Arquivo do mês: maio 2009

Ponto de bloqueio (blitz)!

Peço perdão aos leitores pelo longo período ausente.  Devido a  grande quantidade de trabalho não tive tempo para escrever.

No último final de semana estive em um evento  e algumas idéias estão surgindo.  Já estava escrevendo dando ênfase a administração, mas creio que escreverei mais, pois tenho percebido uma grande semelhança entre a gestão contemporânea voltada ao cidadão e o policiamento comunitário.

Aprendi muito durante a palestra do consultor EDUARDO FERRAZ e do médico americano PATCH ADAMS.

O primeiro discorreu sobre a GESTÃO DE PESSOAS COM FOCO EM RESULTADO e o outro sobre RESPONSABILIDADE FISCAL, QUEBRA DE TABUS E PARADIGAMAS EM INSTITUIÇÕES CONSERVADORAS e COMO HUMANIZAR O COMPORTAMENTO HUMANO.

Particularmente me senti em uma verdadeira aula sobre policiamento comunitário!

No dia seguinte (ontem), fui trabalhar em apoio ao Comando de Policiamento (CP) e percebi alguns fundamentos da administração sendo utilizados. Percebemos claramente que houve um planejamento, pois o major nos instruiu sobre o serviço e entregou uma pasta contendo o nº do PCTRAN e vários “croquis”, sendo um com foto àerea do local. Ainda fiquei impressionado com a preocupação em colocar no desenho a quantidade de cones e a forma que a barreira deveria ser distribuída no terreno e funcionar. Um grande avanço!

Só fiquei com uma dúvida após esse serviço:

QUANTOS POLICIAIS SÃO NECESSÁRIOS PARA UM PONTO DE BLOQUEIO?

Segundo o que aprendi no meu curso de formação é necessário um segurança na frente da barreira, outro no final, um prancheta, um selecionador e dois policiais para abordagem do veículo (mínimo), além de uma viatura para apoio, que nesse caso não irei considerar!

Ontem para minha surpresa e demais colegas, depois de todo esse planejamento fomos colocados em um ponto de bloqueio sem viatura e somente com quatro policiais! Foram distribuídos em média 45 policiais em 10 pontos. Creio que se tivessem reduzido os pontos e acrescentado dois policiais em cada equipe o serviço seria mais proveitoso, sem falar que próximo a Ponte do Bragueto (em frente ao Lago Norte), após uma hora da manhã ficou aproximadamente quarenta minutos sem passar um veículo!

Estou escrevendo tudo isso para exercitar meu aprendizado após a palestra do Eduardo Ferraz. Descobri um novo conceito: PRATICA DELIBERADA!

A prática deliberada consiste em FAZER, AVALIAR E REPETIR!

Quando se faz isso repetidamente temos um melhor desempenho, mas quando fazemos isso EXAUSTIVAMENTE atingimos a EXCELÊNCIA!

Espero que os comandantes de equipe possam ter ressaltado esses pontos em seus relatórios para que eles possam ser aprimorados!

Mesmo diante desses fatos, parabéns ao CP pela iniciativa, foi extremamente positiva para o melhor desempenho de nossas funções! É um passo importante para atingirmos a tão sonhada EXCELÊNCIA!

4 Comentários

Arquivado em Aderivaldo, polícia militar, policiamento inteligente, reestruturação das polícias

Revista polícia em foco!

Fiquei feliz ao conversar com a Jornalista Vânia Ferreira e saber que a REVISTA POLICIA EM FOCO  utilizou a foto do BLOG POLICIAMENTO INTELIGENTE em sua reportagem sobre a blogosfera policial. Em breve comentarei a matéria! Muito obrigado pela consideração!

Lançamento de mais uma edição da revista Polícia Foco 15/05/2009 16:24:52 Vânia Ferreira              

A ASOF lançou, esta semana, mais uma edição da revista Polícia Foco. A matéria de capa é o tema mais discutido atualmente: PMDF é nível superior: pela primeira vez em 200 anos, concurso público para ingresso na corporação exige grau de escolaridade. Além disso, a revista aborda temas como:

 – Missão de paz

– Desrespeito à vida humano, no trânsito do DF

– 2ª seção da PMDF: competência e eficácia. Em resposta ao Sinpol/DF

– Planos de Carreiras nas mãos de Lula

– O cenário do crime no Distrito Federal

– Policiamento Orientado ao Problema

– Administração regional agora é cargo de interesse da segurança pública

– Invasões causam efeitos na segurança pública

– Game de lutas sem violência. No mundo Virtual

– Perfil: O coração e arma na mão de um policial poeta

– Vozes desaquarteladas: blogosfera policial cresce rápido e vira objeto de pesquisa para UNESCO

– e outros …

 

Polícia em Foco conta também com diversos artigos sobre segurança pública, Direitos humanos e tecnologia da informação.

