PM desabafa após plano de saúde negar atendimento ao filho

Os problemas dos serviços oferecidos pelo plano de saúde dos policiais militares do DF ganhou um novo capítulo, denunciando a gravidade a que os servidores e seus dependentes estão expostos. No início do mês, a corporação decidiu suspender uma série de serviços, como consultas médicas. Agora, a situação se agravou, a ponto de crianças terem atendimento negado na emergência de hospitais.  A explicação que recebeu era que o segurado só poderia fazer uma consulta mensal.

Indignado com a situação, um PM desabafou pelo WhatsApp após levar o filho para ser atendido na emergência do Hospital Santa Helena, na Asa Norte. Ele não conseguiu que o menino fosse examinado.

O militar fotografou a guia de atendimento entregue pelo hospital. O documento destaca que o paciente “ultrapassou o prazo intervalar”.

Revoltado, o policial não poupou críticas. “Motivo: já ter sido atendido este mês na emergência. Pasmem. Agora só pode um atendimento a cada 30 dias. Olha o documento que me deram lá. Cada uma faz sua escolha. Agora, o filho só pode adoecer de 30 em 30 dias. Qualquer coisa diferente, tem que ir para o Hospital de Base”, disse.

Guia de atendimento

PM nega restrição
O chefe do Centro de Comunicação Social da PMDF, tenente-coronel Antônio Carlos, nega que haja restrição. Segundo o oficial, a determinação é que os casos de emergência envolvendo militares e seus familiares sejam atendidos quantas vezes for necessário.

Os exames e os atendimentos emergenciais não foram suspensos. Um caso semelhante ocorreu há algum tempo e, após a nossa apuração, foi constatado que o paciente foi atendido em uma primeira oportunidade e voltou ao hospital em menos de 15 dias. Com isso, o plano não autorizou uma nova consulta, já que estava dentro do prazo de retorno.

Tenente-coronel Antônio Carlos, chefe do Centro de Comunicação Social da PMDF

O oficial ressaltou que o caso envolvendo o desabafo do suposto militar se torna complicado de apurar sem o nome do titular do plano nem do familiar que deveria ter sido atendido. A data e a hora do atendimento também não estão visíveis na guia de atendimento. O PM que fez o desabafo teme sofrer represálias caso seja identificado.

Até o fechamento desta matéria, o Hospital Santa Helena não se manifestou sobre o assunto.

Terceirização
A Polícia Militar do DF aposta na melhoria do atendimento aos servidores na área de saúde com a terceirização do Centro Clínico Médico da PMDF (CMed). Está em andamento o processo de contratação de uma Organização Social de Saúde (OS). Será a segunda unidade a contar com a gestão de umaentidade sem fins lucrativos no Distrito Federal. Atualmente, o Hospital da Criança é a única unidade da rede pública local a adotar esse modelo.

A organização que assumir o centro médico atenderá  policiais militares ativos e inativos, pensionistas e dependentes legais. O recurso para desenvolver as atividades descritas no Projeto Básico está estimado em R$ 216.535.023. O repasse será feito em 36 parcelas.

PMvale-840x577Fonte: Site Metrópoles

Ps: Mensagem do Major Guedes envidada após nossa postagem:

 Peço ao amigo que ajude a DESFAZER esse mal entendido. O sistema é preparado para receber dois tipos de solicitação de atendimento: consulta eletiva em pediatria que é aquela previamente agendada e garante retorno sem cobrança em até 15 dias (para mostrar exames e encaminhamentos por exemplo) e consultas de urgência em P.A. (pronto atendimento) onde não há limitação de atendimento, e cada consulta é uma nova guia. Não há retorno (a não ser no caso do médico solicitar exames no mesmo momento e ficar aguardando). No caso em tela houve um erro do atendente em emitir, nas duas ocasiões, autorizações para consultas eletivas quando não era o caso e por este motivo o sistema bloqueou a consulta no segundo momento. O sistema entendeu que estava no período de retorno e deveria ser sem guia. Não era o caso. O grupo responsável pelo Hospital Santa Helena já foi notificado e será novamente para que oriente seus atendentes a não emitirem guia de consulta eletiva para que não ocorra mais esses problemas. A guia correta é de atendimento em PA. Isso acontece também porque cada operadora de saúde tem seu sistema próprio e o hospital tem que se adequar e entender a todos. Não quero justificar, mas apenas explicar que o que aconteceu é comum pelo que falei com outros grupos de saúde. Não há conspiração ou limitação dos serviços no hospital. Estamos a disposição de todos os policiais por meio do Serviço de Acolhimento ao Usuário no Centro Médico da PM para esclarecer quaisquer problemas. Precisamos valorizar nossa Corporação. Assim estamos valorizando a nós mesmos, então temos que ter cuidado como são colocados os fatos. Obrigado.

1 comentário

Arquivado em polícia militar

Uma resposta para “PM desabafa após plano de saúde negar atendimento ao filho

  1. Pingback: Esclarecimentos sobre o não atendimento do filho do policial militar ontem no Santa Helena | Aderivaldo Cardoso

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s