Ambulantes são agredidos no Setor Comercial Sul – Policial é preso?

A polícia poderia ser definida como uma instituição “pau pra toda obra”. Ao acessar o jornal Correio Braziliense deparei-me com a seguinte notícia:

Ambulantes são agredidos no Setor Comercial Sul

Ariadne Sakkis

Publicação: 10/09/2010 00:43

Um cerco a camelôs na Quadra 6 do Setor Comercial Sul, perto do Pátio Brasil, terminou em confusão na tarde desta quinta-feira (9/9). Segundo os ambulantes, um grupo de 15 a 20 pessoas, que seriam agentes de fiscalização, chegou ao local agredindo e recolhendo a mercadoria de oito vendedores.Eles não estavam uniformizados e já chegaram batendo em todo mundo”, contou o ambulante Drielton Fogaça, 18 anos, que recebeu um chute na perna.

Logo em seguida, policiais militares surgiram em dois carros e tentaram apartar o que consideraram, inicialmente, ser uma briga. Dois camelôs foram levados à 5ª Delegacia de Polícia (Setor Bancário Norte) para prestar depoimento e foram liberados. Lindomar Silva Avelino, 35 anos, Roberto Alves Ferreira, 24, sofreram ferimentos no corpo. “Me bateram nas costelas, me deram um chute na perna. Isso sem falar nos murros”, contou Lindomar. Eles receberam o pedido de exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) e devem se submeter ao exame hoje. .

A comerciante Joyce Evany, 21 anos, dona de um bar perto de onde ocorreu a confusão, disse ter sido agredida. O namorado dela, Rodrigo Alves Vieira, 25 anos, também foi alvo de agressões. Os dois foram ao Instituto de Medicina Legal para exame de corpo de delito. Todos registraram queixas. Até o fechamento desta edição, não havia mais esclarecimentos sobre o caso por parte da Polícia Civil.

Após a leitura dos comentários vi vários protestos em defesa do policial “agressor” dizendo que ele estava lá apenas para “cumprir seu papel”, que estava trabalhando e que era vergonhoso ver um policial ser preso nessa circunstância.

Sobre a afirmação acima pergunto:

QUAL É A FUNÇÃO DA POLÍCIA EM NOSSA SOCIEDADE ATUAL?

QUAL O PAPEL DO POLICIAL QUE “AUXILIA” O SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO NO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO?

QUAL É O OBJETIVO DO POLICIAMENTO AO ACOMPANHAR OS FISCAIS?

QUAL O BEM JURÍDICO TUTELADO?

Posteriormente encontrei essa outra reportagem: (Discurso da autoridade)

Corregedoria da PM investigará agressão a ambulantes no SCS
Publicação: 10/09/2010 16:58 Atualização: 10/09/2010 17:12

A Corregedoria da Polícia Militar investigará o caso dos ambulantes agredidos por um policial da corporação, no início da noite de quinta-feira (9/9), no Setor Comercial Sul (SCS). O incidente ocorreu durante uma operação de combate ao comércio ilegal e à pirataria, da Secretaria da Ordem Pública e Social (Seops) e da Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis).

De acordo com o chefe da assessoria jurídica legislativa da Seops, capitão Leandro Antunes, o policial envolvido na briga não estava na operação. “Havia três policiais fazendo ronda normalmente (uniformizados) e outros cinco (à paisana) participando da operação da Seops. O PM que será investigado foi chamado por um dos ambulantes através do número 190″, explicou o capitão.

Além de lesão corporal a um ambulante, o PM cometeu violência, desacato e desrespeito contra superior, uma major que participava da operação da Seops. Caso a investigação da Corregedoria comprove a culpa do policial, ele pode pegar até dois anos de prisão e ser expulso da corporação.

Segundo a assessoria da Seops, este tipo de operação de combate à pirataria acontece regularmente. O intuito é fiscalizar e erradicar a desordem urbana para proporcionar mais qualidade de vida aos cidadãos.

Achei interessante que o policial cometeu três crimes aparentemente militares, caso soubesse que se tratava de superior, são eles: Violência, desacato e desrespeito contra superior.

Desacato a superior
Art. 298 – CPM – Desacatar superior, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro, ou procurando deprimir-lhe a autoridade:
Pena – Reclusão, até quatro anos, se o fato não constitui crime mais grave.

 

Desrespeito a superior
Art. 160 – CPM – Desrespeitar superior diante de outro militar:
Pena – detenção, de três meses a um ano, se o fato não constitui crime mais grave.

 

Violência contra superior
Art. 157 – CPM – Praticar violência contra superior:
Pena: detenção, de três meses a dois anos.

 

Precisamos conhecer nossos direitos, mas temos que estar atentos aos nossos deveres. Erramos muitas vezes por não saber as consequências. Precisamos deixar de ser amadores e passarmos a ser profissionais. Não temos treinamento para agir nesse tipo de situação. Não estamos preparados para agir em meio a distúrbios civis de qualquer natureza. Temos apenas dois meios de defesa própria: uma TONFA e uma PISTOLA. Qual deles usaremos primeiro?

Segundo informações, os policiais sairam de um PCS  para atender a ocorrência, pelos comentários na comunidade do orkut a culpa é do posto policial! Se ele não estivesse lá a equipe também não estaria…

Anúncios

52 Comentários

Arquivado em Aderivaldo, desmilitarização das polícias, polícia militar, policiamento comunitário, policiamento inteligente, reestruturação das polícias, Reflexão, Tira dúvidas

52 Respostas para “Ambulantes são agredidos no Setor Comercial Sul – Policial é preso?

  1. carmen

    Bom seu o sargento tivesse deixado os ambulantes serem espancadas como estava ocorreno no local , hj estaria falando que ele nao estava servindo a população,mas como eu fez seu PAPELLLLLL DE HOMEM E POLICIAL FOI ATENDER UM CHAMADO , POIS ESTE “”SUPERIOR””” QUE ESTAVA A PAISANA USANDO DE VIOLENCIA PARA NAO SEI O QUE , ALIASSSSS O QUE ELES ESTAM FAZENDO ELA, ERA UMA OPERAÇAO DE ROTINA MESMO OU E APENAS UMA MENTIRA PARA DEIXAR UM PAI DE FAMILIA PRESO POR ESTA COMPRINDO O SEU DEVER…..