 Associados da ASOF receberão em casa um exemplar da revista. Em breve colocaremos no site uma versão online para que todos os policiais militares possam acessar.

Fonte: http://www.asofpmdf.com.br/?class=pagina&tpl=noticia&id_tipo=1&id_noticia=291

1 comentário

Arquivado em policiamento inteligente

Administração pública voltada ao cidadão!

Ao ler o manual de gestão  pública contemporânea,  do professor (UNB) José Matias Pereira, percebi algo interessantíssimo para nós policiais militares e o policiamento comunitário.

Nesse livro ele cita COUTINHO (2001) e apresenta alguns aspectos relevantes para ajudar a orientar futuros processos de mudança, com base na literatura e experiências internacionais. Achei importante compartilhar alguns dos 15 principais passos para uma organização que deseja implantar um programa de administração pública voltado ao cidadão, o que se assemelha muito ao policiamento inteligente proposto por Bayley, que tem por objetivo a aplicação da filosofia de policiamento comunitário, buscando a eficiência e eficácia na prestação do serviço com base na comunidade!

1) Incentivar a formação de uma cultura administrativa centrada no cidadão.

2) Promover mais liberdade de escolha aos cidadãos, aumentando as opções de serviços.

3) Buscar apoio e sustentação política no Congresso, na Presidência, nos Ministérios ou nas Secretarias.

4) Dispor de lideranças, formais ou informais, em todos os níveis, tanto nas altas gerências administrativas quanto dentro das organizações.

5) Planejar cautelosamente o novo programa de serviço, no curto, médio e longo prazo, e realizar um projeto piloto para experiência e eventuais ajustes.

6) Consultar stakeholders, isto é, indivíduos ou grupos que tenham interesse no desempenho do sistema ou organização.

7) Investir no treinamento de pessoal e no capital tecnológico e logístico da organização.

8) Criar parcerias baseadas na unificação de objetivos, igualdade de influência sobre decisões, divisão equânime do reconhecimento pelo trabalho desenvolvido e nivelamento das políticas de recursos humanos.

9) Compartilhar informações sobre requerimentos tecnológicos e equipamentos de comunicação entre parceiros.

10) Divulgar e explicar as inovações planejadas, esclarecendo exaustivamente como os cidadãos pode utilizar o novo serviço e contribuir para o seu aperfeiçoamento.

11) Medir a satisfação e percepções dos cidadãos, promovendo feedbacks por meio de maior variedade de instrumentos de consulta, e tendo alguém formalmente responsável e treinado em metodologia de pesquisa.

12) Monitorar constantemente a implementação do projeto, fazendo os ajustes necessários.

13)  Comunicar os resultados obtidos à sociedade, às organizações e a outros departamentos do governo.

Utilizei grande parte desses passos para escrever meu livro e o blog policiamento inteligente e tenho percebido que funciona!

Um dos primeiros passos foi entregar exemplares do livros as autoridades competentes para que providências sejam tomadas, caso queiram!

Tive o prazer de entregar na mão do ex-comandante-geral, vários oficiais da PMDF, deputados e membros da SENASP. Creio que cumpri com meu papel de cidadão!

Graças a Deus já tenho visto bons resultados!

Deixe um comentário

Arquivado em polícia comunitária, polícia militar, policiamento comunitário, policiamento inteligente

Cartilha sobre os postos policiais!

Muito boa a iniciativa da PMDF em produzir uma cartilha sobre os postos comunitários de segurança.

Fiz essa proposta em minha monografia. Seria interessante descobrir uma forma eficiente para distribuí-la!

Parabéns pela iniciativa!

