Arquivo do mês: abril 2014

Violência nas Escolas – Projeto Jovens Brilhantes

Hoje pela manhã tive a honra de ampliar a parceira com o grupo ALUB. Tive a oportunidade de ministrar a palestra: VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS, para mais de 450 jovens, dentro do PROJETO JOVENS BRILHANTES! Uma forma de conscientizar o futuro de nossa cidade! Uma parceria entre o Colégio ALUB e o Instituto Gabriel Brilhante. #IGB

Este slideshow necessita de JavaScript.

Iniciamos com a Palestra: Pais e Filhos, conscientizando pais sobre a necessidade de participação na vida dos filhos. Também abordamos o tema: Drogas nas Escolas. Agora Estamos iniciando o contato com o jovens. Em breve faremos um projeto motivacional, voltado para questões voltados para o sonho profissional de cada aluno. A educação é a janela para um futuro próspero.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão

Greve da Polícia Militar do Amazonas se concretiza

Policias militares cruzaram os braços exigindo cumprimento de promessas por parte do governo

Policias militares cruzaram os braços exigindo cumprimento de promessas por parte do governo (Chico Batata)

Soldados da Polícia Militar do Amazonas cruzaram os braços desde a madrugada desta segunda-feira (28) para reivindicar melhorias na classe, especialmente nos critérios de promoção e nas escalas de trabalho adotadas pelo comando da PM. Até agora, não há informações exatas do número de policiais que estão sem trabalhar.

Um grupo que representa os grevistas deve ser recebido pelo governador do Amazonas, José Melo (Pros), na sede do governo, ainda pela manhã, para negociar o fim da paralisação. O prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), se colocou à disposição dos grevistas para mediar o diálogo com o governo do Estado.

A concentração dos soldados iniciou a meia noite em frente a Arena Amadeu Teixeira, ao lado da Arena da Amazônia. Uma multidão de praças chegou até lá ao som de buzinaços, em carros próprios, levando esposas e filhos, mas, outros, também foram em viaturas da Polícia Militar. Alguns policiais abandonaram os plantões para se juntar à paralisação.

“Os soldados estão paralisados”, anunciou, ainda na madrugada, o presidente da Associação dos Praças do Estado do Amazonas (Apeam), Platiny Soares. Em cima de um carro de som, os policiais se revezavam em discursos contra o comando da PM e o governo do Amazonas. Não houve tumultos. Os PMs também cantaram o Hino Nacional e o hino da corporação.

Faixas e cartazes de protesto reclamavam do legado da Copa para a Polícia Militar e exigiam a Lei da Carreira, Código de Ética, vale-alimentação, adicional noturno e auxílio-moradia para soldados lotados no interior do Estado. Um cartaz afixado em um veículo dizia: “Não mereço ser estuprado pelo governo”. Os PMs também exigiam anistia para todos os soldados que participam da paralisação.

“A partir desse momento a Polícia Militar do Amazonas cruzou os braços: todas as unidades, CPI, CPM e CPE, que corresponde ao policiamento do Estado inteiro. Temos unidades paradas no interior do Estado, na capital, e o policiamento especializado, Rocam, Choque, COE, batalhões que fazem o trabalho especial dentro da corporação. É um movimento grevista, não. É greve! Nós iniciamos a greve da Polícia Militar”, disse Gerson Feitoza, diretor jurídico da Apeam, a 1h da manhã.

Os policiais pediam a presença do governador José Melo e, na ocasião, repudiaram a iniciativa do prefeito Arthur Neto que, em nota enviada aos líderes do protesto, se colocou à disposição para se tornar um mediador do movimento. “Temos uma pauta de reivindicação que queremos mostrar para o governador. A partir do momento que ele vier aqui, e nossa pauta for atendida, voltaremos ao trabalho”, afirmou Gerson Feitoza.

“Reivindicar a carreira de promoção e uma escala de trabalho justa é uma questão de respeito”, discursou o soldado Ageu Carvalho, que deixou o plantão da 6 Cicom, no bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus, para se juntar ao movimento grevista. “Um oficial me ligou ameaçando, dizendo que eu vou ser expulso da PM. Não temos medo desse tipo de ameaça”, afirmou.

“O primeiro ponto da negociação é a nossa anistia total, para que nenhum soldado possa ser repreendido através desse RD-PMAM (Regime Disciplinar da Polícia Militar do Amazonas) covarde. Queremos mostrar ao governador a realidade do policial militar. Os oficiais e o seu comando passam uma situação para ele que é totalmente diferente do que vivemos”, disse o PM Eduardo Silva.