    ESSA E UMA DUVIDA QUE NUNCA SERÁ ESCLARECIDA OU MELHOR SERÁ PQ SE DEPENDER DAS PESSOAS QUE CONHECE O SARGENTO O MUNDO INTEIRO FICARÁ SABENDO DA ZONA QUE E A POLICIAL DE BRASILIA , QUE DEVERIA SER EXEMPLO E UM LIXO.

    Curtir

  2. Geraldo

    Redução de interstícios para PMs e Bombeiros do DF

    Policiais militares não entendem por que o interstício dos bombeiros é muito menor que o deles. Estão intrigados porque praças da Corporação irmã estão sendo promovidos em prazos menores do que o previsto na Lei 12.086. Qual é o mistério?
    Usaremos a graduação de 3º sargento para explicar a diferença. Os interstício dos sargentos PM é de 5 (cinco anos). Com a redução de até 50% prevista no art. 5º, os sargentos podem ser promovidos em 2 anos e 6 meses, se houver vagas.
    O interstício de 3º sargento BM é quatro anos. Com a redução de até 50%, eles podem ser promovidos em dois anos se houver vagas. Por que há sargento BM sendo promovido com apenas um ano?
    Da forma como foi redigido o texto da Lei 12.086, aplicado à PM, os interstício de cinco anos é de aplicação imediata,a contar da publicação da Lei. Já para os bombeiros, o relator fez uma ressalva contida no art.89.

    “Art. 89. Até que seja expedido o ato de que tratam os §§ 3o e 4o do art. 94, as promoções dos bombeiros militares serão feitas com base na legislação aplicável até o dia imediatamente anterior ao da publicação desta Lei, em relação aos seguintes aspectos:

    I – Comissões de Promoção de Oficiais e de Praças e suas respectivas constituições, competências e atribuições;
    II – limites quantitativos de antiguidade;
    III – organização dos Quadros de Acesso;
    IV – condições de acesso;
    V – interstícios…
    Até que sejam regulamentadas,pelo Governo Federal ,as competências das Comissões de Promoção do CBM ( § 3º ,do art. 94), aplica-se o Decreto GDF de promoção de Praças BM. E esse é o ponto crucial. Como o decreto está em vigor e o governador pode alterá-lo, Sua Exa. reduziu o interstício dos bombeiros por Decreto Distrital. Hoje o interstíticio para terceiro sargento bombeiro é de 2 (dois) anos, reduzido em 50% ,cai para um ano. A lei permite ao governador por algum tempo diminuir, por Decreto Distrital, o interstício dos Bombeiros. Já para a PM não existe essa possibilidade.

    Faltou comunicação entre os autores do anteprojeto, e o texto do BM, por uma circunstância, ficou melhor. Se tivéssemos ido na esteira deles, milhares de PMs seriam promovidos em menos tempo.
    Postado por Blog do Geraldo às 10:28 Marcadores: bm, Interstício, PMDF

    Curtir

  3. Leandro

    Bem, hoje é o dia pra fazer comentários. rsrsrs.
    Creio que a raiz do problema é justamente esse negócio de “auxiliar” os agentes da AGEFIS.
    Sabe por que isso acontece? Porque a PMDF não faz o que deveria. Deixou a preservação da ordem pública, que é missão constitucional, pra ser apenas força de ocupação. RIDÍCULO!
    Somos a polícia administrativa. Isso é nossa missão, mas deixamos aparecer uma tal Secretaria de Ordem Pública. Nada contra. Mas essa secretaria deve atuar em estabelecimentos comerciais durante o dia, fazer autuações, etc. Desde que não precise do emprego de força. Se isso tiver que acontecer, deve ser a PMDF a conduzir a operação e não “escoltar” os marmanjos.
    Defendo o fechamento de bares, boates, etc, que estiverem funcionando fora do horário estabelecido no alvará, ou fechamento sumário de quem não tiver alvará. Tudo pela PMDF, sem qualquer intermediário, poderíamos inclusive aplicar notificações de multa, a exemplo do que ocorre no trânsito.
    Quanto aos ambulantes, a repressão à pirataria e ao exercício dessas atividades sem autorização deve ser reprimida pela PM e não pela AGEFIS. Isso faz parte do tema da minha monografia de conclusão do curso de direito.
    Hoje o PM passa ao lado do ambulante, fardado, e o cara nem liga. A coisa tá feia.

    Curtir

    • Ainda “temos” “poder de polícia”? rss

      Estou vendo que voltei a falar de polícia, já que está participando..rss. Fico feliz por isso. Estava sem tempo. Estudando…

      Sobre sua monografia o blog está aberto para publicá-la. Seria de grande valia para nossos policiais “sedentos” de conhecimento!

      abraço e obrigado pela participação. Ela é muito enriquecedora!

      Curtir

      • Leandro

        Respondendo à tua pergunta: A CF diz que sim, ainda temos poder de polícia. rsrs.
        Na verdade os doutrinadores estabelecem distinção entre polícia administrativa, judiciária e de segurança, mas notamos nessas classificações que as PMs acabam atuando nas três vertentes. Nosso campo de atuação é o mais amplo, talvez por isso ainda não conseguimos atingir o exercício pleno de nossa missão constitucional.
        Quanto à publicação da monografia, como estou fazendo “na tora” acredito que não ficará boa o suficiente para publicá-la aqui, mas depois posso te passar assim que possível.

