Já imaginou se os policiais que conhece vivessem o “efeito espectador”?

Quero compartilhar um texto muito interessante que recebi de um grupo de Whatsaap, infelizmente não sei o autor:

“O mundo não está ameaçado pelas pessoas más, e sim por aquelas que permitem a maldade.”
“Albert Einstein”

Na madrugada de 13 de março de 1964, a americana Kitty Genovese foi esfaqueada e estuprada quando chegava a sua casa, no bairro do Queens, em Nova York.

Os desesperados gritos por socorro foram ouvidos, conforme demonstrou a investigação policial, por 38 pessoas, moradoras de apartamentos próximos.

A maioria chegou até a janela, viu o ataque e voltou para cama. Apenas uma testemunha gritou de sua janela para o agressor deixar a mulher em paz.

Entre todos, só uma mulher ligou para a polícia. Kitty Genovese morreu a caminho do hospital. Ela tinha 29 anos.

O repórter do “New York Times” Martin Gansberg percebeu a dimensão da notícia, que saiu na primeira página.

O foco da matéria era a quantidade de testemunhas que ignoraram o sofrimento da vítima e nada fizeram.

A notícia foi replicada por todo o mundo, e estudiosos do comportamento debruçaram-se sobre o evento, criando o termo “efeito espectador” ou “efeito Genovese”, que nada mais é do que a apatia vigente na sociedade diante do sofrimento do outro, a total falta de coragem em agir, a covardia.

Por incrível que pareça, o “efeito espectador” não é observado entre os animais, como demonstra a etologia, a ciência que estuda o comportamento animal.

Só o homem mostra-se indiferente ao sofrimento do seu semelhante.

Foi assim recentemente com um médico atacado na Lagoa quando pedalava sua bicicleta.

Ele foi esfaqueado por assaltantes mirins e morreu. Ninguém perseguiu os agressores ou tentou defendê-lo.

Um policial militar foi torturado, morto, teve seu corpo preso por uma corda a um cavalo e foi arrastado pela favela por traficantes.

A selvageria típica da Idade Média pouco impactou a sociedade.

Ólogos e ólogas, aguerridos defensores de direitos dos excluídos, nada falaram. Nem uma única palavra.

O grande problema não está nessa indiferença.

O grande problema vai existir quando aqueles que escolheram colocar suas vidas em defesa da sociedade também agirem com o “efeito espectador”.

Não está longe tal dia, pois o que se ouve nas corporações policiais é: quero para a sociedade o mesmo que ela deseja para mim. Ou seja, que ela se dane.

a-melhor-arma-contra-a-violencia-policial-eh-a-camera

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s