‘POLITIQUEIROS’

Em entrevista à rádio A Crítica FM, na manhã desta segunda-feira, o prefeito Arthur Neto voltou a afirmar que se dispõe a mediar o diálogo dos grevistas com o governo do Amazonas, mas disse que o “caos” na segurança pública só interessa a “politiqueiros”.

“Greve de policiais é terminantemente proibida conforme a constituição federal. A grande maioria (que integra o movimento de greve) é de boa fé. Uma outra tem o interesse de espalhar o caos”, afirmou Arthur Neto.

“Se há um crime, se há vandalismo, é na minha cidade, é por isso que faço um apelo: não entrem por esse caminho. Esse caminho só interessa a politiqueiros”, afirmou o prefeito.

DIÁLOGO

Na noite deste domingo, José Melo defendeu modificações na legislação que dispõe sobre a promoção de praças. e disse que as alterações devem ser discutidas por meio de diálogo. “Nosso Estado evoluiu muito nos últimos anos e essa evolução foi feita à base do diálogo. Tem algo muito errado em relação à promoção dos praças. E não precisa ninguém querer defendê-los. Eles são minha responsabilidade, responsabilidade do governador do Estado. O meu Governo não vai permitir que se faça dentro da Polícia Militar qualquer tipo de lei que não tenha o condão de beneficiar aqueles que estão nas ruas, que são os praças. Afinal, são os praças que enfrentam de peito aberto os bandidos. Portanto, se existem falhas, vamos no diálogo corrigir essas falhas para que as promoções dos praças aconteçam da forma correta. E aqueles que mereçam essa promoção, a tenham sem interferência política”, afirmou.

Fonte: http://acritica.uol.com.br/noticias/Greve-Policia-Militar-Amazonas-concretiza_0_1128487141.html

Minha análise: Mesmo sendo vedada constitucionalmente a greve é um direito de todos os trabalhadores. Precisamos nos unir em todos os Estados da Federação com o objetivo de elegermos uma bancada federal forte para mudarmos esta realidade constitucional. Nós, Policiais militares  do Brasil, precisamos ser respeitados como cidadãos. Nossa luta é no Congresso Nacional. Devemos lutar por uma reforma policial no Brasil. Vamos a luta pelo direito à greve e a sindicalização. Precisamos lutar por cidadania “plena”, por mais que ela seja relativa. A polícia precisa mudar, a polícia está mudando, a polícia vai mudar!

1 comentário

Arquivado em desmilitarização das polícias, Reflexão

Jovem envolvido no assassinato do índio Galdino será policial

O Jornal Correio Braziliense de hoje aborda um tema muito interessante: “Um dos envolvidos no assassinato do índio Galdino, que chocou o país na década de 1990, acaba de ser aprovado na última fase do concurso público para a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). O nome dele aparece na lista do Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB), publicada em 16 de abril. O resultado definitivo, com a análise de conduta social e outros questionamentos, deve ser divulgado na próxima semana. Na época em que Galdino foi queimado em uma parada de ônibus da 703 Sul por cinco jovens de classe média, G.N.A.J. tinha 17 anos e respondeu pelo ato infracional análogo ao crime de homicídio. Especialistas ouvidos pelo Correio divergem quanto à possibilidade de ele atuar como agente de polícia.”

Há época do crime o jovem de classe média ficou “impune”, pois cumpriu uma pequena pena “socioeducativa”. Sempre tenho discutido que a vida tirada por um menor é tão importante quanto a vida tirada por um maior. Sendo assim, por que a diferença entre as penas? Um menor que tira a vida de um ser humano merece a mesma punição do Estado que um adulto.

Ninguém tem o direito de matar

O tema traz outra reflexão: “Passado tanto tempo o assassino de Galdino deve continuar pagando pelo crime cometido, sendo impedido de ingressar em um cargo público?” A polícia tem espaço para assassinos em seus quadros?

A promotora de Justiça aposentada Maria José Miranda esteve à frente da acusação durante a maior parte do processo — só não participou do júri de quatro dos cinco jovens por questões pessoais. Ela considera inadequada a aprovação de G.N.A.J. para os quadros da PCDF. “Não é certo isso. No meu entender, à época, o rapaz ficou impune, pois só cumpriu alguns meses de medida socioeducativa, e isso não foi proporcional à gravidade do crime cometido por ele e os demais. E ele já era uma pessoa que tinha pleno conhecimento do que fazia”, disse. Para Maria José, G. teria dificuldades em se tornar policial. “Ele teria problemas tanto com os colegas quanto com os criminosos. Que moral teria para cumprir a lei se ele mesmo não cumpriu a pena por um ato criminoso praticado? Na minha opinião, legalmente, ele até tem direito de ser policial, mas, moralmente, não”, acrescentou.