        Curtir

  4. Aderivaldo Cardoso

    Jornal Coletivo – 11SET10 – Polícia

    Pancadaria em rapa contra ambulantes
    Na confusão, até um sargento da PM chegou a ser preso
    O gerente de uma lanchonete, Rodrigo Lira, e a esposa deverão comparecer à Corregedoria para testemunhar acerca do caso

    Uma ação realizada, às 18h30 de ontem, pela Secretaria de Estado da Ordem Pública e Social e de Controle Interno do Distrito Federal (Seops) para retirar os ambulantes do Setor Comercial Sul acabou em pancadaria entre comerciantes, ambulantes, policiais militares e agentes da Seops. O caso está sendo investigado pela 5ª DP (Setor de Autarquias Norte).

    Segundo o gerente de uma lanchonete que foi agredido durante a confusão, Rodrigo Alves Lira, 25 anos, cerca de 20 pessoas chegaram à Quadra 6 da região, agredindo os ambulantes e jogando as mercadorias deles no chão. “Eles não se identificaram para ninguém, não estavam uniformizados e já chegaram batendo nas pessoas. A confusão chegou até a lanchonete onde eu e minha mulher trabalhamos. Ela foi pedir para que parassem com o tumultuo no estabelecimento e um dos homens a agrediu. Eu fui defendê-la e acabei apanhando também”, comenta Rodrigo. Ele ainda conta que a confusão só parou depois que policiais militares do posto do Setor Comercial foram ao local ver o que estava acontecendo. “O sargento Dantas, da PM, nos defendeu e pediu para que os agressores se identificassem. Foi quando uma major disse que ele não sabia com quem estava falando, pegou-o pela farda e deu voz de prisão, sem se identificar. Ficamos inconformados porque apenas tentou cessar a confusão”, completa o rapaz. Rodrigo e a esposa vão comparecer, na tarde de hoje, à Corregedoria da PM para fazer uma reclamação e contar os fatos para tentar ajudar o sargento, que no momento está preso na Papuda. A major citada pelos ambulantes se chama Sheila Sampaio. É ela que organiza as ações da Seops.

    O ambulante Reginaldo Silva Avelino, 42 anos, conta que seu irmão chegou a ser levado pelos fiscais que estava à paisana para uma van onde foi espancados. “Eles machucaram meu irmão, com socos, chutes. Ele está com o rosto cortado e as costelas machucadas. Não entendemos para que essa violência. Se tivessem uniformizados e fizessem o trabalho deles sem agredir as pessoas nada disso teria acontecido”, disse. Três policiais da PM que não quiseram se identificar disseram que estão revoltados com a ação.

    Corregedoria da PM apura confronto
    Na manhã de hoje, a tenente-coronel e chefe da Comunicação da PM, Hilda Ferreira, explicou que o fato está sendo apurado pela Corregedoria da corporação e que por enquanto ninguém vai se pronunciar. Já a assessoria da Seops negou que todos os fiscais estavam sem identificação e justificou a prisão do sargento em função de desacato a superior, que a major chegou a se identificar ao sargento.

    Curtir

  5. Aderivaldo Cardoso

    É interessante frisar a fala do senhor Rodrigo:

    Ele ainda conta que a confusão só parou depois que policiais militares do posto do Setor Comercial foram ao local ver o que estava acontecendo. “O sargento Dantas, da PM, nos defendeu e pediu para que os agressores se identificassem. Foi quando uma major disse que ele não sabia com quem estava falando, pegou-o pela farda e deu voz de prisão, sem se identificar. Ficamos inconformados porque apenas tentou cessar a confusão”, completa o rapaz. Rodrigo e a esposa vão comparecer, na tarde de hoje, à Corregedoria da PM para fazer uma reclamação e contar os fatos para tentar ajudar o sargento, que no momento está preso na Papuda.

    Curtir

    • Igor Fonseca

      Muito estranho tudo isso, por que os ambulantes chamaram especificamente o tal do sargento Dantas ? Que ligação o sargento Dantas tem com os ambulantes? Parentesco? A troco de que um policial seria preso por outro policial? De nada? Isso tá me cheirando problema de Corregedoria mesmo, problema interno. Agora quanto à pancadaria, deve ser apurado, mas a dica é todo policial deve se apresentar pelo nome , sem abuso, com uniforme ou sem uniforme, todo cidadão tem o direito de ser informado sobre a identidade do policial que faz a revista, e o cidadão tem a obrigação, o dever legal de informar sua identidade ao policial. E outra, primeiro os agentes da Agefis devem ser respeitados. Os ambulantes são tão coitados que se fosse assim a Agefis não precisava de escolta policial. Já fui revistado e nem por isso tive uma costela quebrada, agora temos que admitir que policiais não são a classe mais gentil de trabalhadores. Vamos e convenhamos!!!

      Curtir

  6. Daniela Lana

    O TEXTO ABAIXO FOI INTEGRALMENTE COPIADO DO CLIPPING ON LINE DO SITE DA PMDF. ACREDITO SER BEM DIRETO. DÚVIDAS: O CIAD, os superiores, coordenadores ou oficial de dia, enfim, qualquer autoridade, INFORMOU AOS POLICIAIS DO POSTO SOBRE A OPERAÇÃO? HÁ IMAGENS DE CELULAR, FOTOS E TESTEMUNHOS VÁRIOS A FAVOR DA AÇÃO DO SGT E, DO OUTRO LADO, APENAS A PALAVRA, O TESTEMUNHO DOS superiores. Será que o SGT DANTAS tá louco, com alguma doença mental? VIOLENTAR, DESACATAR E DESRESPEITAR superiores tendo os mesmos se identificado E TODOS OS PRESENTES AFIRMAM O CONTRÁRIO? PRA QUEM SABE LER…
    TV Record – DF No Ar – 10SET10 * DF Record/09SET10