Posto Comunitário
de
Segurança
a segurança é maior!
Quando a Polícia Militar está por perto,
Serão 300 postos em todo o Distrito
Federal, distribuídos de forma que cada um atenda
a duas mil famílias.
Cada posto terá 16 policiais militares, que
se revezarão em escalas de serviço e utilizarão
para o patrulhamento uma viatura e duas
motocicletas.
A instalação dos postos vai priorizar os
locais com alto índice de criminalidade, próximo às
escolas e as futuras Vilas Olímpicas,
proporcionando segurança, conservando a ordem
e assegurando o bem estar da comunidade.
Com os postos comunitários de Segurança,
a sua vida e a da sua família vão
ficar muito mais seguras
e tranqüilas.
A polícia Militar dispõe de outras cartilhas
educativas/preventivas.
Comunicação Social – 3445 2363
http://www.pmdf.df.gov.br
190
 
 
O que é o
policiamento comunitário?
Os Postos Comunitários de Segurança fazem
parte da filosofia do policiamento comunitário, que agrega
uma nova visão estratégica e operacional às ações de
policiamento. Nesse novo paradigma, o policial atua em
conjunto com a comunidade na identificação de seus
problemas e na busca por soluções. Essa convivência
harmoniosa integra ao processo decisório das políticas de
segurança pública os desígnios da comunidade.
A filosofia do policiamento comunitário orienta a
formulação de diretrizes, diferente de ser uma modalidade
de policiamento. Assim, não apenas os policiais dos PCS
são agentes comunitários. O que os caracteriza não é o
PCS, mas a doutrina que os orienta.
O que são os PCS?
Os Postos Comunitários de Segurança fazem
parte da política de segurança pública do Distrito Federal
que promove a aproximação dos policiais com a
comunidade. Os postos são equipados com viaturas,
motocicletas, computador e rádios transceptores. Eles
estão aptos a receberem comunicados de crimes,
apoiarem em ocorrências, além de orientações gerais.
Os Postos Comunitários de Segurança são
referenciais para que a comunidade os busque em
situações de risco.
Orientações:
Os Postos Comunitários de Segurança funcionam
diuturnamente, todos os dias da semana;
Procure conhecer os policiais do PCS próximo a sua
casa, eles são a alternativa de segurança mais
rápida;
Cada PCS possui um número de telefone, procure
saber o do PCS mais próximo de sua casa. Caso não
saiba, utilize o 190.
A localidade de instalação:
A escolha dos locais para a instalação dos postos
foi baseada em uma pesquisa que apontou as regiões onde
ocorre o maior número de crimes.
A distribuição de Postos Policiais por áreas,
agrupando cidades satélites, foi feita de forma criteriosa,
baseando-se em informações dos comandantes de
unidades policiais em cada satélite, dos administradores
regionais dessas cidades e de associações e lideranças
comunitárias de cada região.
Os resultados esperados:
A idéia é que haja a participação da comunidade
nas formulações, implementações e avaliações das políticas
de segurança pública e estratégias de policiamento,
através da efetiva implantação da filosofia do programa
de policiamento comunitário.
A instalação de cada Posto Comunitário de
Segurança torna-se um instrumento avançado entre o
relacionamento da Polícia Militar e comunidade na
redução dos índices de criminalidade, no aumento da
confiança dos serviços prestados, maior eficácia nas
ações e adoção de estilo de gerenciamento participativo.
As instalações dos Postos
Comunitários de Segurança:
A estrutura de todos os Postos Comunitário de
Segurança é pré-moldada, feita de aço e fibra de vidro. O
material dispensa manutenção, pois não sofre danos com
a ação do sol e das chuvas.
As unidades contam também com uma torre de
oito metros de altura para fazer patrulhamento visual.
A Polícia Militar está viabilizando a instalação de
equipamentos de informática para todos os postos. A
idéia é que todas as unidades disponham de rádios
transmissores, telefones, equipamentos para controle de
trânsito, visores noturnos, binóculos, palm tops,
computadores, televisores, entre outros.
Vários projetos de aquisição dos referidos
equipamentos já estão em andamento.
Fonte: http://www.pmdf.df.gov.br/pdf/dicasSeguranca/pcs.pdf

2 Comentários

Arquivado em polícia comunitária, policiamento comunitário

200 anos da PMRJ!

Aqui no DF falamos tanto nos 200 anos da PMDF que esquecemos da polícia que realmente tem essa idade!

A PMRJ é quem realmente merece o título de bicentenária, sendo nossa bisavó também merecia o maior reconhecimento de nossa parte. Pelo menos uma ONG lembrou daqueles que tombaram no cumprimento do dever.

