Polícia: Instituição se divide em diferentes tipos e funções!

Polícia Instituição se divide em diferentes tipos e funções

Gilberto Gasparetto* Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

As polícias são, no Brasil, órgãos do Estado que têm a finalidade constitucional de preservar a ordem pública, de proteger pessoas e o patrimônio, e realizar a investigação e repressão dos crimes, além do controle da violência. A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 144, estabelece que a segurança pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida através dos seguintes órgãos:

 1) Polícia Federal;

2) Polícia Rodoviária Federal;

 3) Polícia Ferroviária Federal;

4) Polícias Civis;

5) Polícias Militares e Corpos de Bombeiros Militares.

Origens

 A palavra “polícia” tem origem no termo grego polites, de onde vêm também as palavras “política” e “polidez”. Na Grécia Antiga, a pólis era a cidade-Estado e as mais poderosas e famosas eram Esparta, Atenas, Corinto e Tebas. Os gregos chamavam de polites o cidadão que participava das tarefas administrativas, políticas e militares da pólis. A história da polícia como a conhecemos hoje é, no entanto, relativamente recente, não remontando além do século 17, quando o rei francês Luís 14 cria a figura do tenente-general de polícia em Paris, no ano de 1665. Porém, é a Inglaterra, na primeira metade do século 19, que estabelece o modelo das polícias modernas, quando o duque de Wellington força o governo a criar um órgão de força interna para evitar a utilização do Exército na repressão das revoltas sociais. Desde então, a polícia tornou-se parte do Estado-nação moderno, voltada para manter a ordem interna dos países que a constituíram. A polícia, assim, é hoje uma instituição fundamental para manter a incolumidade das pessoas, do patrimônio e da ordem pública na sociedade moderna.

 Tipos de polícia

Há vários tipos e modelos de polícia, conforme a peculiaridade e a história de cada país. As polícias de tipo “gendarme” (termo que vem do francês e significa “gente de armas”) são as polícias de cunho militar. Todas as polícias militares do mundo são desse tipo e têm como base a presença ostensiva e a prevenção dos crimes. Há ainda os tipos de polícia estatal, ainda predominantes, e os de policia privada, cada vez mais crescentes. São comuns no mundo anglo-saxão, onde predomina o liberalismo e a cultura dos direitos civis. Esse tipo de polícia é eminentemente civil e tem como base a investigação. Basicamente os modelos são de duas ordens: o preventivo ou ostensivo e o repressivo ou investigatório. Polícias no Brasil O Brasil é uma República Federativa, que reúne vários Estados. O Brasil como um todo é chamado de União (governo federal). As divisões seguintes são os Estados (governo estadual). E os Estados se dividem em municípios (governo municipal). Existem órgãos policiais no âmbito da União e dos Estados. A União tem, dentre outras, a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal, enquanto os Estados têm a Polícia Civil e a Polícia Militar. Vamos observar um pouco de cada uma delas:

•Polícias militares: dão forças de segurança pública de cada uma das unidades federativas. Têm como principal função a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública nos Estados brasileiros e no Distrito Federal. Subordinam-se, juntamente com as polícias civis estaduais, aos governadores. São forças auxiliares e reserva do Exército Brasileiro e integram o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social brasileiro. Cada Polícia Militar é comandada, em cada Estado, por um oficial superior do posto de coronel, chamado de comandante-geral.

 •Polícias civis: presentes em todos os Estados da federação, são chefiadas por delegados-gerais, que comandam por sua vez os delegados de polícia locais, responsáveis por cada distrito policial. Cabe à Polícia Civil dos Estados atuar como polícia judiciária, ou seja, auxiliando o Poder Judiciário na aplicação da lei, nos crimes de competência da Justiça Estadual. É responsável pelas investigações desses delitos (excepcionalmente poderá apurar infrações penais de competência da Justiça Federal, caso não haja unidade da Polícia Federal no local) e pela instauração do inquérito policial e ações de inteligência policial.

•Polícia Federal: subordinada ao Ministério da Justiça e responsável por investigações dos crimes julgados pela Justiça Federal, onde também exerce a função de polícia judiciária. Exerce ainda funções de polícia marítima e aeroportuária, responsável pela fiscalização de fronteiras, alfândegas e emissão de passaportes.

•Polícia Rodoviária Federal: responsável pela fiscalização de trânsito e combate à criminalidade nas rodovias federais, sendo de sua alçada os fatos gerados nessa circunscrição.