    •Corregedoria da PM investiga briga entre policiais no Setor Comercial Sul durante retirada de camelôs. Comerciantes acusam policiais que estavam a paisana de truculência, arbitrariedade e agressão física durante operação (imagens de sangue na calçada em frente ao comércio). Policiais Militares do posto comunitário de segurança localizado na região foram acionados para conter os ânimos, uma vez que sequer sabiam da operação aumentando o conflito. Sargento Dantas do posto policial concedeu entrevista, sem saber que estava sendo filmado, e afirmou que dois oficiais a paisana, uma major e um capitão da PM não se identificaram que eram policiais e após o transtorno deram voz de prisão ao sargento alegando desacato ao superior hierárquico. O capitão Caixeta concedeu entrevista também sem saber que estava sendo gravado e disse que o sargento estava fora de controle e desacatou os oficiais em questão. Uma testemunha concedeu entrevista e afirmou que se não fosse a ação do sargento e dos policiais fardados do posto, uma tragédia poderia ter ocorrido devido a ação violenta, arbitrária, desproporcional e despreparada dos policiais que estavam a paisana em fiscalização junto a AGEFIS. Uma senhora, irmã de uma das vítimas, afirmou que o irmão e o amigo, foram agredidos dentro da Van da AGEFIs pelos fiscais a invés de serem conduzidos à delegacia.

    Curtir

    • Daniela Lana

      MAIS DÚVIDAS: O CPM tipifica violência contra inferior e contra policial militar em serviço? Se o SGT, em nome da hierarquia e disciplina, deixasse de atender a ocorrência e depois afirmasse que o fez porque havia superiores e agentes de AGEFIs por eles escoltados conduzindo a operação, ele estaria agora na PAPUDA? Poderiam ser perguntas retóricas, mas realmente fiquei confusa…

      Curtir

      • Aderivaldo Cardoso

        É minha amiga Lana, sabe o que mais me chamou a atenção?
        A deficiência de nossa formação na area penal militar.
        É sério, se não tívessemos tido aquela aula, ou não não estivéssemos estudando com aquela finalidade, eu não entenderia essas tipificações.
        Nunca vi isso em meu curso de formação. E o sargento Dantas também não, pois somos do mesmo curso.
        É impressionante como nós militares estamos sujeitos a várias normas e não recebemos o conhecimento necessário.
        Não estou dizendo que o sargento cometeu um “erro” por falta de conhecimento. Estou dizendo que podem ter usado o desconhecimento dele CONTRA ELE!!!

        Curtir

  7. FiremanDF

    Simplesmente VERGONHOSO !

    Tem hora que fica difícil entender certas ações de alguns PMs.

    Espero que o Sgt seja solto o mais rápido possível.

    Lamentável …

    Curtir

  8. PEDRO ALMEIDA

    O acontecido configura nítido ABUSO DE AUTORIDADE.

    O Código Penal Militar em seu artigo 47 diz:

    Art. 47 – Deixam de ser elementos constitutivos do crime:
    I – a qualidade de superior ou a de inferior, quando não conhecida do agente;
    II – a qualidade de superior ou a de inferior, a de oficial de dia, de serviço ou de quarto, ou a de sentinela, vigia, ou plantão, quando a AÇÃO É PRATICADA EM REPULSA A AGRESSÃO.

    Senda assim, porque o Sgt. está preso?

    Curtir

  9. Segue abaixo a reportagem do Jornal de Brasília:
    Atualizado em: Sexta-feira, 10/09/2010 às 10:35:30
    Tamanho da letra:

    PM contra PM em confusão no Setor Comercial Sul

    Uma ação para fiscalização de ambulantes terminou em confusão na tarde desta quinta-feira (09) no Setor Comercial Sul (SCS). A briga começou quando agentes da fiscalização, acompanhados de policiais militares, chegaram a quadra seis do setor, próximo ao Pátio Brasil, e deflagram uma ação contra os ambulantes.
    De acordo com informação dos vendedores, tanto os agentes, quanto os policiais não estavam identificados e chegaram ao local recolhendo as mercadorias e agredindo quem estava na área.
    A polícia militar foi chamada para controlar a situação e como segundo informações do sargento Dantas, preso na confusão, não estavam informados de nenhuma operação no local, trataram a ocorrência como uma briga.
    Ao chegar ao local e tentar a apartar a confusão, os policiais militares pediram a identificação dos policiais à paisana. Nesse momento foi dada voz de prisão ao sargento Dantas, que também alega ter sido agredido pelos companheiros.
    Ao menos dois ambulantes foram levados à delegacia e devem passar por exame de corpo de delito ainda nesta sexta-feira. O policial preso já foi encaminhado para o Quartel da Polícia Militar na Papuda. O caso é investigado pela 5ª Delegacia de Polícia.
    Os policiais envolvidos na ação de fiscalização, um capitão e uma major da PM, alegam que estavam devidamente identificados e que houve desrespeito hierárquico por parte dos demais policiais.
    Em nota, a assessoria de imprensa da SEOPS disse que, em relação ao incidente ocorrido entre os policias militares, a Corregedoria da Polícia Militar investigará o caso e todos os envolvidos.

    Fonte: Da redação do clicabrasilia.com.br

    Curtir

  10. Caro Aderivaldo,

    Gostei do seu blog. Estou em plena campanha (o site é da minha candidatura), mas gostaria de conhecê-lo mesmo depois das eleições, pois vejo que é uma pessoa com condições e vontade de contribuir para a reflexão sobre Segurança Pública no DF (muitas pessoas tem apenas um desses requisitos – condições ou vontade)..
    Grande abraço

    Rômulo Neves

    Curtir

  11. Anderson(AnthraXX)

    Sabe qual a função desses “”policiais””que estão nessas secretarias???
    Apenas ganharem gratificações ,esses “policiais”,deveriam estar no policiamento ostensivo trabalhando para combater a criminalidade e não para agredir pessoas e desrespeitar quem realmente estava trabalhando que no casa ai em questão era um sargento que fez o que um policial militar de verdade deve fazer ,atendeu um chamado de populares para acabar com uma briga ,e acabou preso por um “policial”que está ali apenas fazendo um papel politico para conseguir um cargo em alguma secretaria ,tem que se estinguir esse tipo de coisa tirar esses policiais dessas secretarias e os colocarem nas ruas para trabalhar de verdade.

