Aplicativo aproxima a população de Águas Claras da polícia

Precisamos tomar muito cuidado com a tentativa de legitimar certos discursos em nosso meio. Lembro-me no governo passado quando falava-se em “Policiamento Inteligente” e passaram uma propaganda, que beirava o ridículo, com várias motos velhas andando no eixão, onde se dizia tratar de um novo policiamento, ou seja, o policiamento inteligente. Não é assim que funciona. O conceito deve se aproximar das ações para deixar de ser apenas um discurso da autoridade e passar a ter a “autoridade do discurso”. Vejo que o “slogan” agora é “aproximar a polícia da comunidade. E o defendo, pois o faço há anos aqui no blog. Mas não podemos banalizar.

A população do DF está cada vez mais conectada com  as novas   tecnologias, em especial a de Águas Claras. Mas não são só os moradores: a polícia também.  Por meio de um   aplicativo para smartphone, os habitantes podem trocar informações com o  17ª Batalhão de Polícia Militar. A iniciativa atende à demanda por    um canal direto com a  segurança pública, e agora, toda a comunidade pode cooperar.

21cid8f1-2_1000x664j_438

Foto: Jornal de Brasília

No aplicativo DF Águas Claras – que também inclui um guia comercial da cidade –, seis ícones dividem os conteúdos emergência, ocorrência, denúncia, sugestão, notícias e contato. O comandante do 17º BPM, o tenente-coronel Daniel Pereira, afirma que é importante este contato direto com a população. Em razão disso, ele propôs ao criador do aplicativo a inclusão de várias ferramentas.

“No aplicativo, o morador pode ligar solicitando policiamento, denunciar crimes, sugerir alteração no trânsito, ler as notícias da corporação e pegar os telefones, caso necessário”, detalha. O comandante admite, no entanto, a necessidade de mais policiais para o patrulhamento da região, que inclui Águas Claras, Areal, Arniqueiras, Colonia Agrícola  Samambaia e   parte do Park Way.

Aproximar a polícia da comunidade significa dialogar com ela. Significa tratá-la bem, respeitá-la e agir dentro da legalidade. São princípios básicos do que se espera de uma polícia no Estado Democrático de Direito. Tal aplicativo pode facilitar o “contato” com a comunidade, mas nada substitui o “corpo a corpo”, ou seja, a presença policial nas ruas. É um facilitador para ajudar na aplicação correta do efetivo, para agilizar a informação, para melhorar a interação. Não podemos confundir isso com algo muito maior “que a presença e o diálogo” nas ruas. Segurança pública se faz com a redução dos espaços de atuação dos criminosos. Entendo que aproximar a polícia da comunidade também é garantir segurança pública, desde que ela contribua para redução de tais espaços!

cropped-cropped-cropped-1978631_614002178694791_7316205545168061416_n.jpg

Por: Aderivaldo Cardoso com informações do Jornal de Brasília

2 Comentários

Arquivado em policiamento comunitário

2 Respostas para “Aplicativo aproxima a população de Águas Claras da polícia

  1. Sergio Santos

    Certíssimo em seus Comentários amigo Aderivaldo, esse expressão “Polícia Comunitária” é bem que um discurso bonito, é dividir responsabilidades, é empoderar o operador de segurança pública e a comunidade de seus direitos e deveres na busca de uma cultura de paz. O projeto acima é um passo a mais dado para esse empoderamento, e com certeza o TC Daniel Pereira tem uma visão comunitária, falo isso pois sei de suas ações quando era Subcomandante do 20º BPM Paranoá. Mas em todo caso cito Paulo Freire “É fundamental diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal forma que, num dado momento, a tua fala seja a tua prática”

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s