Professora de direito penal e constitucional da Universidade Católica de Brasília, Soraia da Rosa Mendes é favorável a que ele tome posse. Ela lembra que qualquer legislação minimamente garantista e moderna assegura a quem cumpriu pena o direito de não passar o resto da vida sendo responsabilizado por um erro pelo qual foi punido. “Pode ser que esse rapaz atue na polícia e construa uma carreira de glória”, compara.

Entendimento
No Superior Tribunal de Justiça (STJ), já existe o entendimento de que os editais de concursos públicos podem exigir a avaliação de conduta social como requisito essencial para aprovação do candidato. Pela Corte, a investigação não se resume a analisar a vida pregressa do candidato quanto às infrações penais que porventura tenha praticado. Mas deve também avaliar a conduta moral e social, visando aferir o comportamento frente aos deveres e às proibições impostos ao ocupante de cargo público da carreira policial.

10277885_753245534715810_5910369631457723206_n

2 Comentários

Arquivado em Concurso

“Presos por tipo de crimes em 2013”

O jornal Correio Braziliense de domingo traz um gráfico com dados interessantes sobre “presos por tipo de crimes em 2013”: 48,5% estão presos por cometerem crimes contra o patrimônio, 26,2% estão presos por causa de entorpecentes, 12,2% por terem cometido crimes contra a pessoa, 5,7% por causa do Estatuto do desarmamento, 4,1% em decorrência de crimes contra os costumes, 3,2% por outros crimes e 0,1% por corrupção ativa e passiva. Retrato do trabalho da polícia ostensiva no Brasil. Quem você acha que prendeu a maioria desses criminosos?

10155033_620613851353629_6220749399708900454_n

Os dados demostram onde está focado o trabalho da PM. Ele está focado em proteger o patrimônio, a vida e para nossa surpresa, em usuários de entorpecente. Ao lembrar das ocorrências que me deparei na rua creio que siga essa ordem. Foram autores de roubos e furtos, usuários e traficantes de drogas e pouquíssimos homicidas. Um reflexo do nosso trabalho nas ruas.

Deixe um comentário

Arquivado em Diversa, Tira dúvidas

Soluções para a segurança pública no DF

O jornal Correio Braziliense de hoje traz uma matéria interessante sobre os “Desafios de uma metrópole”. Temas como transporte, segurança, educação, trânsito, saúde e urbanismo foram abordados. Uma moradora de Ceilândia definiu bem os problemas que angustiam a comunidade na área de segurança: “A falta de pronto atendimento nos postos policiais, o baixo número de profissionais nas ruas e a crescente violência contra a mulher.” O que os candidatos ao próximo governo do DF propõem para amenizar o problema? Precisamos debater o tema com propostas sérias e exequíveis!

mapa dos postos no DF

Sobre os postos comunitários de segurança uma ideia que defendo é dar o “pronto atendimento” no próprio posto, por meio do Termo Circunstanciado. Torná-los MINI DELEGACIAS DE POLÍCIA. Seria uma forma de dar uma resposta, além de tornar o trabalho do policial no posto mais útil e especializado. Uma sugestão é fazer como fizeram no Detran, pagar aos atendentes dos postos a GAP – Gratificação por Atendimento ao Público. Que é paga de acordo com a produtividade dos atendentes. Ou simplesmente DESATIVÁ-LOS de vez. Pelo menos aqueles que não trazem resultados em suas comunidades.

download (4)

Sobre a falta de efetivo nas ruas, uma sugestão é o aumento real de efetivo, passando de 18 mil homens para aproximadamente 23 mil policiais ou até mais, já efetuando o cálculo com previsão de um batalhão para cada cidade. Amenizaria alguns problemas internos e externos: Teríamos mais policiais nas ruas, traria fluidez nas promoções e ainda distribuiríamos melhor o efetivo nas cidades, pois cada cidade teria seu próprio batalhão.

guerra no rio

Sobre a crescente violência contra a mulher, por se tratar de um crime normalmente cometido dentro dos lares, teríamos que desenvolver uma política pública específica para esse fim, além de potencializar as existentes.