    Curtir

  12. 11 e 12/09/2010
    Fiscalização de camelô termina em confusão
    Ambulantes dizem que foram agredidos por fiscais da Seops

    Polyana Nicolau

    Terminou em agressão uma ação de fiscalização de ambulantes na tarde de quinta-feira (9), por volta das 18h20, no Setor Comercial Sul (SCS). Segundo informaram ambulantes e comerciantes, a briga teria começado quando aproximadamente 20 agentes de fiscalização da Secretaria de Estado da Ordem Pública e Social e de Controle Interno do DF (SEOPS), descaracterizados, chegaram à quadra 6 do Setor, próximo ao shopping Pátio Brasil, recolhendo a mercadoria de oito camelôs, além de agredir quem estava na área. Ao chegar ao local e tentar a apartar a confusão, quatro policiais militares pediram a identificação dos agentes de fiscalização. Nesse momento, os ambulantes relataram que a major responsável pela coordenação das ações da Seops, Sheila Sampaio, teria dado voz de prisão ao sargento Dantas. O policial preso foi encaminhado ao Quartel da Polícia Militar na Papuda. O caso é investigado pela 5ª Delegacia de Polícia, na Área Central de Brasília.
    De acordo com o gerente Rodrigo Alves Vieira, 25 anos, que trabalha em um estabelecimento comercial próximo ao local da confusão, ele estava fechando a loja quando ouviu os gritos de sua esposa. “Quando sai na calçada vi que a minha mulher estava sendo agredida por agentes à paisana. O homem dava uma gravata nela e logo em seguida a jogou no chão. Os fiscais não estavam uniformizados e batiam nos ambulantes, além dos comerciantes que passavam pelo local. Eles jogavam as mercadorias no chão sem dó e sem piedade. Minha esposa está cheia de hematomas, e eu estou com o rosto todo inchado por ter levado porrada”, disse Vieira.
    O comerciante informou ainda como a confusão aconteceu. Segundo ele, o sargento da PM foi acabar com a confusão e foi preso. “Policiais militares surgiram em dois carros e tentaram apartar a briga. Os PM’s pediram para que os agentes de fiscalização mostrassem a identificação. Foi então que chegou a major e falou ao sargento Dantas: “Você sabe com quem está falando? E o sargento respondeu: “Não, pois você não está uniformizada e ainda não mostrou a identificação como eu pedi. Foi então que a major chingou o sargento e rasgou a roupa dele. E em seguida deu-lhe voz de prisão”, frisou o comerciante.
    Vieira lembrou que na quinta-feira passada (2), populares disseram para ele que agentes de fiscalização chegaram para recolher a mercadoria de um ambulante. Entretanto, a população não teria deixado. “Amigos e outros comerciantes me contaram que os agentes já chegam batendo e agredindo as pessoas. Nesse dia, eles pisaram no pescoço do ambulante, e por esse motivo a própria população impediu a ação deles. Isso é um absurdo, eles usam de muita violência sem necessidade”.
    Um policial que optou em não revelar o nome por motivos de segurança, disse que o sargento da polícia militar só foi preso por questão de patente. “O sargento recebeu uma ocorrência de briga generalizada e se dirigiu ao local acompanhado de outros policiais para acabar com a confusão. Por ser major, a mulher o prendeu injustamente. Ele só estava cumprindo com o seu dever ao pedir que se identificassem. Mas, infelizmente, o que interessa hoje para muitos é a patente. O fato vai ser apurado pela corregedoria, mas nem direito a testemunhas o sargento teve. Isso porque se os ambulantes e comerciantes forem ouvidos vão saber que ele estava certo e tomou a atitude certa”, garantiu o policial.
    A chefe de comunicação da Polícia Militar, coronel Hilda Ferreira, informou apenas que o fato esta sendo apurado pela corregedoria da PM que irá investigar o caso e todos os envolvidos na ocorrência e que não poderia relatar mais detalhes.

    Fonte: http://www.tribunadobrasil.com.br/site/index.php?p=noticias_ver&id=28630

    Curtir

  13. carolina

    O que na verdade acontece é que nessa hora tem monte de gente pra dar palpite e falar um monte de babozeiras com comentários, que por sinal são rídiculos. Dentre aqueles pobres ambulantes que se disseram agredidos injustamente, só tinham santos, nenhum deles tinham passagem pela policia.Já foi verificado isso??? Antes de saírem falando que o praça foi preso por estar cumprindo o seu dever em ajudar os pobres ambulantes , deveriam saber o motivo pelo qual foi-lhe dado voz de prisão . Pelo que me consta conforme APF , a Major foi agredida fisicamente com um murro no braço, quando estava com sua idntificação na mão. Ela foi inclusive levada para o IML como braço preto decorrente da agressão sofrida pelo tal sargento que se demonstrou totalmente despreparado e covarde por agredir uma mulher. Agora, vem a pergunta,será que os oficiais não se identificaram para o sargento mesmo??? Acho pouquíssimo provável. Trabalho no SCS e sempre vejo o pessoal da SEOPS devidamente identificados. Gostaria que a mídia mostrasse os vídeos na íntegra sem editação das imagens, aí veríamos o que realmente aconteceu. Por fim, me causa émuita estranheza essa defesa do sargento aos ambulantes que vivem ás margens da lei.

    Curtir

    • Aderivaldo Cardoso

      Também gostaria de ver os vídeos, doutora!!!
      Não acredito em verdades absolutas, pois elas geram radicalismos.
      Ao “julgar” os comentários “ridículos”, também nos dá o direito de julgar o seu da mesma forma!
      Mesmo que não sejam “santos” não nos dá o direito de agredí-los, mesmo que “justamente”. Ao fazer isso de forma “justa” podem surgir advogados defensores dos direitos humanos querendo nos condenar…
      Lembro-vos que dentre o “pessoal da SEOPS” também haviam outros policiais…
      Entre a vida (lesão corporal) e o patrimônio qual é a prioridade em nosso ordenamento jurídico?
      Se descobrir a prioridade irá descobrir o que MOTIVOU a ida da guarnição aquele lugar. A ida ao local foi por ordem do Centro de comunicação da polícia. O que ocorreu e a forma que ocorreu é que é o problema…que os excessos sejam punidos!