 •Polícia Ferroviária Federal: órgão permanente, como as demais polícias federais, organizado e mantido pela União e estruturado em carreira. Destina-se ao patrulhamento ostensivo das ferrovias federais.

•Polícia Legislativa: órgão da Câmara dos Deputados, exerce as funções de polícia judiciária e apuração de infrações penais nas dependências da Câmara dos Deputados, além das atividades de polícia ostensiva e preservação da ordem e do patrimônio nos edifícios da Câmara dos Deputados. É encarregada também da segurança do presidente da Câmara e dos deputados federais.

 •Polícia do Exército: é a força que tem como missão zelar pelo cumprimento dos regulamentos militares.

Força Nacional e guardas municipais A Força Nacional de Segurança Pública, subordinada à União, é uma força de ação rápida e de ação localizada. Por isso, não se enquadra no conceito de polícia, que deve ser uma força permanente.

As guardas municipais são responsáveis pela guarda e manutenção do patrimônio público municipal e pela segurança dos logradouros públicos. São forças de ação localizada que, para especialistas, também não se encaixariam no conceito de polícia.

 Estruturas e problemas Antes de 1988, as polícias praticamente não existiam na ordem constitucional e por longo tempo eram como um apêndice do Estado e não parte da administração pública. A estruturação da polícia no Brasil teve notória ingerência das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica) em sua composição e administração. A força policial estatal era encarregada da “segurança interna”, conceito comum em épocas ditatoriais. Essa marca na constituição da polícia brasileira, oriunda do estigma da segurança nacional, em especial nos períodos de governos ditatoriais no Brasil, provocou verdadeiras “anomalias” no sistema de segurança pública nacional. Um dos aspectos mais discutidos na atualidade é a existência de duas polícias no âmbito estadual:

 Polícia Militar (também chamada de polícia administrativa ou ostensiva), responsável pela preservação da ordem pública através do policiamento ostensivo e preventivo, e

Polícia Civil (conhecida também como polícia judiciária), responsável pela investigação (encontrar autoria e materialidade) dos crimes que a outra polícia não “conseguiu” prevenir, tudo para que o Ministério Público inicie a ação penal. Para o advogado e jornalista Hélio Bicudo, “trata-se de um modelo esgotado e que fora montado, nos anos da ditadura militar, para a segurança do Estado, na linha da ideologia da segurança nacional”. Estudiosos e analistas criticam a forma como ficou delineada a área de segurança pública pela Constituição de 1988. Seu artigo 144 discrimina de forma sucinta a atribuição dessas duas polícias estaduais, instituindo a obrigatoriedade em manter duas polícias de modo “padrão” no âmbito das unidades federativas, subordinadas aos governadores. Essas duas polícias são constituídas, porém, com aspectos diferentes, a começar por atividades distintas, estrutura hierárquica e disciplinar também diferente, sem contar a remuneração, que causa atrito entre os membros das duas corporações. É importante frisar que ambas têm objetivos iguais: o controle da criminalidade. Sem a soma de esforços, porém, o controle e o combate à criminalidade tornam-se muito mais difíceis.

Ciclo completo de polícia

O chamado “ciclo completo de polícia” é, segundo o especialista em segurança pública Rondon Filho, a execução das funções judiciário-investigativa e ostensivo-preventiva pela mesma instituição policial. Para isso tornar-se possível no Brasil, seria inevitável a reestruturação do subsistema policial através de emenda ao texto constitucional de 1988, precisamente o artigo 144. Estruturas policiais diferentes que atuam no mesmo espaço sobre o mesmo problema tendem a constante rivalidade e atrito. Por isso, os altos índices atuais de criminalidade impõem a urgência de uma reforma gerencial e da racionalização do sistema, em benefício da implantação de políticas capazes de aprimorar a eficiência policial, diminuindo a impunidade. Essa reforma deve ser compatível com os valores democráticos de respeito aos direitos humanos e civis. Além disso, é importante notar que as relações sociais evoluem diariamente e as instituições policiais, para acompanhar a sociedade, devem aprimorar-se para evoluir junto, racionalizando meios e recursos financeiros, tecnológicos, materiais e humanos, com o objetivo de melhorar a prestação de serviço de segurança pública à sociedade, de forma eficiente e eficaz.

 *Gilberto Gasparetto é jornalista.