Lendo o blog abordagem policial também resolvi fazer uma homenagem a esses homens!

Homenagem aos policiais mortos!

Homenagem aos policiais mortos!

1 comentário

Arquivado em Aderivaldo, polícia militar

De volta às origens!!

Ao ler o  jornal de hoje tive algumas surpresas, desde denúncias contra oficiais superiores até o redirecionamento do policiamento.

A primeira questão prefiro não comentar, mas quem quiser saber mais pode entrar no link no final do post, já a segunda merece um comentário, pois tratei  dessas “idas e vindas de estratégias” em meu livro…

Falta-nos planejamento, agimos de acordo com as cobranças!

Já tivemos Rocans, Postos, Dupla Cosme e Damião, Tolerância Zero, Postos, Cosme Damião, Investimento pesado em viaturas, postos e agora Cosme e Damião novamente! Planejamento a curto, médio e longo prazo que é bom nada!!

Polícia Militar aposta novamente na dupla Cosme e Damião

Ação de bandidos a cada dois dias nas comerciais das asas Sul e Norte leva PM a reformular estratégia e anunciar a utilização de 50 duplas de ronda na região. Outras 10 vão atuar na área central do Plano Piloto
Gustavo Gulart
Publicação: 14/05/2009 07:50     Atualização: 13/05/2009 23:15

 

Dois assaltos na madrugada em uma mesma loja, ataques à mão armada e sensação de insegurança. Os comerciantes do Plano Piloto reclamam da ousadia, da facilidade e da frequência com que sofrem roubos e furtos nas asas Sul e Norte. A média de abordagens violentas alcançou em 2008 um caso a cada dois dias na região. Houve 187 roubos e aumento de 41,6% em relação ao ano anterior. Os números colocam o crime como um dos principais desafios das autoridades policiais em 2009. Por conta disso, a Polícia Militar mudará o plano de combate e promoverá a volta da dupla Cosme e Damião.

As queixas dos empresários brasilienses fizeram com que a corporação reformulasse a estratégia de policiamento em Brasília. Haverá, assim, o reforço de 120 policiais para a região central. São 50 duplas, divididas entre as asas Sul e Norte. Outras 10 atuarão no Setor Comercial Sul e no Setor Comercial Norte. “Detectamos a necessidade de reforçar a segurança na área do Plano. Optamos, então, em voltar com as duplas”, afirmou o chefe da comunicação social da PM, tenente-coronel Carlos Alberto Teixeira Pinto.

A presença das duplas fixas de policiais militares nas quadras residenciais e comerciais será retomada pelo Governo do Distrito Federal (GDF) depois de três anos. Em 2006, o policiamento afastou os ladrões de carros e de casas do Plano Piloto. Também diminuíram, na época, os números de roubos a postos de gasolina, de latrocínios (roubo seguido de morte) e de assassinatos no Plano Piloto, a partir da comparação com os dados de 2005. O Cosme e Damião ainda fez sucesso em 2000, quando se apostou no policiamento a pé e em pares.

A novidade passa por avaliação e aprimoramento há cerca de 15 dias nas ruas de Brasília. Desta vez, as duplas de policiais também cumprirão missão especial logo nas primeiras semanas de serviço. Fará parte da função, por exemplo, firmar contato com os comerciantes e dar dicas de segurança. “Os policiais vão rodar todas as comerciais para dar conselhos úteis aos donos de comércios. Em alguns casos, eles cometem falhas de segurança que atraem a bandidagem”, disse o tenente-coronel Teixeira.

Assalto filmado
Por enquanto, donos de padarias, farmácias, restaurantes, bares, butiques denunciam a deficiência do policiamento ostensivo no Plano Piloto. Os empresários atribuem os constantes casos ocorridos neste ano ao sumiço dos policiais militares das ruas. “Os PMs não circulam mais. Ficam nos postos (comunitários de segurança) e dizem que não podem sair porque precisam proteger o local. Nós é que deveríamos ser protegidos”, afirmou o administrador da comercial da 109 Sul, mais conhecida como Rua das Elétricas, Ari Lacerda.