      Curtir

      • carolina

        Não estou na defesa de um nem outro caro colega. Só acho desnecessário, tecer comentários julgando essas pessoas que, por sinal estavamtrabalhando também. cada um tem a sua versão. As agressões existiram, um sargento foi preso. Isso é fato. Agora, temos que levar em consideração os dois lados da moeda, tem-se que apurar se foram só os ambulantes que sofreram agressões, como está sendo difundido na mídia e por vcs. E mais, tem-se que apurar o motivo o qual levou o sargento a ser preso. Se fosse ao contrário, ele prendendo um oficial superior ninguém estaria questionado o fato. Se ele foi preso com certeza, deve ter sido por um bom e justificado motivo, ou não. E direitos Humanos são para todos, inclusive para os fiscais foram agredidos, conforem consta na relação das pessoas encaminhads ao IML.

        Curtir

      • Aderivaldo Cardoso

        Agora entendi sua colocação!
        Obrigado por sua participação.

        Curtir

    • Ronaldo

      Quer dizer que quem tem passagem pela polícia tem que apanhar e ser mal tratado? Temos que refletir sobre os erros, independente de quem tenha errado. A Corregedoria deveria ser mais justa e humana. O policial está preso e as testemunhas do caso, espero que já tenham sido ouvidas na corregedoria.
      Boa sorte E. Dantas.

      Curtir

      • carolina

        Não entendi muita coisa do que escreveu, mas só quero que exerguem que dos fatos ocorridos, não foram agredidos apenas os ambulantes, é só isso!!!!!!

        Curtir

      • Aderivaldo Cardoso

        A Carolina está querendo dizer que além dos âmbulantes policiais e fiscais também foram feridos.
        Sei que a major está com o braço machucado e não foi por acaso…
        O tempo é o melhor amigo nessas horas, pois ele vai mostrando quem é quem…
        Volto a repetir, muitas erros em nosso meio são em consequência de nossa ignorância.
        Particularmente, só fiquei sabendo que os crimes relacionados na matéria eram crimes militares ao ter aula com o assessor jurídico da secretaria, Cap. Leandro Antunes, uma semana atrás…isso porque estava estudando para um concurso.
        Somos mal formados e treinados. Isso nos gera um grande ônus!

        Curtir

    • carmen lucia

      Carolina , a major foi agredido qdo ela mesma na sua funçao de carrasca estava espancando os ambulantes , momento algum o sargento colocou a mão nesta pessoa, ela mesma se machucou e para lascar com a vida do sargento , ela se machucou acariciando os ambulantes.kkkkkkkkkk

      Curtir

      • carolina

        Vc com certeza devia estar lá né. O fato é que acho pouco provável, que em plena 6:30 da tarde, os fiscais chegaram agredindo os ambulantes que ali estavam. Houve agressão, mas não só dos fiscais ao ambulantes, fiscais também foram agredidos. e isso vcs não falam, né.

        Curtir

      • Aderivaldo Cardoso

        Ficou claro que era uma briga generalizada. Era uma “vias de fato”…
        Por isso o pessoal chegou cheio de “energia”….
        O que não justifica.
        No curso aprendemos que é preciso usar “energia” em certas situações e não a Força.
        Aprendi que a Força é má….rrs….F = m. a
        Já a energia é bem pior pois ela eleva a aceleração ao quadrado..r.ss …E = m.v2

        São conceitos devemos mudar, para depois mudarmos as atitudes…
        Talvez muitos não entendam, mas quem vive o dia a dia policial irá enteder…

        Curtir

  14. Roberto Barbosa

    a DONA CAROLINA SE CONTRADIZ QUANDO FALA EM DEFENDER UM LADO SEM REALMENTE TER CONHECIMENTO VERDADEIRO DOS FATOS,JA QUE ELA MESMO SAI EM DEFESA DE UMA DAS PARTES.O FATO REAL É MOSTRADO NAS IMAGENS ONDE SE VER CLARAMENTE UM HOMEM ARMADO AGREDIDOS PESSOAS.DIANTE DA CENA PERGUNTO:NÃO SERIA OBRIGAÇÃO DO SGT DE SERVIÇO PRENDER O AGRESSOR JA QUE ELE SGT , FOI AO LOCAL A MANDO DA CENTRAL DE OPERAÇOES E SOLICITADOS POR PESSOAS QUE ESTAVAM SENDO AGREDIDAS?SE FOSSE O SGT FARDADO AGREDIDO DO MESMO JEITO ,NAO ESTARIA PRESO PELOS SEUS SUPERIORES? SE UM SUPERIOR COMETER CRIME ,NÃO PODERÁ SER PRESO POR SEU SUBORDINADO?A PRISAO DO SGT NADA MAIS É DO QUE UMA FORMA DE MOSTRAR O PODER DO CHEFE E UM RECADO PARA NAO FICAR CONTRA O SEU SUPERIOR.LEMBRAM DO MICO DA AGEFIS NO LAGO SUL QUANDO HOUVE INTERFERENCIA DA PRIMEIRA DAMA.ONDE ESTAVA ESTES VALENTOES?AINDA BEM QUE NESTE PAIS O MINISTERIO PUBLICO É INDEPENDENTE E SABERA JULGAR SEM PRESSAO DOS DOMINADORES AUTORITARIOS.

    Curtir

    • carolina

      Sem comentários. Quando faço as indagações, não quer dizer que estou do lado do pessoal da SEOPS, se estou tentando mostrar a vcs que nem sempre a verdade que se poe na mídia é o que realmente aconteceu. Vcs é que estão em defesa dos ambulantes e do sargento, sendo que nem sequer ouviram a versão da SEOPS. Que pena.

