20,45% dos coronéis da PMDF estão fora da PM

Sempre afirmei neste espaço que “política se faz com ocupação de espaços de poder” e que “a política e a polícia andam de mãos dadas”. Até 1988 somente os oficiais faziam política nas forças militares, afinal somente depois da Constituição Cidadã é que as praças da PMDF começaram a votar. E se olharmos os números até hoje somente eles continuam fazendo política. Em alguns momentos, nós praças, somos apenas utilizados como “massa” de manobra. Ficamos com as “migalhas” da mesa de faraó, em “subfunções” cuidando da casa e da família dos governantes.

Não é atoa que a residência oficial de Águas Claras ainda se assemelha bastante a “Casa Grande” dos senhores de Engenho. E os policiais militares com os escravos que serviam a estes senhores.

Lembro-me que ao chegar na PM, eu vinha de uma militância política. A primeira coisa que me disseram era que “militar não se envolve com isso”, mas ao ver a primeira campanha eleitoral, percebi que somente uma pequena parcela era beneficiada pelo “sistema” e que logo tinha um pequeno grupo “colando” nos candidatos a governador e influenciando o sistema.

Quadro de oficiais

Atualmente a PMDF possui 862 oficiais que podem trabalhar diretamente com a atividade fim da corporação e 12.317 praças. A lei limita as agregações de policiais militares em 5% (cinco por cento). O que em minha opinião, deveria ser baseado em cada posto e por cada graduação, Conforme questionamento em decisões do TCDF sobre agregações: Decisões TCDF – DECRETO 3014.

Já temos a “reserva de mercado” no monopólio das gratificações dos coronéis, que diga-se de passagem, estas gratificações são de livre nomeação e de livre exoneração, afinal, são cargos de confiança, como ocorre em qualquer outro órgão do DF. E quero deixar claro que não sou contra tais gratificações. Sou a favor que elas sejam estendidas as praças na mesma proporção, assim como ocorre com delegados e agentes da PCDF.

Efetivo de oficiais fora da PM

Pouca gente percebe que as agregações estão diretamente ligadas a vagas para as promoções, conforme também já fora questionado pelo TCDF, em “empoderamento” político, pois agrega capital político, capital financeiro e capital social as várias graduações e aos policiais militares como um todo.

Atualmente, ocupar vaga em outro órgão funciona como “moeda de troca” em certas situações.Por isso os espaços na Secretaria de segurança e na Casa Militar são tão cobiçados, em especial por oficiais superiores. As políticas públicas muitas vezes não são implementadas porque a cultura do “cabide de emprego” e das “trocas de favores”, típicas do sistema patrimonialistas, comuns na “velha política” são alimentadas por governadores, policiais e parlamentares.

Enquanto o limite legal de 5% (cinco por cento), vale para as praças, para os oficiais não vemos o mesmo “rigor”. Temos 20,46% de coronéis fora das funções da PM e um total final de 14,97% (quatorze, noventa e sete por cento) de oficiais fora da PM, enquanto as praças estão limitadas a 4% (quatro por cento).

Efetivo de praças fora da PM

Temos lutado por equiparação salarial com a Polícia Civil, mas também temos diferenças internas que precisam ser vistas e revistas. O próximo candidato a governador do DF precisa ficar atento para estas peculiaridades e outras. São praticamente 12 mil praças que podem influenciar e muito nas próximas eleições.  Depende de cada um de nós compreender que nós podemos “fazer política” e  que devemos “ocupar espaços de poder”. Temos poder, autoridade, legitimidade e competência para isso!

Quadro de praças

6 Comentários

Arquivado em reestruturação das polícias

6 Respostas para “20,45% dos coronéis da PMDF estão fora da PM

  1. PONDERÃO

    O pior não e isso, você bem sabe muito bem por sinal. Afinal de contas passou uma temporada no gabinete da SSP. Enfim, nos dois sabemos que hoje estes quase 21% de coronéis na prática podem no mínimo “dobrar”. Pois o que tem de Coronel recém RR na SSP, CM e outros órgãos não é brincadeira. Resultado, estes coronéis estão mordendo 100% das gratificações por não ter vínculo mais o alimentação e pra piorar estes fazem de TUDO para atrapalhar a evolução das políticas públicas. Sabe disso!

    Curtir

    • Leandro

      Irmão, realmente ocorrem casos em que a alta taxa de ocupação de cargos fora da PM causa um transtorno interno enorme. Coisa que compete ao gestor resolver..
      Porém, me permita uma correção! Mesmo na reserva remunerada, os policiais que eventualmente são nomeados para cargos em comissão (DFG ou DFA) ou função de confiança (CNE) recebem 70% do valor total, e não 100%, posto que mesmo na reserva continuam tendo vínculo com o Estado.
      Todavia, esse assunto é mais um problema para a Administração cuidar.
      Abraços!

      2º Ten Leandro – 8º BPM

      Curtir

      • PONDERAO

        Colega desculpa, não fala besteira! Pois neste ponto está sim equivocado. Faz o seguinte acessa o portal da transparência e procure alguns dos nomes de oficias refém reformado que vai descobrir que o que acabou de afirmar é sim um equívoco. Pois o mesmo só a título de esclarecimento não possui mais vínculo direto, ou seja, o mesmo e nomeado como civil qualquer que não tenha passado em concurso. Conclusão, o mesmo não precisa ser nomeado via R200 e tão logo recebe sim 100% do cargo em comissão ou confiança, como também faz jus ao alimentação. Faça o teste! O portal e público. Se esclareça antes e não confunda as coisas (pttc com nomeação direta).

        Curtir

  2. Leandro

    “Ponderão” (seja lá quem for)..
    Realmente você está certo. Nem me dei ao trabalho de olhar o portal da transparência pois me lembrei do art. 77 do Estatuto, que fala das agregações. Não é possível agregar quem não está na ativa, como é o caso dos RR e REF. Dou aula de legislação e regulamento na PM há anos e passei batido nesse detalhe. Você está certo! E ainda tem o PTTC, com regras próprias, mas tem..
    E aqui reside outro problema: falamos daqueles Oficiais e Praças (da ativa) que estão fora da PM, mas quando falamos dos inativos, não há limitação legal, pois a vedação de percentual máximo é apenas aos ativos. E como fica?? Fica conforme a vontade política do gestor que, no caso, é o Chefe do Poder Executivo..
    A propósito, lá se vão 13 anos na PMDF. Desde o CFSd/2003, vivenciei muita coisa e percebi que precisamos mudar bastante. Hoje, vejo que precisamos mudar mais ainda, mas mudar de verdade.
    No mais, pega leve irmão. Somos da mesma “casa” e penso que devemos “brigar” juntos, e não um contra o outro.. casa dividida não prospera, concorda?!
    À disposição. E que Deus o abençoe..

    2º Ten Leandro – 8º BPM

    Curtir

  3. Pingback: Opinião: Como temos o Ministério Público no judiciário é preciso ter um “ente” independente capaz de sanear os “julgamentos” internos | Aderivaldo Cardoso

  4. Pingback: Falta polícia no DF ou falta gestão dos efetivos? | Aderivaldo Cardoso

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s