A quadra registrou três arrombamentos nos últimos 45 dias. É a mesma onde os comerciantes se uniram para pagar R$ 6 mil por mês a uma empresa de segurança. Dois vigilantes se alternaram todos os dias, das 19h às 7h. Mesmo assim, o serviço não serviu para inibir a ação de três bandidos flagrados pelo circuito interno de TV de uma das elétricas. O prejuízo ficou em R$ 12 mil por conta da perda de dois computadores completos e da quebra da vitrine. O dono, Moacir Fernandes, está revoltado. “Trabalho agora bem mais estressado. Nem durmo direito de preocupação”, contou.

Os detalhes do crime praticado em 13 de abril aparecem nas imagens feitas pelas câmeras da loja. As gravações revelam dois bandidos que usam a tampa de um bueiro para arrebentar o vidro da vitrine e invadir a loja. Mostram-se apressados e interessados em equipamentos de informática. Nem se importam com a integridade dos aparelhos. Arrancam os fios com puxões e somem na madrugada. O local permanece vazio por cerca de 30 minutos, apesar do estrago na fachada e o alarme a disparar. Até que um terceiro assaltante, sem ligação com os outros dois, surge na cena e leva mais um computador.

Diante dessa conjuntura, a aposta do governo é que as duplas Cosme e Damião façam parcerias com os profissionais lotados nos postos comunitários de segurança, à despeito da descrença de parte dos comerciantes na eficiência dessas unidades.

“Cada posto tem uma área de ação e conta com pelo menos um carro para circular, mas eles exigem a permanência de dois homens fixos para atender a comunidade e servir de apoio”, justificou o tenente-coronel Carlos Alberto Teixeira Pinto. O governo local prevê a construção de 300 postos até 2010. Pelo menos 80 foram inaugurados.

2 Comentários

Arquivado em polícia comunitária, polícia militar, policiamento comunitário, policiamento inteligente

Livro policiamento inteligente!

Recentemente entreguei minha monografia no Departamento de Sociologia da UNB, cujo título foi: Policiamento comunitário no DF: uma análise dos postos comunitários de segurança pública.

Considero o trabalho bom, mas poderia ter sido melhor, mas problemas pessoais me impediram de visitar mais postos, mas creio que o blog supriu uma parte desse problema.

Acredito que a mudança cultural dentro da PMDF é que será a responsável pela revolução interna que necessitamos!

Acreditando nessa mudança resolvi investir tudo que tenho na produção de um livro independente (sem editora), percebi que sou um sonhador e que tenho que pagar um preço por aquilo que eu acredito. Estou contando com a boa vontade dos amigos leitores do Blog e dos blogueiros de carteirinha para divulgar esse trabalho.

Inicialmente fiz mil cópias e necessito de 100 amigos que possam vender 10 livros cada um, para eu obter meu objetivo e pagar os custos. Além disso, tenho um compromisso com Deus de que cada livro que for vendido 1 real irá para o grupo de evangelismo Centuriões da Fé, o qual participo, uma forma que achei de reinvestir na polícia de uma forma diferente, além do conhecimento produzido no livro. Conto com quem quizer me ajudar! O livro irá custar o mínimo que pude fazer: 10 reais!

O trabalho teve como objetivo analisar os postos comunitários de segurança pública, uma das ações de policiamento comunitário no Distrito Federal. Para investigar o tema foi utilizado como ponto de partida as experiências citadas no livro de Bayley e Skolnick (2006) e uma pesquisa de campo com uma abordagem qualitativa. A pesquisa foi realizada em diversas cidades do DF, onde foram ouvidos policiais militares que atuam nos postos comunitários. O instrumento utilizado foi a entrevista semi-estruturada que buscou conhecer a opinião dos participantes sobre os seguintes temas: policiamento comunitário, estrutura dos postos e possíveis obstáculos no policiamento. Para os policiais, o policiamento comunitário se confunde com suas ações. Os postos são vistos em sua maioria como lugar de permanência e não de referência, o que dificulta o atendimento das ocorrências próximas aos postos e fere princípios básicos dessa filosofia.

Capa do livro

Capa do livro

Criei também uma logo que identificará o policiamento inteligente, uma forma de divulgar o blog e o livro!

Nova marca do policiamento inteligente

Nova marca do policiamento inteligente

 A produção do conhecimento dentro da corporação é de suma importância para analisarmos nossos erros e acertos!

Espero que mais colegas façam o mesmo!

Obs: Tive a oportunidade e já foi entregue uma cópia ao CMT GERAL da corporação para que ele avalie nossos erros no que se refere aos postos e possa corrigí-los!