      Curtir

      • Aderivaldo Cardoso

        Agora entendi suas colocações. Tenho que confessar que a primeira vez que postou parecia meio confusa. Concordo que aquilo que está apresentado na mídia deve ser sempre questionado.
        Andei conversando com muitos colegas e percebe-se que houve excessos de ambos os lados. Não consigo acreditar que um subordinado após o mais antigo se identificar faça as coisas que dizem que ele fez, mas não consigo entender como um oficial prenderia um subordinado pelos crimes militares cometidos sem motivo. Tudo tem uma motivação. É preciso apurar tudo de forma imparcial e punir os culpados. Trabalhei na área do 3º Batalhão e lidamos diariamente com situações semelhantes. Não tenho dúvida de que houve abuso no uso da força por ambas as partes, devendo responsabilizar cada uma de acordo com sua conduta.
        Obrigado pela participação doutora!!

        Curtir

  15. anonimo.

    Se naõ me falha a memoria,o Brasil tambem assinou o tratado da OEA que visa o compromisso de defender os direitos da pessoa humana e é um compromisso do Brasil e de seus agentes de banir a tortura fisica ou psicologica.Nada se justifica a atitude de agressao mostrada nas imagens,principalmente partindo de quem tem o direito e dever de impedir que qualquer cidadão criminoso ou naõ seja submetido a castigo fisico.Se o agente de segurança publica não pode impedir a violencia fisica,então a quem devemos pedir socorro?o produto dos camelôs é realmente ilegal mas a lei não os puni com agressão fisica.Se assim fosse permitido.Qual seria a punição para o politico que rouba o dinheiro do povo?.A era das cavernas ainda domina a mente de alguns agentes de segurança publica.Parabens ao sgt que nada mais fez do que sua obrigaçao que esta respaldada na convenção da OEA que proibe qualquer tipo de abuso por parte dos agentes do ESTADO e obriga que aga interveção imediata para cessar tal violação de direito.

    Curtir

  16. carmen lucia

    Sra Carolina eu realmente conheço a historia e não por estar lá mas por ser irmã do sargento detido injustamente, e quando vc citou que ele machucou essa pessoa , alias quem viu e as testemunas só tem uma coisa a dizer, se não fosse pelo sargento essas pessoas estaria muita mais machucadas do que estão , alias me parece pelo comentarios vc e advogada, vc deveria defender a justiça e nao ir para o lado do mais forte “que alias vc acha que essa major e esse coronel”, mas a justiça pode ser falha para aqueles que se esquece não será o nosso caso iremos até o final para provar e mostrar a todos quem estava errado, por que entre o caracter e conduta profissional de ambos os lados , se vc se informar o sargente nao tem nada que prejudique sua imagem, contrario dos outros.

    Curtir

    • Carmen Lúcia, obrigado por sua participação.
      Que Deus possa ajudar nosso irmão, colega de turma, a superar essa dificuldade.
      Fico feliz em poder tê-la nessa espaço, pois a cada dia ele tem se tornado um porta-voz daqueles que há tempos estiveram silenciados pela mídia!
      Aqui podemos debater em alto nível. É um lugar onde não existem verdades absolutas, pois elas geram radicalismos. Podemos aqui dar a oportunidade de cada um criar sua própria verdade!
      Abraço e lembranças ao SGT DANTAS!

      Curtir

      • Geraldo Fonseca

        Sra.Carmem.Realmente os fatos terão de ser apurados com isenção.A verdade de um, nem sempre é a do outro.Numa ação dessas contra a atividade de “camelôs”, acredito que para a autoridade pública em ação, não é confortável, os ânimos acabam se exaltando.Dizem que o sol nasceu para todos, é uma verdade.Mas vivemos numa sociedade democrática, com direitos e deveres de cada cidadão.Se queremos uma sociedade ordeira e com oportunidades para todos, temos que nos enquadrar dentro das regras a nós colocadas.A atividade de camelô,não só é ilegal, mas também prejudica a ordem pública e o direito das pessoas de ir e vir com tranquilidade.Existe ainda aí, um desequilibrio entre os comerciantes legalmente instalados,que geram empregos e impostos para a manutenção do Estado e os que geram somente para sí.Agora, quanto ao caso do Sargento,seu irmão,que as autoridades policiais competentes, apurem com rigor.Ví a materia veiculada pela TV, mas às vezes só informam e mostram matéria de sua conveniencia, explorando-as exaustivamente,para manterem sua audiencia.

        Curtir

    • anonimo

      Sra. Lúcia, os seus comentários são muito fortes, grotescos e bem parciais. Sei que tem mesmo é que defender seu irmão, mas não pode fazer o que está fazendo. Cuidado com o que diz nos blogs. Vi outros comentários seus em outros sites. Vc não é o Estado. Não pode sair por aí achincalhando eacusando as pessoas que vc nem se quer conhece. Agir dessa forma pode fazer com que seu irmão seja prejudicado. Isto é o feitiço poderá virar contra o feiticeiro. É só um conselho.

      Curtir

    • anonimo

      Sra. Carmem, me desculpe, agora entendi tudo, não podeira deixar de ser tendenciosa,né!!

      Curtir

  17. Diogo Vasques

    Lendo os comentários e acompanhando a mídia, esse caso precisa de atenção especial por parte das autoridades, sobretudo da PMDF. Esse fato configura claramente uma desestruturalização da polícia militar, onde se divide entre aqueles policiais que atuam no serviço policial de fato(o que é sua obrigação), e policiais que são CEDIDOS para atuarem em áreas estranhas ao que foi incumbido inicialmente, que é defender o cidadão. E ainda por cima recebendo gratificações…Como foi visto, isso está tudo errado, uma vez que os nossos impostos são para pagar a polícia para nos defender dos bandidos e não para locupletação que esbarra em interesses pessoais de patente. Uma coisa digo, interesse da população é que não é, pois os comerciantes pediram ajuda para a PMDF por temerem a ação desses “fiscais”. E não para presenciarmos os representantes da lei serem presos no lugar dos bandidos. Deus nos ajude!!!
    Abçs.