6 Comentários

Arquivado em Política

Precisamos construir o projeto de poder!

A política é feita por meio da ocupação de “espaços de poder”. Como dizem: “manda quem tem a caneta”. Se olharmos a primeira turma de oficiais da academia, por exemplo, poderemos entender o que digo: Hoje eles ocupam a chefia da casa militar, o comando geral, a chefia do Estado Maior, Possuem um subsecretario de segurança (SUPROC), possuem um ex-administrador e primeiro suplente de deputado federal, um ex-secretario de ordem pública, o chefe da segurança do governador e o chefe da segurança do vice-governador. Ainda controlam a ASOF. Estou falando somente da primeira turma nos bastidores da política. E as praças, onde estão? Entendeu agora o que é política de bastidores? Como lutar contra tudo isso? Infelizmente, nós praças, somos imaturos politicamente. Não temos esta visão. Não temos um projeto de poder. Eles tem. Eis a diferença. Precisamos construir o projeto de poder!

10168487_639074312826341_426236567_n

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão

Precisamos eleger um deputado em 2014

Nos últimos dias tive algumas conversas sobre as eleições de 2014. Brasília terá um milhão e seiscentos e seis mil eleitores. A PM tem 15 mil eleitores ativos e uns 5 mil inativos (menos de 1% do eleitorado). Se todos votassem em um PM poderiam fazer um Deputado Distrital (20 mil votos) com dificuldades. Mas apenas 20% votam no mesmo candidato (3 mil votos). Teremos uns 100 candidatos na PM. 15 mil PM´s dividido por 100 candidatos dará uma média de 150 votos para cada candidato. Corremos o risco de não fazer ninguém. Precisamos montar uma estratégia. Afinal eleição é: voto + estratégia. Para federal o raciocínio é outro…

10168487_639074312826341_426236567_nSe levarmos em consideração a questão da família, onde cada policial arrumaria três outros votos a coisa começa a mudar e as possibilidades aumentam.  3 (três) mil votos multiplicado por 3 (três) = 9 (nove) mil votos. Teríamos que convencer três mil POLICIAIS a convencer outros três FAMILIARES cada um para atingirmos 09 (nove) mil votos. Quantos conseguem isso? Eis o desafio. Precisamos, dependendo da legenda, de mais de 10 mil votos para eleger um deputado distrital. Algumas legendas necessitam de até 25 mil votos para eleger. Se quanto mais precisar aumentar o quantitativo de votos, mas os POLICIAIS teriam que convencer parentes e amigos. Para atingir 15 (quinze) mil votos, cada POLICIAL teria que convencer mais 05 (cinco) amigos e familiares. E assim por diante…

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão

Um amontoado de relíquias ilustram a história da capital

Local guarda a história de Brasília em fotos, vídeos e mapas, mas não é o espaço ideal para tanta memória

Eric Zambon
eric.zambon@jornaldebrasilia.com.br

É patrimônio histórico da humanidade, as pessoas parecem não dar o devido valor e aparenta estar mal conservado. O acervo histórico da capital é, em todos os aspectos, bastante semelhante a Brasília. Acondicionado em instalações provisórias há 25 anos, o Arquivo Público do DF precisa sofrer mudanças significativas, especialmente de localidade, para preservar aquilo que guarda em seu prédio.

“O espaço físico já está obsoleto, aquém da capacidade de armazenamento. Precisamos de espaço para abrir uma planta ou trabalhar em uma foto”, admite o coordenador do arquivo histórico, Wilson Vieira Jr. Ele gere toda a documentação acondicionada nos cerca de mil m² e supervisiona os gerentes de cada sessão.

“É um acervo volumoso. Se colocarmos todas as caixas que temos, uma atrás da outra, teríamos um quilômetro de extensão”, explica Wilson. “A situação é emergencial. Se não mudarmos deste espaço atual, teremos poucas possibilidades de continuar conservando o acervo”, reivindica o pesquisador do Arquivo Público.

Inadequado

Atarracado dentro do terreno onde está a sede da Nova Companhia da Capital (Novacap), na Epia, próximo ao Park Shopping, o lugar é considerado inadequado até por quem trabalha lá. O espaço foi criado em 1985 e mudou de local apenas uma vez antes de chegar à atual localização. O prédio não consegue mais comportar adequadamente os documentos que deveria resguardar, onde está a história de Brasília.