16 Comentários

Arquivado em Aderivaldo, polícia comunitária, polícia militar, policiamento comunitário, policiamento inteligente, reestruturação das polícias

Como nos tornarmos iguais a civil e a federal?

Percebe-se claramente durante as conversas entre os colegas um desejo de UNIFICAÇÃO das polícias,  mas ele ainda não é claro, como já citado em outrora.

Falta-nos uma visão de que o importante é a unificação de normas, procedimentos, bancos de dados e das ações quando possível.

Ultimamente em conversa com um capitão percebi que a unificação de procedimentos vai além dos da área policial, é necessário também unificar os procedimentos administrativos…

O maior passo nesse sentido seria “copiar” as duas instituições policiais que se sobressaem em todo país no que se refere a TERCEIRIZAÇÃO DE SUAS “GUARDAS”…

Ao entrar nas dependências da POLÍCIA FEDERAL e POLÍCIA CIVIL não vejo policiais “puxando guarda”, mas VIGIAS TERCEIRIZADOS…

Ao terceirizar esse serviço estaremos reduzindo custos e demonstrando eficiência administrativa,  pois é um ônus muito alto para o estado ter um “guarda” recebendo o valor que pagaria no mínimo três!

Quantos policiais trabalham nas guardas atualmente?

Creio que o suficiente para se criar no mínimo um novo batalhão!

O fim da guarda nos quartéis resolveria no mínimo dois problemas, um deles com certeza é a falta de efetivo!

Um policiamento inteligente busca a eficiência e a eficácia de suas ações, aí também está inserida a parte administrativa!

SE LÁ FUNCIONA POR QUE NÃO FUNCIONARIA AQUI?

“Se você não procura a perfeição, você nunca alcançará excelência.” (Don Shula)

1 comentário

Arquivado em polícia militar, reestruturação das polícias

Nota de falecimento…mais um amigo!

Hoje ao entrar no site da PMDF tive a triste notícia:

11/5/2009 15:01:00

É com pesar que a Polícia Militar do Distrito Federal informa o falecimento do soldado Marcos Vinícius de Castro Paula, mat. 19.891/9, lotado no Batalhão de Trânsito (BPTran). O policial estava internado em coma desde o dia 03 de maio, depois de ter sido atingido por um tiro ao tentar deter, em Santa Maria, um torcedor após o jogo Flamengo e Botafogo.

O sepultamento está marcado para as 18 horas no Cemitério de Taguatinga.

Há nove anos tive a oportunidade de trabalhar com o SD Vinícius no 3º BPM. Fui escalante na segunda companhia por dois anos, por isso não poderia esquecer essa matrícula, mas principalmente esse policial.

O Vinícius sempre chegava sorrindo, fazendo piada de tudo…

Recentemente o encontrei aqui na DP…

Que Deus possa confortar a família e aliviar a dor por perder alguém tão especial…

Ao entrar na instituição aprendi na “semana zero” que todo dia era o último dia de nossas vidas, MAS ATÉ HOJE NÃO ME ACOSTUMEI AO VER OS AMIGOS TOMBAREM..

Fica a minha homenagem a esse guerreiro policial!

Que Deus possa nos proteger a cada dia, adiando sempre a nossa hora de partir…

4 Comentários

Arquivado em Diversa

Tomo banho de chuva…

Os leitores podem estar confusos tentando entender o título. Nesse momento estou em minha seção vendo a chuva caindo lá fora e alguns policiais correndo na chuva.

Nesse momento lembrei-me de algumas palavras de incentivo durante o meu curso de formação, quando chovia e pensávamos em correr ou pegar o guarda-chuva:

“Aluno, seu animal, o militar é superior ao tempo…”

Ao meu lado uma policial que também já viveu essa experiência. Discutimos sobre algumas questões relacionadas a chuva, principalmente o porquê de não podermos utilizar guarda-chuva durante os deslocamentos…

Retornando a conversa…

Existe alguma previsão legal para não se usar o guarda-chuva durante os deslocamentos?

O que isso atrapalha o policial militar?

Percebo vários policiais DURANTE O DESLOCAMENTO PARA CASA se escondendo da chuva ou simplesmente se  molhando “sem necessidade”!

Seria uma boa ocasião, após duzentos anos de instituição, discutirmos esse assunto!!

Parece banal a discussão, mas é um dos dilemas dentro do militarismo…

1 comentário

Arquivado em Diversa