    Curtir

    • anonimo

      Infelismente os comentários desse blog são 99% limitados, parciais e tendenciosos. Que pena!!

      Curtir

      • Aderivaldo Cardoso

        Creio que não doutora, aqui cada um constrói sua verdade. Muitos dos comentários foram postados por ti, então eles também estão incluídos nos 99%, pois em muitos momentos mostram-se limitados, parciais e tendenciosos!É normal uma defesa do companheiro de farda, pois esse espaço é visitado em sua maioria por policiais, mas querer achar que de forma anônima pode “diminuir” a intensidade dos comentários no blog é ingenuidade.Obrigado mais uma vez pela participação “doutora”, mas o debate aqui, assim como nos tribunais, ganha-se de outra forma. Aqui busca-se o diálogo para chegarmos o mais próximo da verdade!
        Não acredito em verdades absolutas. Contra fatos não há argumentos. O problema é que não temos acesso aos “fatos”….
        abraço.
        Ps: Aqui não precisamos da covardia do anonimato!!!!

        Curtir

  18. Jota-Repórter policial

    Estamos de olho

    Curtir

  19. Ronaldo

    Alguém tem um link da reportagem?

    Curtir

  20. revoltado

    No referido caso tanto as pessoas espancadas, quanto o Sgt Dantas não devem deixar de procurar seus direitos de cidadãos. Devem todos fazerem uma representação no MP contra os oficiais envolvidos nessa operação e também pedir uma indenização tanto do GDF como dos oficiais que usaram de abuso de autoridade. Me corrijão se eu estiver errado.Isso que aconteceu não é pratica corriqueira da PMDF.

    Curtir

  21. araujo

    O Sgt Dantas agil de maneira errada, e apoio o que diz a Carolina. Ele deveria é ter deixado o pessoal da Agefis e do Seops ter matado ou espancado ainda mais os ambulantes e outras pessoas? Carolina só pode ser oficial ou pessoa bem proxima da major. Ninguém viu os referidos oficiais e o pessoal da Agefis identificados nessa operação como consta o que várias testemunhas e os vídeos mostram.Quem está mentindo?O Sgt,os agredidos e as testemunhas ou os oficiais? Na PM os oficiais nunca, nunca e nunca mentem.De que lado a corregedoria vai ficar,do lado do Sgt é que não é.Ao Sgt e os agredidos cabe apenas procurar a justiça como parte ofendida e injustiçada, e pedirem reparação financeira pelo que aconteceu a eles.

    Curtir

  22. ROBERTO

    Marilene, chaui(2007)assim define a violencia: é um ato de brutalidade,sevicia e abuso fisico e/ou psiquica contra alguem e carateriza relaçoes intersubjetivas e sociais definidas pela opressão,intimidação,pelo medo e pelo terror.
    Baseado nesta definição possso afirmar que sao constates os atos de violencia praticados contra subordinados e que naõ sao apurados.

    Curtir

  23. FiremanDF

    Caro Aderivaldo,

    Mudando só um pouco de assunto, você reparou matéria do DFTV de hoje, 15 de setembro, onde a repórter estava no interior do quartel do BOPE, e ao fundo alguns militares fazendo uma simulação de abordagem, e a referida jornalista estava falando mal da PMDF ?!

    Putz, a mulher entra na casa de vocês, coloca os PMs para fazer simulados ( e os PMs achando que iria ser uma matéria para enaltecer o serviço) e ainda faz uma matéria falando mal do serviço prestado por vocês, atacando os “altos salários” e a escala de serviço.

    É MUITA CARA DE PAU.

    Fiquei impressionado com a falta de respeito para com a PMDF. E ninguém fala nada…

    Curtir

    • Nem fala…
      Aquele pessoal é do curso de motopatrulhamento.
      Foram lá dizendo que iriam fazer uma matéria sobre o curso e sobre a entrada de novos policiais. Bando de mentirosos!!!
      Também fiquei indignado.

      Curtir

    • Jota-Repórter policial

      Pois é amigo FiremanDF, é a vingança de uma jornalista global, inconformada por ter sido flagrada embriagada ao volante de seu veiculo, quando foi abordada por policiais Militares do DF CPRv. Agora destila seu veneno. Ela hoje esta por traz das cameras. So em Off.
      Ha!!!!! meu irmão Aderivaldo, tomei um susto com a catarse, pensei numa despedida. Afff!!! que susto. Conte comigo irmão.

      Curtir

  24. FiremanDF

    Link da matéria feita na casa de vocês.

    http://dftv.globo.com/Jornalismo/DFTV/0,,MUL1618917-10041,00-SEGURANCA+MAIOR+EFETIVO+DO+PAIS+NAO+GARANTE+TRANQUILIDADE.html

    Curtir

  25. LEANDRO

    BOM EU ACHO QUE QUASE NAO TEMOS MAIS BANDIDOS NAS RUAS NEH! PRA QUE UM POLICIAL GANHE O DIA PEGANDO TRABALHADORES COM OU SEM MERCADORIAS ILEGAIS PORQUE DIZEM QUE EH PRA COMBATER O COMERCIO ILEGAL MAS VENDER AGUA E REFRIGERANTE NA RUA O QUE TEM DE ILEGAL NISSO ?O BOM VELHINHO AQUI PERTO DE CASA SO TINHA ESSA FONTE DE RENDA E AGORA PASSA FOME POR CAUSA DE OPERAÇOES COMO ESSAS SE FOSSE REALMENTE SO PRA COMBATER O COMERCIO IRREGULAR FECHA-SE E FICALIZA-SE AS FRONTEIRAS COISAS QUE SO FAZEM EM FIM DE ANO OU ANO POLITICO LAMENTAVEL EH POUCO ISSO EH UMA VVVVVVVVVVVVVVVVVVVVEEEEEEEEEEEEEEEEEERRRRRRRRRRRRRRRRRRRRGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOONNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNNHHHHHHHHHHHHHHHHHHAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s