Coronéis da PM dizem que GDF não queria desocupação do Torre Palace

A desocupação do Torre Palace Hotel, ocorrida no dia 5 de junho, foi realizada sem o consentimento do governador Rodrigo Rollemberg. Revoltados, coronéis da Polícia Militar criticaram a postura do chefe do Executivo nos bastidores da operação, avaliada como muito bem sucedida. Eles revelam que Rollemberg era contra a operação. Ordens do Palácio do Buriti foram enviadas para que a PM desistisse da ideia de tirar os ocupantes do hotel. Mas os policiais decidiram desobedecê-las.

Segundo militares ouvidos pelo Metrópoles – que não quiseram se identificar por medo de represálias – uma verdadeira queda de braço foi travada entre um grupo de coronéis de áreas operacionais e integrantes do primeiro escalão do GDF. Supostas ingerências políticas no trabalho da PM e o descontentamento dos oficiais que estavam à frente da ação teriam resultado em exonerações nesta sexta-feira (10/6).

Os oficiais contaram que, na noite do dia 1º de junho – três dias antes da desocupação –, o comandante-geral da PM, Marcos Nunes, telefonou para o então chefe do Departamento Operacional (DOP), coronel Alexandre Sérgio Vicente Ferreira, que comandava a operação de tomada do hotel. Nunes informou que havia acabado de sair do gabinete do governador com uma nova determinação: interromper a invasão do prédio.

Àquela altura, a “Operação Gerente” – como são chamadas as ações deflagradas para conter crises – já estava em andamento. Nunes teria recebido uma resposta negativa do seu subordinado: o hotel seria invadido por homens do Batalhão de Choque (BPChoque) e de Operações Especiais (Bope), em caso de necessidade, querendo o governador ou não. Por causa do mal estar, uma reunião foi marcada na quinta-feira (9), na sede da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, para definir os rumos da negociação com os integrantes do Movimento Resistência Popular (MRP), que ainda relutavam em deixar o prédio.

Os coronéis também ficaram irritados com a interferência de outros integrantes do GDF nas negociações conduzidas pelos gerentes de crise durante a operação. Uma das pessoas que teria incomodado os oficiais foi o subsecretário de Movimentos Sociais e Participação Popular do GDF, Acilino Ribeiro.

A todo instante, Acilino e outras pessoas do governo atravessavam a negociação dos policiais com os manifestantes e atrapalhavam o andamento da operação. Caso houvesse algum incidente durante a ação, a culpa, claro, seria da Polícia Militar“. Afirmação de um dos militares

Bate-boca
A relação entre o governo e os coronéis azedou de vez após uma discussão com a secretária de Segurança e Paz Social, Márcia de Alencar. Os militares afirmaram que não aceitariam “ingerências políticas na operação”. Márcia, por sua vez, teria argumentado que seu cargo era político e iria coordenar a ação. “Esse foi o real motivo de os oficiais terem deixado a reunião. O fato de o comandante-geral ter se atrasado e o grupo ter esperado do lado de fora da sala (como tem circulado em mensagens pelo WhatsApp) é uma desculpa”, disse um dos militares ouvidos pelo Metrópoles.

Na manhã do dia seguinte, dois dos coronéis que participaram da reunião acabaram exonerados de suas funções. Coronel Alexandre perdeu o comando do DOP e o coronel Agrício da Silva, do comando do Comando de Missões Especiais. Outros dois coronéis que estavam no encontro permaneceram nos cargos.

O chefe da Casa Militar, coronel Cláudio Ribas, nega uma queda de braço entre a PM e o governo. Segundo ele, a polêmica é alimentada por um grupo pequeno de coronéis. “Não existe eco dentro da corporação. Temos 39 coronéis na PM e apenas os que se sentiram afetados diretamente pelas mudanças estão insatisfeitos, fato natural dentro de uma corporação tão grande. Não existe unanimidade, mas o que posso ressaltar é que os trabalhos estão sendo feitos normalmente”, disse.

De acordo com Ribas, o governador avaliou que um desfecho com violência ou episódio trágico traria muito mais do que um desgaste politico para o governo. “Na verdade não é só uma questão política, é uma questão de cuidado com as pessoas que lá estavam, sejam elas os adultos, as crianças e até os policiais que seriam empregados. Claro que se houvesse um problema teríamos um desgaste político, mas essa não era a preocupação principal. Dessa forma, o governador avaliou que era preferível continuar as negociações no campo verbal sem que houvesse a retomada do prédio em um primeiro momento”, explicou.

pminvade

Fonte: Site Metrópoles – Por Carlos Carone

1 comentário

Arquivado em polícia militar

Uma resposta para “Coronéis da PM dizem que GDF não queria desocupação do Torre Palace

  1. George

    Quando querem derrubar um comando ou secretário(a) sempre inventam essas histórias. O engraçado é que tempos atrás um capitão queria prender alguns praças por insubordinação por terem saído de um grupo de whatsapp do batalhão, ir contra a ordem de um comandante geral, nesse caso do hotel, é o quê? Eu que não compro essa briga.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s