“Os arquivos estão bem acondicionados, mas o prédio que não é o ideal”, apazigua o superintendente do Arquivo Público, Gustavo Chauvet. Segundo ele, a expectativa é que o órgão tenha uma nova sede até maio deste ano, quando deve se mudar para perto do Palácio do Buriti, em uma espaço cinco vezes maior que o atual.

Mudança

“Temos 20 mil caixas com quase seis milhões de documentos. Alguns mapas precisam ficar enrolados, pois não podem ser guardados abertos e isso não é o ideal”, admite o superintendente.

Entre outros problemas do local, também foi citada a variação de temperatura a que os arquivos estão sujeitos e a luminosidade. “Quando está calor, esquenta muito. Quando está frio, fica muito gelado. Isso não é nada bom para os documentos”, revela o superintendente Gustavo Chauvet.

Processo para democratizar o acesso

Vinculado à Casa Civil do DF, o Arquivo Público dispõe de orçamento aproximado de R$ 3 milhões desde 2011. O valor, no entanto, serve quase todo para arcar com as despesas de pessoal, o que atravanca processos de modernização e implementação de novas soluções de organização para o local.

Desde novembro do ano passado, porém, o acervo começou a ser digitalizado para estar disponível pela internet. Em parceria com a  Associação de Centro de Treinamento de Educação Física Especial (Cetefe), os documentos estão, pouco a pouco, saindo exclusivamente do papel desgastado para integrar bancos de dados virtuais.

“Se uma pessoa que estuda na Paraíba quisesse pesquisar uma coisa aqui, teria de viajar  para cá. Digitalizando, você democratiza o acesso”, elogia o estudante de História da Universidade de Brasília (UnB).

Falta de vontade em melhorar

Para o estudante de História Renato Ventocilla, “tendo acesso ao passado e à produção científica, você tem maior visibilidade sobre o que já aconteceu e maior possibilidade de saber como agir hoje”, explica. Para ele, no entanto, o estado de conservação do material é um dos grandes aspectos negativos atuais. “Quando fui fazer pesquisa, tinha arquivo na escada porque não tinham onde ficar. Tem bastante poeira também, e eu sei que é chato dizer isso, mas é muito fácil para alguém ir lá e simplesmente roubar um documento”, reclama. Ele diz ver progresso na modernização de todo o acervo, mas classifica o atual sistema de pesquisa e catalogação como “arcaico” e pondera sobre as responsabilidades tanto do governo quanto dos cidadãos.

“O governo tem várias alternativas de política e precisa colocar prioridades. Se não houver demanda, se as pessoas não procurarem o Arquivo, o governo não vai ter o estímulo para investir”, acredita.

Memória íntima

O professor universitário e cineasta Marcelo Faria, 43 anos, valoriza o acervo à disposição, assim como Renato, mas credita maior responsabilidade pela situação atual à política. “Incomoda-me saber que as pessoas que trabalham lá acreditam no trabalho, mas parece que o Poder Público não dá as condições ideais”, lamenta.

Para ele, haver demanda ou não pelas informações ali contidas não deveria ser o essencial para garantir investimentos. “A importância do arquivo não está na quantidade de pessoas que acessam os dados, mas na qualidade do que lá está”, acredita. “A conservação da memória está atrelada à cultura. E em país de terceiro mundo, ela está sempre em segundo plano. Com certeza isso faz com que esse acervo não seja levado tão a sério”, argumenta.

Como profissional de cinema, Marcelo Faria costuma usar o serviço digital do Arquivo Público para conseguir fotos antigas e geralmente se encanta mesmo com o que não está diretamente relacionado às suas tarefas. “O interessante lá é que tem muita raridade. Vi a primeira imagem de Brasília, e nem fazia parte da minha pesquisa, mas pedi para copiarem para mim. A gente olha aquilo e nem acredita no caos que vivemos hoje em dia”, relembra-se.

Casa de ferreiro…

Reunir os arquivos também é desafiador para o órgão. De acordo com Chauvet, pouquíssimos órgãos do GDF entendem a importância de repassar ao Arquivo Público do DF os documentos com potencial histórico ou relevantes.

Leia mais na edição digital. Clique aqui e leia esta e outras notícias da versão impressa do JBr.

Fonte: Da redação do Jornal de Brasília

Deixe um comentário

Arquivado em Diversa

Somos mais policiais que militares! É hora de avançar!

Vendo algumas reportagens da prisão do Vereador Prisco na Bahia, não poderia deixar de me solidarizar com os irmãos de farda baianos! Ao companheiro Prisco nossa energia positiva! Estão repassando aos policiais militares do país a responsabilidade pela falência da segurança pública no Brasil. O modelo faliu. É preciso repensá-lo!

