asa Norte – Centro Educacional – SGAN 606, Módulo A – Asa Norte, Brasília/DF
ASA SUL
– Centro Educacional Leonardo da Vinci – Asa Sul – Blocos 1 e 2 – SEPS 703/903, bloco 1, lote B
– Asa Sul, Brasília/DF
ASA SUL
– Universidade Paulista – Brasília (UNIP/DF) – Blocos A, B, C e D – SGAS 913, conjunto B, s/
nº, lotes 54/55 – Asa Sul, Brasília/DF
GAMA
– CEM 1 do Gama – CG – entrequadras 18/21, Área Especial, Praça 2 – Setor Leste, Gama/DF
SOBRADINHO
– Centro Educacional 3 de Sobradinho – Quadra 5, Área Especial, nº 5, Sobradinho/DF
TAGUATINGA
– Colégio Santa Terezinha – Blocos C e D – QNJ 17, lotes 1/5 – Taguatinga Norte, Taguatinga/DF
TAGUATINGA
– Faculdade Jesus Maria José (FAJESU) – Blocos B e C – QNG 46, Área Especial nº 8 –
Taguatinga Norte, Taguatinga/DF
2 Será eliminado do concurso o candidato que, durante a realização das provas, for surpreendido
portando aparelhos eletrônicos, tais como bip, telefone celular, walkman, agenda
eletrônica, notebook, palmtop, receptor, gravador, máquina de calcular, máquina fotográfica,
controle de alarme de carro etc, bem como relógio de qualquer espécie, óculos escuros
ou quaisquer acessórios de chapelaria, tais como chapéu, boné, gorro etc. e, ainda, lápis,
lapiseira/grafite e/ou borracha.
2.1 O CESPE/UnB recomenda que, no dia de realização das provas, o candidato não leve nenhum
dos objetos citados no subitem anterior.
2.2 O CESPE/UnB não se responsabilizará por perdas ou extravios de objetos ou de
equipamentos eletrônicos ocorridos durante a realização das provas, nem por danos
neles causados.
2.3 No dia de realização das provas, o candidato deve observar todas as instruções contidas no
item 22 do Edital nº 01 – DP/PMDF, de 6 de janeiro de 2009, publicado no Diário Oficial do
Distrito Federal, e neste edital.
LUIZ SÉRGIO LACERDA GONÇALVES
Fonte: http://www.buriti.df.gov.br/ftp/diariooficial/2009/06_Junho/DODF%20107%2004-06-09/Seção03-%20107.pdf

3 Comentários

Arquivado em polícia militar

Como motivar um policial?

Não há dúvida de que nosso policial está desmotivado e com sua auto-estima baixa…

A reunião abaixo teve o objetivo de motivar os policiais que atuam nos postos…

A pergunta que eu me faço todos os dias é: como motivar um policial que não acredita no sistema?

A outra é: Onde estão os policiais que atuam nos postos na foto abaixo? Vi apenas o pessoal de expediente…

Polícia Comunitária Sistema KOBAN

2/6/2009 15:55:00

 Gilmar Santos (texto)

da Comunicação Social  e
Kelly PM/3
Paulo Paiva (fotos)
da SSP-DF

Hoje, 02 de maio, Brasília recebeu as visitas do Cônsul do Japão Yasuaki Ishii e do coronel Luís Castro Júnior Diretor de Polícia Comunitária e Direitos Humanos da PMESP.

O Cônsul Yasuaki Ishii que é um dos organizadores do sistema Koban no Japão é possuidor de larga experiência no que se refere ao estabelecimento de parceria entre a polícia e a comunidade, bem pertinente ao momento atual da Polícia Militar do Distrito Federal no que se refere a implantação dos Postos Comunitários de Segurança, cuja filosofia assemelha-se ao projeto levado a efeito no Japão e que é desenvolvido em São Paulo com absoluto sucesso.
O Cônsul apresentou a palestra “Polícia Comunitária Sistema Koban”.

O sistema Koban no Japão segue a idéia de descentralização territorial e seu funcionamento é parecido com com os nossos Postos Comunitários de Segurança. O critério para sua instalação e localização é puramente técnico e é estabelecido pela polícia de tal forma que garanta o atendimento cuidadoso e atencioso às pessoas que o procurem. Estes postos policiais (Kobans e Chuzaishos) estão subordinados aos Police Stations e funcionam 24h por dia. È interessante ressaltar que a polícia japonesa para atender a demanda e manter um nível de ordem satisfatório entende que descentralizar é a solução, sendo que os maiores e melhores recursos da polícia devem estar alocados na linha de frente dos acontecimentos. São fundamentos principais da polícia japonesa a filosofia de que: as atividades junto às diversas comunidades e o estreitamento de relações polícia e comunidade, além de incutir no policial a certeza de ser um “mini-chefe” de polícia descentralizado em patrulhamento constante, gozando de autonomia e liberdade de trabalhar como solucionador dos problemas da comunidade, também é a garantia de segurança e paz para a comunidade e para seu próprio trabalho.

 O palestrante coronel Luís Castro Júnior ministrou a palestra “Gestão de Polícia Comunitária com foco em Postos Comunitários de segurança”. Nesse ponto vale ressaltar que a Polícia Militar do Estado de São Paulo é uma referência nacional de polícia comunitária, haja vista que emprega programas de policiamento específicos para a execução desta modalidade de policiamento e tem nas bases comunitárias os locais de referência para tais programas, assim como o PCS no Distrito Federal.

 

Também participou do evento o Comandante-Geral da PMESP, coronel Àlvaro Batista Camilo possuidor também de grande experiência Policiamento Comunitário.

12 Comentários

Arquivado em Aderivaldo, Diversa, polícia comunitária