Fonte: http://educacao.uol.com.br/cidadania/policia-instituicao-se-divide-em-diferentes-tipos-e-funcoes.jhtm

Hoje tive a oportunidade de discorrer sobre esse tema com alguns alunos do CFP II. Por isso, procurei um texto que pudesse esclarecer nossa conversa.

Complementando o texto acima deixo o outro abaixo:

Contrapondo-se a esse modelo Francês, em reposta as “reações negativas da opinião pública inglesa a tudo que possa lembrar a cara odiosa das polícias do continente”, surge uma questão a ser resolvida: “é preciso policiais bem visíveis para que possam ser controlados pelo público e para não parecerem uma “polícia secreta”, mas é preciso evitar que seu uniforme lembrem o modelo de polícias militares do estilo das gerdarmarias”. Essa “nova polícia” é alicerçada na seguinte filosofia:

Os constable deve ser civil e cortês com as pessoas de qualquer classe ou condição…Ele deve ser particularmente atento para não intervir desastrosamente ou sem necessidade, de modo a não arruinar sua autoridade…Ele deve lembrar que não existe nenhuma qualidade tão indispensável ao policial como a aptidão perfeita para conservar seu sangue-frio. (2001: 52)

            Assim o modelo Inglês agora passa a ser o mais cobiçado ocorrendo uma reviravolta nas concepções dominantes em matéria de ordem e de segurança. Esbarramos em um primeiro problema que chama cada vez mais a atenção: a legitimação das novas polícias.

POLÍCIAS E SOCIEDADES NA EUROPA

MONET, Jean-Claude

(Capítulo I e II)

2001

Saiba mais: http://aderivaldo23.wordpress.com/2008/05/28/policias-e-sociedades-na-europa/

About these ads

7 Comentários

Arquivado em Reflexão

7 Respostas para “Polícia: Instituição se divide em diferentes tipos e funções!

  1. Nossa!
    Muito apropriado esse texto.
    O que a gente ouve de confusão que as pessoas fazem por aí, não é brincadeira.
    Agora… o tal do conceito do “poder de polícia” então… é uma calamidade.

    kkkkkkkkkkkkkkk

    Beijo, Adê…

    • Aderivaldo Cardoso

      Tenho um texto interessante em conjunto com um amigo sobre o “poder de polícia” e o “poder discricionário”, mas acho que não estamos preparados para ele. Foi para uma pós em direito que ele fez…rsrs
      Desculpe a formatação acima, mas é que estou de serviço 24h (até amanhá as 7h da manhã…).
      Tenho que ficar parando a todo momento..rs
      Senti saudades, vc nunca mais havia comentado..rs
      Beijo…Como diz meu amigo Sant´anna: “SOBREVIVA!!”

  2. Olá Aderivaldo Cardoso,
    Boa noite!
    Seu artigo é pertinente. Entretanto, ao citar a Polícia Ferroviária Federal, lembro-me um pouco de sua história. Criado no tempo do Império por D. Pedro com o objetivo de garantir a segurança das especiarias, pedras preciosas, ouro e da própria família real no corredor ferroviário, também foi vitima dos anos de chumbo e sofre com isso até hoje. Caso você queira um pouco mais da história da PFF é só entrar em contato.

    Forte abraço,

    Antonio Carlos Flor – PFF

    • Aderivaldo Cardoso

      Olá Antônio Carlos, sempre tive interesse em conhecer a história da Polícia Ferroviária Federal, pois só a vejo no artigo 144 da CF. Pouco se fala e se sabe dessa nossa polícia.
      Abraço

  3. celso dos santos

    Boa Tarde Aderivaldo.
    Tenho uma dúvida. Como se chama o policial federal de fronteiras no Brasil. Ele é um agente de policia federal, ou qualquer policial desde de que federal, pode atuar nas fronteiras.

    Sem mais,
    Agradeço

    • Aderivaldo Cardoso

      Bom dia! Para ser sincero não sei se há tal diferenciação. A força nacional e o exército também atuam na fronteira. Grande abraço

  4. marcus

    fiz uma prova ao qual pedia 6 caracteristica da policia; sei que tem OSTENSIVA, JUDICIARIA, MARITIMA, FRONTEIRA, AEROPORTUARIA. Fiquei em dúvida se a outra é PREVENTIVA OU REPREENSIVA vc pode responder pra mim?!?!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s