A prisão dele sim é uma prisão política, assim como a prisão dos companheiros policiais no DF. Precisamos discutir no Congresso Nacional o por quê policiais civis, federais e profissionais da segurança privada tem direito a greve e a sindicalização e nós policiais militares NÃO. Somos mais policiais que militares! É hora de avançar!

Da mesma forma que não podemos deixar a população refém de nossas reivindicações, também não podemos nos tornar reféns dos governos, que continuam utilizando-se de leis do auge da ditadura para coibir e prender trabalhadores que lutam por melhorias em suas condições de trabalho. Queremos ser uma polícia de ESTADO, não uma polícia de GOVERNO!

10168487_639074312826341_426236567_n

NOTA PÚBLICA O SINDICATO DOS POLICIAIS FEDERAIS NO ESTADO DA BAHIA – SINDIPOL/BA, vem através da presente nota: 1 – Esclarecer à sociedade baiana que o cumprimento do Mandado de Prisão foi realizado pela Polícia Federal na tarde de hoje, 18/04/2014, na capital baiana por equipe de policiais de Brasília/DF, por expressa determinação judicial emanada da Justiça Federal, acolhendo representação do Ministério Público Federal, pelo que descabe, em princípio, qualquer discussão acerca de seu cumprimento; 2 – Deixar clara a discordância deste sindicato para com a falta de sensibilidade política para cumprimento de citada ordem nesta data, pois além de estarmos em pleno feriado santo, vivemos uma instabilidade institucional da sociedade baiana face aos últimos acontecimentos, apenas agravando ainda mais a insegurança e oportunizando uma retaliação de maneira generalizada; 3 – Cumpre a esta instituição ressaltar que há indícios severos de estar ocorrendo um processo de judicialização de uma questão política, conduzido de forma débil, e que não pode redundar em confronto ou hostilidades entre forças policiais. Tal esquema remete a temerárias conclusões acerca do processo de utilização para fins políticos inconfessáveis da classe trabalhadora policial como um todo. É dizer: Não se quer resolver os GRAVES problemas das categorias policiais ou da segurança pública em profundidade: antes, se quer fazer de um movimento legítimo de policiais ganhar a conotação político-eleitoreira, mormente quando se utiliza do processo de desmoralização pública de suas efetivas lideranças. Esse sindicato não fechará os olhos para tais desvios, nem tampouco se manterá silente ao cinismo e perversão com que são tratadas as questões atinentes à segurança pública da Bahia e do Brasil; 4 – Reafirmar aqui a necessidade URGENTE de desmilitarização de todas as forças policiais militares estaduais que atuam no tecido social brasileiro. Não é aceitável que demandas de cunho essencialmente trabalhistas estejam elevadas ao patamar de insurgência à segurança nacional, com escólio em um diploma legal genérico, com tipos penais idem, e que podem muito bem ser manipulados por atores políticos no poder ao sabor de interesses os mais diversos, inclusive os espúrios. 5 – Por fim, afirmando o reconhecimento da total legitimidade do pleito dos colegas policias militares, conclamar as atores sociais envolvidos para que se pautem pela prudência e responsabilidade na resolução de tão grave questão. Com menos mídia e palanque, com mais parcimônia. Do contrário, resta cabal a responsabilidade de todos aqueles que, acostumadas a decidir sobre problemas reais com a simples caneta em seus escritórios fechados e climatizados, estarão também com suas mãos ensanguentadas com o jorro de sangue do crescente número de vítimas que estão com suas vidas ceifadas em decorrência dessa tragédia.

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão

Casa de ex-secretário de Segurança do DF é assaltada

Um carro, dinheiro e alianças de ouro foram levados durante o assalto

A casa do ex-secretário de Segurança do Distrito Federal, Sandro Avelar, foi assaltada nesta sexta-feira (18). No momento do crime, Avelar a esposa e a filha estavam na residência, que fica no Lago Sul (DF). Foram levados cerca de R$ 6 mil, um par de alianças e o carro da filha do ex-secretário.

O caso é investigado pela 12ª Delegacia de Polícia. Imagens do circuito interno de segurança da casa vão ajudar na identificação dos suspeitos, que ainda não foram localizados.

Fonte: noticias.r7.com/distrito-federal/casa-de-ex-secretario-de-seguranca-do-df-e-assaltada-18042014+&cd=2&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br

3 Comentários

Arquivado em Diversa